PUBLICIDADE

EXCLUSIVO PARA ASSINANTES
Foto do(a) coluna

Bastidores da política que movimentam a economia

Opinião|Lula busca ganho político ao renegociar dívida dos Estados

‘Troca’ de redução dos juros das dívidas estaduais por investimentos em educação tem objetivo mais político do que econômico

Foto do author Lorenna Rodrigues

Faz parte da liturgia do cargo de quase todo ministro da Fazenda desde o Plano Real receber governadores que tentam renegociar a dívida de seus Estados com a União. Volta e meia eles conseguem. Parece que Fernando Haddad também terá um “Refis” dos débitos estaduais para chamar de seu.

PUBLICIDADE

Desta vez, porém, o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva tenta algo diferente. No primeiro esboço da proposta de renegociação, apresentado aos governadores do Sul e Sudeste nesta semana, incluiu, como contrapartida à redução nos juros, o investimento na ampliação do ensino médio técnico pelos Estados.

Chamado de “Juros por Educação”, o programa vem em um momento em que, confrontado com a queda na popularidade, Lula procura uma marca para seu terceiro mandato. Se teve na redução da fome e da pobreza, especialmente com a criação do Bolsa Família, os destaques de suas primeiras administrações, o presidente vê espaço para que a educação seja um dos símbolos dessa terceira rodada. Por isso, a aposta em programas como o Pé-de-Meia, poupança para manter estudantes no ensino médio que começou a ser paga nesta semana. E, agora, a cartada apresentada aos governadores.

Fernando Haddad, ministro da Fazenda Foto: Wilton Junior/Estadão

A “troca” de redução dos juros das dívidas estaduais por investimentos em educação tem objetivo mais político do que econômico. Haddad já admitiu que, na sua opinião, a correção atual de inflação + 4% (ou Selic, o que for menor) está alta. A equipe econômica vinha sentindo a pressão dos Estados pela renegociação e preferiu abrir mão de receita financeira agora para contornar um problema que poderia se tornar uma “bomba” no futuro.

De quebra, o governo vai manter perto “inimigos”. Como Sul e Sudeste concentram a maior parte da dívida – SP, RJ, RS e MG devem 90% dos R$ 740 bilhões do débito dos entes com a União –, quem vai aderir ao programa serão Estados hoje governados por políticos de oposição a Lula. Emblemático na última terça-feira, depois da reunião em que Haddad apresentou o projeto, alguns desses governadores oposicionistas agradeceram, na porta da Fazenda, ao ministro e a Lula pela “sensibilidade” e “oportunidade”.

Publicidade

Alguns dos gratos, como Tarcísio de Freitas (SP), Romeu Zema (MG) e Ratinho Junior (PR), são apontados, inclusive, como possíveis candidatos à Presidência em 2026. Quando podem concorrer contra o próprio Lula. Ou, neste pleito ou no seguinte, em oposição a um candidato apontado por Lula. Que poderá ser, quem sabe, Haddad? Que foi ministro nos outros governos do petista da... Educação? Não foi à toa que Haddad chamou o “Juros pela Educação” de “Prouni da educação profissional”, referindo-se ao programa de acesso a universidades que foi seu carro-chefe quando esteve à frente do outro ministério.

Dificilmente, a renegociação das dívidas, que depende do aval do Congresso, sairá de lá como planeja o governo. Como mostrou o repórter Gabriel Hirabahasi, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, não apoia a proposta da Fazenda. Pacheco quer desconto no valor das dívidas, com corte de parte dos juros e mora devidos.

Apesar de muito agradecidos, os governadores já falaram que querem mudanças, como a possibilidade de que investimentos em outras áreas sejam considerados em troca da redução de juros. Por outro lado, há críticas de economistas pelo fato de o projeto não prever nenhum tipo de ajuste fiscal pelo lado dos Estados - o que dificilmente seria incluído na tramitação do Congresso.

Se, ao final do processo, o governo conseguir manter a contrapartida em Educação, Lula poderá ter um ganho político. A ver se parlamentares e governadores – seus adversários de hoje e do futuro – permitirão.

Publicidade

Opinião por Lorenna Rodrigues

Editora do Broadcast Político, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado dedicado aos três Poderes. Jornalista desde 2006, especialista em Orçamento, Planejamento e Gestão Pública e em Desenvolvimento Econômico.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.