Homem denunciado por descartar carro usado no assassinato de Marielle Franco é preso no Rio

Ministério Público do Rio denunciou Edilson Barbosa dos Santos, conhecido como Orelha, por atrapalhar as investigações do caso

PUBLICIDADE

Foto do author Rayanderson Guerra
Por Rayanderson Guerra
Atualização:

RIO – A Polícia Federal (PF) e o Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MP-RJ), prenderam nesta quarta-feira, 28, o dono de ferro-velho Edilson Barbosa dos Santos, conhecido como Orelha, acusado de ser o responsável pelo desmanche do veículo usado pelos assassinos da vereadora carioca Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, em 2018.

Orelha foi denunciado pelo Ministério Público em agosto de 2023 por impedir e embaraçar as investigações do caso. Ele foi preso em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense (RJ).

Marielle Franco foi assassinada a tiros no dia 14 de março Foto: Foto: Ellis Rua|AP

PUBLICIDADE

De acordo com a PF, o preso foi conduzido à Superintendência Regional, no Rio, e será encaminhado ao sistema prisional.

Os investigadores chegaram ao nome de Edilson Barbosa, como um dos suspeitos, após a delação premiada do ex-policial militar Élcio Queiroz. No depoimento, Queiroz admitiu ter sido o motorista do veículo utilizado no ataque contra Marielle e acusa o também ex-PM Ronnie Lessa de ser o autor dos disparos. Segundo Élcio Queiroz, o veículo Cobalt foi destroçado por ordem de Ronnie Lessa.

“Após jogar os pedaços da placa e as cápsulas, deixamos o Maxwell (Simões, ex-bombeiro) na casa da mãe dele, porque ele disse que iria ‘agitar’ o sumiço do carro. Ele falou que iria procurar um conhecido nosso, cujo apelido era Orelha, que já teve agência de automóvel e trabalhava com seguro de carro e hoje em dia tem uma sorveteria (...) Depois disso fiquei sabendo através do Maxwell que esse carro de fato sumiu e que foi para o morro da Pedreira, onde havia um desmanche de carro. Quando eu perguntei para o Orelha se havia dado sumiço no carro, ele me cortava e desconversava”, afirmou Élcio em delação.

O encontro com Orelha foi o último momento em que Élcio e Lessa teriam tido contato com o automóvel, segundo a delação. “Foi desse modo que nos desfizemos do veículo e das cápsulas”, disse.

Segundo as investigações, o ex-bombeiro Maxwell Simões, o Suel, citado no depoimento, teria ajudado a ocultar armas um dia após prisões de Ronnie Lessa e Élcio de Queiroz, denunciados como autores dos crimes.

Publicidade

Executores tentaram destruir provas

A PF informou que, após executar Marielle, os investigados teriam jogado pedaços da placa do veículo utilizado no crime nas linhas férreas dos trens urbanos do Rio de Janeiro. Dois dias após a execução, Orelha recebeu a ordem de “sumir com o automóvel”. O destino teria sido um desmanche no Morro da Pedreira, na Zona Norte da cidade.

O Estadão tenta contato com a defesa Edilson Barbosa dos Santos.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.