PUBLICIDADE

EXCLUSIVO PARA ASSINANTES
Foto do(a) coluna

Bastidores da política e da economia, com Julia Lindner e Gustavo Côrtes

Ruídos entre Lira e Pacheco só aumentam

PUBLICIDADE

Por Matheus Lara e Alberto Bombig

Os ruídos entre Rodrigo Pacheco (DEM-MG) e Arthur Lira (PP-AL) não se restringem à "agenda bolsonarista". Um dia antes de a MP do Ambiente de Negócios caducar no Senado, o presidente da Casa acatou 69 emendas ao texto e o devolveu para a Câmara. Lira ignorou tudo e, com apoio dos líderes de bancada, colocou em votação o original aprovado por ele e seus colegas.

PUBLICIDADE

A interlocutores, o presidente da Câmara tem reclamado da forma como o Senado trata as matérias recebidas dos deputados: com lentidão e ainda apontando "jabutis".

Lista. Além da MP, a lentidão do Senado em projetos sobre o reconhecimento da educação como atividade essencial na pandemia e as novas regras do licenciamento ambiental, por exemplo, também têm incomodado Arthur Lira.

Lado B. No entorno de Pacheco, senadores reclamam da forma como o presidente da Câmara têm "tratorado" pautas importantes, sobretudo na volta dos trabalhos após o recesso.

Marca. Citado como presidenciável, Pacheco busca conferir "personalidade", segundo um aliado dele, à gestão na presidência.

Publicidade

DNA. Pacheco disse que a decisão de Lira feriu a soberania do Senado e chegou a convidar o presidente da Câmara para um papo na sexta-feira, 6, mas desmarcou a conversa.

DNA 2. Um colega de Pacheco avalia que o estilo mineiro prevaleceu: o presidente do Senado costuma reagir somente quando a corda está para arrebentar.

 Foto: Dida Sampaio/Estadão

Um por todos. Luiz Fux sempre foi apontado como um magistrado afeito ao "corporativismo". Quem conhece bem o presidente do STF diz que foi justamente essa característica, acima de qualquer outro motivo, que o levou a comprar a briga de Luís Roberto Barroso e Alexandre de Moraes contra Bolsonaro.

Dentro. O diretório municipal do PSDB em São Paulo diz que vai participar de todos os atos nas ruas contra Jair Bolsonaro, independentemente se de esquerda ou de direita. A decisão contraria orientação do comando nacional do partido. Alvos da esquerda e do MBL, organizadores dos atos, tucanos têm sido as visitas inconvenientes nas manifestações.

CLICK. Karim Miskulin, CEO do Brasil de Ideias, com o prefeito de Porto Alegre, Sebastião Melo (à esquerda), e o presidente da Assembleia Gaúcha, Gabriel Souza.  

Desafios. O relatório Desafios da Gestão Municipal, feito pela Macroplan, projetou como deverá ser o pós-pandemia dos cem maiores municípios brasileiros.

Publicidade

Desafios 2. Os resultados mostram que será ainda mais difícil para esses municípios alcançarem patamares competitivos com os de países desenvolvidos.

PUBLICIDADE

Distância. "A preocupação é que a pandemia tenha tornado o caminho ainda mais longo", diz Adriana Fontes, coordenadora do estudo. Ideb abaixo dos valores de referência no ensino fundamental 2, falta de esgoto tratado e a alta taxa de homicídios são os principais problemas.

Repercussão."Entre os municípios que são populosos, mas têm baixa receita per capita e alta vulnerabilidade social, as receitas são ainda mais limitadas e os repasses insuficientes. A iniquidade federativa precisa ser enfrentada", afirma Gilberto Perre, secretário-executivo da Frente Nacional de Prefeitos (FNP).

PRONTO, FALEI!

Rodrigo Maia, deputado federal (sem partido-RJ)

Publicidade

"O governo federal vai colocar em prática com a PEC dos precatórios o populismo fiscal, copiando o que ocorreu em 2013/2014 no Brasil."

 Foto: Dida Sampaio/Estadão
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.