PUBLICIDADE

Simone Tebet diz que subirá em palanque de Ricardo Nunes quando Jair Bolsonaro não estiver

Ministra do Planejamento do governo Lula diz que ‘até agora’ prefeito de São Paulo não deu motivos para ela não apoiá-lo na tentativa de reeleição neste ano

Foto do author Mariana Carneiro
Por Mariana Carneiro
Atualização:

Integrante do MDB, mesmo partido do prefeito Ricardo Nunes, que tentará a reeleição na capital paulista, a ministra do Planejamento, Simone Tebet, disse que vai apoiá-lo ainda que o prefeito tenha se aliado ao ex-presidente Jair Bolsonaro (PL).

PUBLICIDADE

Nunes deverá ter como adversários Guilherme Boulos (PSOL), que tem o apoio do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, e Tabata Amaral (PSB), do mesmo partido do vice-presidente Geraldo Alckmin. Dessa forma, o atual prefeito vem aglutinando a intenção de voto de eleitores da direita e da extrema direita, uma vez que Bolsonaro não deu aval à entrada de nomes de seu espectro político na campanha.

Pela proximidade que estabeleceu com Lula desde que o apoiou, no segundo turno da eleição de 2022, Tebet já avisou ao seu partido que não subirá em palanques de bolsonaristas, mesmo que o MDB indique políticos a vice.

“Até agora, o Ricardo Nunes não me deu nenhum motivo para não apoiá-lo. Obviamente que nós vamos ver qual é a plataforma de governo dele. Mas se ele continuar defendendo a democracia e os valores com os quais eu comungo… O que eu me recuso é subir num palanque de bolsonarista. Eu jamais vou estar no palanque de um candidato que tem pautas que representam um retrocesso, em questões como o armamento, o desmatamento ambiental, na pauta de costumes ou contra a democracia”, afirmou Tebet.

A declaração foi feita em entrevista ao canal de notícias CNN Brasil que foi ao ar na noite deste sábado, 30.

Questionada se subirá no palanque de Nunes, ainda que o prefeito receba o apoio de Bolsonaro, Tebet sinalizou positivamente. “Bolsonaro não estando (risos). A gente pode ir em dias diferentes”, afirmou.

Simone Tebet, ministra do Planejamento do governo Lula, ao lado de Ricardo Nunes, prefeito de São Paulo Foto: Tiago Queiroz/Estadão

A ministra não comentou, porém, a presença do prefeito na manifestação convocada por Bolsonaro em fevereiro e que se transformou num ato de defesa do ex-presidente, investigado por estimular um golpe de Estado. Na ocasião, Bolsonaro e seus aliados falaram em injustiças e defenderam a anistia aos condenados pelo vandalismo do 8 de Janeiro, em Brasília.

Publicidade

Apesar disso, Tebet classificou Nunes como um democrata. “Vejo Nunes como uma pessoa democrática. Ele é um democrata, com posicionamento provavelmente diferente em alguns aspectos que eu”, afirmou.

Apoio do MDB a Lula em 2026

Tebet disse ainda esperar que seu partido apoie a reeleição de Lula, em 2026 – o MDB deseja indicar um vice para Lula – como forma de evitar o retorno do que ela considera ser a extrema direita ao poder.

“Não tenho dúvidas de que as forças democráticas estarão com o candidato mais forte a derrubar esse projeto nefasto. E, consequentemente, o único nome que me vem à mente, e por tudo que estamos preparando para o País, de melhora da economia, a gente fortalece o governo do presidente Lula. Eu não vejo outro caminho a não ser apoiar a reeleição do presidente Lula se ele for candidato.”

E prosseguiu na defesa de uma nova frente ampla, similar à montada por Lula no segundo turno da eleição de 2022. “O projeto de poder no Brasil passa pela questão de garantir o Estado Democrático de Direito, a democracia acima de tudo. Então, isso tem que estar acima das vontades políticas. Tem que ser o candidato que tem condições de ganhar da extrema direita. E estou falando da extrema direita, não da direita. Eu mesma sou uma pessoa de centro-direita na economia e de centro-esquerda nos costumes”, disse.

Fim da reeleição

PUBLICIDADE

Na entrevista à CNN, Tebet disse ainda ser “totalmente de acordo” com o projeto de limitar a reeleição e criar mandatos de cinco anos para presidente da República, em discussão no Senado.

“Um dos grandes cânceres e males é um mandato de quatro anos. É um mandato curto. Então, você ganha e trabalha no primeiro ano. No segundo, tem eleição municipal. No terceiro, você já está pensando na reeleição. Você só não pensa em eleição no primeiro ano. O Brasil não vai para frente dessa forma”, afirmou a ministra, que relacionou o tema à turbulência da eleição de 2022.

“Se o presidente Bolsonaro não tivesse chance de ser candidato à reeleição, nós não teríamos todo esse processo. Nós teríamos eleição com dois outros candidatos. Talvez não teríamos uma tentativa de golpe no Brasil. Um mandato de cinco anos sem reeleição está de bom tamanho”, afirmou.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.