PUBLICIDADE

Foto do(a) blog

Na página de blogs do Estadão você pode escolher pelo assunto ou blog que mais gosta e conferir conteúdos com profundidade e credibilidade. Clique e acesse os conteúdos exclusivos do jornal mais tradicional do Brasil!

Veja 14 dúvidas sobre os novos "táxis pretos" de SP e como fica a Uber

Novo serviço deve ser regulamentado em até 60 dias; carros poderão cobrar até 25% mais caro do que táxis comuns

PUBLICIDADE

Por

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PUBLICIDADE

1. O que foi anunciado pela Prefeitura na tarde desta quinta, 8?

A criação de uma nova categoria de táxis, o Táxi Preto, que só aceitará corridas pedidas por aplicativos. Eles poderão cobrar a tarifa que quiserem, com um teto de 25% acima do preço das corridas comuns, mas sem preço mínimo, o que, para a Prefeitura. Além da cor preta, os carros terão no máximo 5 anos de uso, bancos de couro, ar condicionado e sistemas de avaliação do motorista. O táxi terá placa vermelha, como os demais táxis, mas não terá o universal luminoso escrito "Táxi" no capô. Também não terão taxímetro: a cobrança será feita determinada pelo aplicativo e o valor deve ser informado antes de a corrida começar.E não pode andar nas faixas exclusivas para ônibus.

2. Qualquer pessoa que quiser poderá ter um táxi preto?

Não. A Prefeitura vai sortear 5 mil alvarás para autorizar esses carros. Mas só poderão concorrer pessoas que já tem a autorização de trabalho como taxista, documento chamado Condutax. Dentre essas 5 mil vagas, 2.500 serão preenchidas por pessoas que já são cadastradas como segundo condutor de táxis comuns e 2.500 para pessoas que não trabalham como taxistas ainda. Metade das novas vagas será exclusivas para mulheres. O sorteio é só para pessoas físicas, não liberado para frotas.

Publicidade

3. Haverá mais táxis na cidade?

Sim. São Paulo tem 33.947 alvarás ativos. Passará a ter 38.947 quando esses táxis começarem a rodar.

4. Para o passageiro, quais são as diferenças entre o táxi branco e o preto?

O branco pode ser chamado na rua, por telefone ou por aplicativos. Eles cobram o preço marcado no taxímetro. O preto, além da possibilidade de ser mais caro, só pode ser pedido pelos aplicativos, que terão de ser cadastrados pela Prefeitura.

5. E para os taxistas?

Publicidade

A alvará preto tem uma série de regras novas. Ele pode ser vendido, com pagamento de taxa pela Prefeitura, e uma validade de 35 anos. Os donos desse alvará terão de pagar uma ortoga à Prefeitura, em valores ainda a serem determinados. Os alvarás brancos não podem ser vendidos -- mas regras de transferência criaram, ao longo dos anos, um mercado negro. Também não tem prazo de validade nem obrigação de pagamento de ortoga. A Prefeitura promete que o valor da ortoga mais os custos de operação e manutenção dos carros terão um custo anual menor do que as diárias cobradas pelas frotas de táxi, que giram em torno de R$ 150 por dia.

6. Táxis brancos podem ir para a categoria Preto?

Sim, sem pagamento de mudança de categoria. A Prefeitura espera que os táxis das categorias "especial" (Vermelho e Branco) e "luxo" façam essa migração, que não será obrigatória

7. Táxis pretos podem ir para a categoria comum (branco)?

Não.

Publicidade

8. Táxis pretos poderão ser divididos por dois motoristas, como os táxis comuns?

Não há nenhuma regra que proíba a mudança.

9. Como fica a situação da Uber?

Para a Prefeitura, é um serviço clandestino, uma vez que não está regulamentado. A Prefeitura promete apreender carros flagrados prestando o serviço, caso o motorista não esteja enquadrado nas regras de táxi. Entretanto, a Prefeitura anunciou que criou um grupo de estudos para, um dia, apresentar propostas de regulamentar outros tipos de transporte de passageiros que não sejam táxis. É a esperança da empresa.

10. Essa apreensão do carro da Uber pode acontecer mesmo se o passageiro estiver dentro do carro?

Publicidade

Sim. A Prefeitura tem poder de apreender o veículo mesmo assim.

11. E o que acontece com o passageiro flagrado pedindo um carro da Uber?

Para o passageiro, não acontece nada. A empresa afirma que qualquer valor pago será ressarcido e mantém canais de relacionamento com os usuários.

12. E como ficam os outros aplicativos, como o EasyTaxi e o 99Táxis?

Terão de se cadastrar na Prefeitura e fornecer a lista de taxistas inscritos. Terão de verificar que oferecem todos os serviços exigidos pela Prefeitura para operar na categoria Táxi Preto, como informação sobre o valor da tarifa antes do embarque. Mas nada muda nas demais categorias. São serviços legais.

Publicidade

13. E se os aplicativos mandarem um carro para o passageiro que não está adequado às regras?

A empresa será descredenciada pela Prefeitura e, na prática, será tornará tão clandestina quando a Uber se continuar a trabalhar.

14. As empresas pagarão impostos?

Sim. Imposto Sobre Serviços (ISS), calculado com base no faturamento.

 

   

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.