PUBLICIDADE

PF apreende computador da Abin em operação que mira vereador Carlos Bolsonaro

Celulares e arma também foram apreendidos pela Polícia Federal nos endereços que foram alvos de mandado de busca e apreensão

Foto do author Juliano  Galisi
Por Juliano Galisi
Atualização:

A Polícia Federal (PF) apreendeu um computadores, celulares e uma arma nesta segunda-feira, 29, na operação que tem como um dos alvos o vereador do Rio Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ). A ação faz parte da investigação sobre suposta espionagem ilegal na Agência Brasileira de Inteligência (Abin) no governo Jair Bolsonaro (PL).

O vereador Carlos Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro Foto: Dida Sampaio/Estadão

PUBLICIDADE

Jair Bolsonaro e os filhos estavam na casa que foi alvo das buscas e deixaram o local de barco. Além de Carlos Bolsonaro, são citados na investigação: Luciana Paula Garcia da Silva Almeida, assessora de Carlos na Câmara do Rio; Priscila Pereira e Silva, assessora do deputado federal Alexandre Ramagem (PL-RJ) na Câmara dos Deputados; e Giancarlo Gomes Rodrigues, militar do Exército cedido a Abin.

Na casa de Giancarlo, em Salvador, foi apreendido um notebook da Abin. A mulher do militar é servidora da agência.

Entenda as buscas da PF nesta manhã

Os mandados, autorizados pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes, fazem parte de uma operação da PF que apura o uso da Abin para fins pessoais durante a gestão do ex-presidente Jair Bolsonaro. Segundo as diligências, uma estrutura paralela no órgão de inteligência pode ter sido utilizada para perseguir adversários políticos do bolsonarismo.

A PF foi às ruas na manhã desta segunda para vasculhar endereços no Rio de Janeiro (cinco), Angra dos Reis (um), Brasília (um), Formosa (GO- um) e Salvador (um). A nova etapa do inquérito mira o “grupo político” vinculado aos servidores da Abin sob suspeita.

Jair Bolsonaro e Alexandre Ramagem Foto: Marcos Correa/PR

Esses mandados são desdobramentos da Operação Vigilância Aproximada, que vasculhou 21 endereços na quinta-feira, 25. O principal alvo da ofensiva foi Alexandre Ramagem, ex-diretor da Abin na gestão Bolsonaro e hoje deputado federal.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.