PUBLICIDADE

Ministério da Saúde confirma demissão de secretário de Atenção Primária, mas nega pressão política

Secretaria de Nésio Fernandes sofreu pressão de parlamentares antes da exoneração, que foi revelada pelo ‘Estadão’; Lira cobrou desmentido da ministra Nísia Trindade após a publicação da reportagem

PUBLICIDADE

Foto do author Gabriel de Sousa
Por Gabriel de Sousa

BRASÍLIA - O Ministério da Saúde confirmou nesta quinta-feira, 22, a demissão do secretário de Atenção Primária, Nésio Fernandes. Segundo a pasta, ele será substituído pelo médico da família Felipe Proenço. Apesar da exoneração ter acontecido após a secretaria de Nésio sofrer pressão de líderes partidários e do presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), a pasta negou que a mudança tenha sido motivada por fatos externos e internos.

O secretário de Atenção Primária do Ministério da Saúde, Nésio Fernandes, foi exonerado pela ministra Nísia Trindade Foto: Walterson Rosa / Ministério da Saúde

PUBLICIDADE

A exoneração de Nésio foi revelada pelo Estadão nesta quarta-feira, 21. Segundo três fontes da pasta ouvidas pela reportagem, Nésio se reuniu com subordinados durante o dia, comunicou sua saída e explicou que a decisão foi de Nísia.

Em nota enviada para o Estadão nesta quinta, a Saúde afirmou que o “ajuste na equipe da pasta é um processo natural ao longo da gestão e não foi baseado em nenhum tipo de pressão interna ou externa”. Nésio é o primeiro membro da cúpula da pasta a ser exonerado desde o início do mandato do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). (Leia a nota completa no fim desta reportagem).

Na pasta, o cargo de Nésio era responsável por gerenciar políticas relacionadas ao Sistema Único de Saúde (SUS) e ao programa Mais Médicos. Antes de chegar no ministério, ele foi secretário de saúde do Espírito Santo, durante o primeiro mandato do governador capixaba Renato Casagrande (PSB) e presidente do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass).

Nésio sofreu pressão de parlamentares antes de demissão

A Secretaria de Atenção Básica, chefiada por Nésio, era alvo de descontentamento de líderes partidários na Câmara dos Deputados. No começo deste mês, Lira formulou um requerimento de informações (RIC) destinado à ministra da Saúde questionando a pasta sobre os critérios para a distribuição de verbas para serviços de média e alta complexidade (MAC) e de pagamento de emendas parlamentares.

O pedido de informações foi assinado por líderes de outros seis partidos: PDT, Republicanos, União Brasil, PSDB, Podemos e PL. É inusual que o presidente da Casa faça este tipo de questionamento.

Por intermédio de sua assessoria, Lira afirmou que não tem nenhuma relação com a saída do secretário. Após a revelação da exoneração de Nésio pelo Estadão, Lira entrou em contato com a ministra da Saúde. Disse a ela que não tinha relação com a exoneração e cobrou: “Isso não é verdade. Espero que a senhora faça correção”. Nísia Trindade prometeu fazer isso. “Até tenho uma avaliação positiva do secretário. A senhora e o PT deveriam explicar ao PCdoB a saída dele”, insistiu o presidente da Câmara, segundo relato de pessoas próximas ao presidente da Câmara.

Publicidade

Antes da publicação da nota oficial, o Estadão tentou entrar em contato com a ministra por duas vezes nesta quarta, mas não obteve retorno.

O secretário exonerado é vinculado ao PCdoB. Nésio tentou se eleger deputado estadual pelo Tocantins em 2018, mas teve apenas 3.619 votos (0,48% dos votos válidos) e não foi eleito.

Leia a íntegra da nota do Ministério da Saúde

O Ministério da Saúde informa mudanças no comando da Secretaria de Atenção Primária à Saúde (SAPS). O atual secretário Nésio Fernandes será substituído por Felipe Proenço, médico de saúde da família, que já integra a equipe da SAPS e é um dos precursores do Programa Mais Médicos.

O ajuste na equipe da pasta é um processo natural ao longo da gestão e não foi baseado em nenhum tipo de pressão interna ou externa.

A ministra da Saúde, Nísia Trindade, agradece a colaboração de Nésio Fernandes que, com sua experiência, muito contribuiu para a gestão deste Ministério.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.