PUBLICIDADE

Violência contra indígenas reforça polarização nas redes e afeta imagem de Lula, diz estudo da FGV

Levantamento da FGV Comunicação Rio aponta uma mudança na percepção sobre a responsabilização pela crise humanitária nos Estados de Amazonas e Roraima

Foto do author Rayanderson Guerra
Por Rayanderson Guerra
Atualização:

RIO – Acusado de negligência e descaso em relação à crise humanitária na Terra Yanomami, nos Estados de Amazonas e Roraima, o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) busca reverter a alta de mortes, a imagem negativa e a comparação com a inação do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) sobre o tema no governo passado. O número de mortes em 2023, primeiro ano do mandato petista, superou os dados do último ano da gestão passada. A percepção sobre a responsabilidade pela crise nas redes sociais dá sinais de mudança, segundo um estudo da FGV Comunicação Rio. Antes do atual governo, Bolsonaro era apontado como o principal culpado. Já neste ano, Lula aparece no centro do debate sobre a desordem humanitária.

O Ministério da Saúde registrou 363 mortes de yanomamis no ano passado. O número é superior ao dado oficial de 2022, com 343 mortes. O levantamento da FGV Comunicação Rio, que analisou a repercussão das mortes indígenas no X, no Facebook e no Instagram, de janeiro de 2023 a janeiro de 2024, com ênfase na comparação entre o mês de janeiro dos dois anos, mostra que conteúdos sobre violência contra indígenas e garimpo ilegal pautam a discussão política nas redes.

Operação em Boa Vista, Roraima, atende crianças indígenas yanomamis desnutridas Foto: Weibe Tapeba/Sesai

PUBLICIDADE

A crise Yanomami do início de 2023 foi o maior destaque do período, concentrando críticas e responsabilizações à gestão Bolsonaro, sobretudo no campo progressista. Os grupos de direita culpavam gestões anteriores de Lula, mas em menor volume. Já em 2024, o debate é conduzido pela oposição ao atual governo petista, com acusações de que o presidente não tomou atitudes significativas para conter a crise humanitária.

Parlamentares e aliados do ex-presidente Jair Bolsonaro acusam o atual chefe do Executivo de não tomar atitudes significativas em relação aos povos Yanomami. O aumento do número de desnutridos, dos casos de malária e das mortes de indígenas são os principais assuntos repercutidos por perfis conservadores, de acordo com o estudo da FGV. Já os perfis mais alinhados ao governo apontam para a redução do número de garimpeiros no território.

O garimpo é um tema que permaneceu em alta nos dois períodos analisados pelo levantamento. Em 2023, o foco eram as consequências da atividade mineradora na Terra Yanomami. Já no início deste ano, as iniciativas do governo Lula na luta contra o extrativismo dominam a discussão.

Parlamentares de esquerda e direita disputam a narrativa sobre os culpados pela crise humanitária nas redes sociais. Na oposição, o deputado federal Paulo Eduardo Martins (PL-PR), a senadora Damares Alves (PL-PR), e o deputado estadual em São Paulo Coronel Telhada (PP-SP) apontam um suposto descaso do atual governo com o povo Yanomami.

No fim de fevereiro deste ano, no dia 22, Damares usou o perfil no X para criticar o atual governo. De acordo com a senadora, as críticas dos aliados do presidente Lula à gestão Bolsonaro na área tinham conotação eleitoral.

Publicidade

“A verdade é que por trás dos discursos inflamados que a esquerda mundial (inclusive a imprensa) promoveram ano passado, não havia real vontade de ver os indígenas sendo salvos. Todo aquele alarde era eleitoral, era uma perseguição política e ao mesmo tempo era vazio”, escreveu Damares.

A Câmara de Populações Indígenas e Comunidades Tradicionais do Ministério Público Federal apontou em janeiro do ano passado que a “grave situação” de saúde e segurança alimentar vivida pelo povo Yanomami é resultado da omissão do Estado em assegurar a proteção da terra indígena, tendo o governo Jair Bolsonaro adotado “providências limitadas” sobre o tema. Em nota pública, a Procuradoria alerta para “verdadeira tragédia humanitária” e possível caracterização de genocídio, inclusive com eventual responsabilização internacional do Estado.

Aliados do presidente defendem governo

A ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, e o perfil oficial do PT são os destaques na base governista na defesa dos avanços do atual governo em relação à população Yanomami, segundo a pesquisa. Sem citar a alta de mortes na terra indígena, Marina destaca nas redes sociais a redução da mineração ilegal na região.

“O trabalho emergencial iniciado em 2023 resultou na redução de 85% das áreas de mineração ilegal, quando comparado ao ano anterior. Mas muito ainda precisa ser feito para recuperar a autonomia Yanomami e a defesa dos direitos dos povos indígenas, como determinou o presidente Lula, durante a primeira reunião ministerial do ano”, escreveu a ministra no dia 11 de janeiro deste ano no X.

PUBLICIDADE

De acordo com a FGV, políticos alinhados ao governo federal disputam a narrativa sobre as causas da crise humanitária e focam na redução do garimpo ilegal.

“Gleisi Hoffmann, Humberto Costa e Randolfe Rodrigues são os parlamentares governistas com mais interações. Ressaltando os planos da atual gestão Lula em unir várias frentes para uma atuação conjunta de reforço ao combate ao garimpo ilegal, a saúde pública e garantir a proteção dos povos yanomami, com o aporte de R$ 1,2 bilhão para a proteção da Terra Indígena Yanomami, eles reafirmam que a crise humanitária na região é importante para a atual gestão, além de redirecionarem a culpa para Bolsonaro e Damares. O caso da comunidade Pataxó Hã-hã-hãe (BA) é destacado pelo deputado Padre João (PT-MG)”, diz o estudo da FGV.

Em contraponto, aliados de Bolsonaro como os deputados Carla Zambelli (PL-SP), Bia Kicis (PL-DF), Hélio Lopes (PL-RJ), e o vereador Carlos Bolsonaro (PL-RJ), do Rio de Janeiro, são os nomes que se destacam em audiência e engajamento na oposição ao atual governo, segundo o levantamento.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.