PUBLICIDADE

Pesquisa Quaest: governo Lula tem 36% de ótimo/bom, após pico de 42% em agosto; 29% reprovam gestão

Segundo nova pesquisa do instituto, 36% avaliam a gestão do petista como ótima ou boa; outros 29% reprovam e 32% consideram regular a atuação do governo

Foto do author Gabriel de Sousa
Por Gabriel de Sousa
Atualização:

BRASÍLIA - O governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) vai encerrar o ano de 2023 com uma tendência de queda em seu índice de aprovação. Segundo a nova pesquisa da Genial/Quaest divulgada nesta quarta-feira, 20, a avaliação que considera a gestão do petista ótima ou boa oscilou de 38% para 36%, dentro da margem de erro de 2,2%, em comparação ao levantamento anterior feito pelo instituto em outubro. Se comparado com os resultados de agosto, quando o mandato de Lula teve sua melhor aprovação do ano, com 42%, a queda foi de 6%.

Por outro lado, houve crescimento em quem considera o mandato do presidente regular, com aumento de 29% para 32%. A reprovação se manteve estável em 29%, enquanto 3% não souberam ou não responderam.

O presidente Lula irá encerrar o seu primeiro ano de mandato com a aprovação em baixa, segundo a nova pesquisa da Genial/Quaest Foto: Pedro Kirilos/Estadão

A pesquisa também questionou a respeito da atuação do presidente. A aprovação do trabalho de Lula no cargo se manteve estável nos 54% desde outubro, em uma queda de 6% em comparação com os 60% que aprovavam o trabalho presidente em agosto. A desaprovação oscilou de 42% para 43%, dentro da margem de erro. Foram feitas 2.012 entrevistas entre 14 e 18 de dezembro e o índice de confiança é de 95%.

PUBLICIDADE

Entre as regiões do país, a maior aprovação de Lula está no Nordeste (70%), enquanto que a maior rejeição está no Sul (51%). A avaliação positiva do petista é maior entre as mulheres (55%), enquanto que a negativa é maior entre os homens (46%).

O grupo que mais aprova o petista é o de quem possui ensino fundamental completo (65%), os que recebem menos de dois salários mínimos (64%), católicos (61%) e pessoas pretas (63%). Entre os que mais o reprovam estão os que recebem mais de cinco salários mínimos (55%), os evangélicos (56%) e os que possuem o ensino superior incompleto ou mais (55%).

De 0 a 10, nota do eleitorado para primeiro ano de Lula no governo é 5,7

A Quaest também perguntou aos eleitores qual a nota de 0 a 10 que eles dariam para o primeiro ano do governo Lula. A avaliação geral dos eleitores foi de 5,7. A maior nota foi dada pelos nordestinos (6,9), e a menor foi dada pelos evangélicos, os que moram na região Sul e os que ganham mais de cinco salários mínimos com 5,2.

O instituto também indagou aos eleitores qual seria os maiores acertos do primeiro mandato do governo. Os mais citados foram a recriação do Minha Casa, Minha Vida e o aumento do Bolsa Família. Já os principais erros na opinião do eleitorado foi a alta frequência de viagens internacionais feitas pelo presidente e o fato do petista não ter classificado o Hamas como um grupo terrorista desde o início da guerra contra Israel.

Publicidade

Para 25% dos entrevistados, o principal problema atual do Brasil é a economia, seguido pela saúde (14%) e questões sociais com (13%).

50% acreditam que Lula tem maior facilidade para lidar com o Congresso do que Bolsonaro

50% do eleitorado entrevistado pela Quaest consideraram que o governo Lula tem uma maior facilidade para lidar com o Congresso Nacional do que o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). Em comparação com a pesquisa feita em outubro, a avaliação cresceu em nove pontos percentuais. Os que acham que o petista tem mais dificuldade reduziram de 43% para 36%.

Nos últimos dois meses, o Congresso Nacional aprovou a reforma tributária na Câmara dos Deputados e o Senado aprovou as indicações de Flávio Dino para o Supremo Tribunal Federal (STF) e Paulo Gonet para a Procuradoria-Geral da República (PGR). Em contrapartida, o governo sofreu revezes com a derrubada de vetos presidenciais no marco temporal das terras indígenas e na desoneração das folhas de pagamentos.

Para 34% dos ouvidos pela Quaest, a economia brasileira melhorou nos últimos 12 meses. A avaliação positiva está empatada na margem erro com os que acham que está do mesmo jeito que há um ano atrás (33%). Outros 31% dos entrevistados afirmaram que a economia piorou neste período.

92% não se arrependem de terem votado em Lula e 93% não mudariam o voto em Bolsonaro

O instituto de pesquisas também perguntou aos eleitores que votaram em Lula e em Bolsonaro no ano passado se eles se arrependeram das suas escolhas. 92% dos que votaram no petista se arrependem e 7% não. Com Bolsonaro, o número dos que não se arrependem é um pouco maior, mas dentro da margem de erro (93%), enquanto que 6% mudariam o seu voto no ex-capitão reformado.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.