Lula fala com 26 chefes de Estado em três meses; hoje conversa será com primeiro-ministro do Japão

Entre encontros presenciais e telefonemas, petista tem dado destaque na sua agenda à política internacional neste início do mandato

PUBLICIDADE

Foto do author Giordanna Neves
Foto do author Sofia  Aguiar
Por Bruno Luiz , Giordanna Neves (Broadcast) e Sofia Aguiar (Broadcast)

SÃO PAULO E BRASÍLIA - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva conversará nesta quinta-feira, 6, por telefone com o primeiro-ministro do Japão, Fumio Kishida. Antes, Lula já falou com outros 26 chefes de Estado, entre encontros presenciais e telefonemas, desde a sua posse em 1º de janeiro.

A busca por reposicionar o País internacionalmente fica evidente no espaço dedicado à questão nas agendas oficiais do presidente. Segundo levantamento feito pelo Estadão, Lula tem a média de uma agenda relacionada à política internacional a cada três dias. Para fins de comparação, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, esteve menos com Lula no período entre 1º de janeiro e 31 de março: foram 22 reuniões, mesmo à frente de temas importantes para o governo, como reforma tributária e arcabouço fiscal.

Lula prioriza encontros internacionais no início de seu governo.  Foto: Evaristo Sá/AFP

PUBLICIDADE

O doutorando em Geografia das Relações Internacionais pela Unicamp e pesquisador-visitante da Universidade de Coimbra, Gustavo Blum, analisa que a proeminência da política internacional no início do mandato de Lula tem razão, sobretudo, econômica. “Em meio aos resultados da pandemia de covid-19, da inflação dos preços acelerada pela invasão russa na Ucrânia e à necessidade de atuação em termos ambientais para obter recursos financeiros, o Brasil passou a depender cada vez mais de articulação com todos os países no mundo para ter acesso ao financiamento que permita crescimento econômico, assim como a transição energética necessária para o século 21″, afirma.

A agenda ambiental tem sido a principal aposta do governo para isso. Após a posse de Lula, Noruega e Alemanha retomaram os aportes ao Fundo Amazônia, suspensos durante o governo de Jair Bolsonaro. Estados Unidos e outras nações europeias também estudam doar para a iniciativa.

Viagens

O presidente começou a agenda internacional ainda em novembro, antes de assumir o mandato, quando participou da COP-27 no Egito e depois foi a Portugal para se reunir com o presidente Marcelo Rebelo de Sousa e com o primeiro-ministro António Costa.

Sua primeira viagem após empossado foi no fim de janeiro, à Argentina. Lá, Lula se encontrou com o presidente Alberto Fernández e anunciou a intenção de uma moeda comum para transação entre as nações vizinhas.

Em seguida, Lula foi ao Uruguai, onde teve agendas com o presidente Lacalle Pou e com o ex-presidente Pepe Mujica, de quem é amigo pessoal. Mujica também veio ao Brasil participar de um evento no Palácio do Planalto, em 1º de março.

Publicidade

Para Rafael Cortez, cientista político da Tendências Consultoria, o itinerário do petista reforça a estratégia de retomar o protagonismo do Brasil na América do Sul. “Na questão internacional, a ideia de reconstrução é muito forte. Haja vista, a visita de Lula à Argentina logo no início do mandato. Quando faz, ele pede desculpas ao povo argentino pelo comportamento de Bolsonaro, faz uma série de sinalizações e promessas como moeda única, justamente por conta da percepção de recuperar o papel de liderança do Brasil”, avalia.

Em fevereiro, o petista teve o primeiro encontro presencial com o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden. Na Casa Branca, sede do governo americano, ambos conversaram sobre o fortalecimento da democracia e a questão ambiental. O presidente também marcou uma visita à China para o fim de março, mas teve que adiá-la porque foi diagnosticado com pneumonia.

Biden e Lula durante encontro na Casa Branca.  Foto: Andrew Harrer/EFE

Lula tem buscado se equilibrar na disputa entre norte-americanos e chineses, ambos grandes parceiros comerciais do País, e a guerra da Ucrânia é um retrato disso. O governo Biden exige uma posição mais clara do Brasil contra a Rússia, mas Lula defende uma solução negociada entre russos e ucranianos para o fim do conflito. A China, por sua vez, é aliada do regime de Vladimir Putin, apesar de também mediar um acordo.

PUBLICIDADE

Para o pesquisador Gustavo Blum, Lula encontra atualmente um cenário internacional diferente dos dois primeiros mandatos, o que o obriga a adotar uma postura ainda mais moderada. “O mundo atualmente é pautado muito mais por questões políticas do que por questões econômicas, como na década de 2000. As declarações de Lula a respeito de uma culpa compartilhada entre ucranianos e russos relativamente à guerra, por exemplo, tiveram que se tornar mais moderadas para que o Brasil pudesse ter acesso ao desbloqueio dos recursos do Fundo Amazônia por parte dos EUA e de países europeus, por exemplo”, nota.

”Isso mostra que, ainda que o Brasil esteja se posicionando enquanto um ator independente e com seus próprios interesses no sistema internacional, atualmente enfrenta um cenário muito mais limitado em termos de possibilidades diplomáticas que anteriormente”, destaca Blum.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.