PUBLICIDADE

Governo Doria deve rever Plano Diretor para atrair investidores

Futura secretária de Desenvolvimento Urbano, Heloisa Proença afirmou que, se preciso, poderá rever alguns instrumentos urbanísticos em vigência

Foto do author Adriana Ferraz
Por Adriana Ferraz
Atualização:
Segundo Heloisa, sua função será permitir aplicação das leis formuladas pelo governo atual Foto: VIVI ZANATTA/AE

Em busca do capital privado, o governo de João Doria articula a elaboração de projetos atrativos à iniciativa privada na Prefeitura. Nesta quinta-feira, 10, a futura secretária municipal de Desenvolvimento Urbano, a arquiteta Heloisa Proença, afirmou que, se preciso, poderá rever alguns instrumentos urbanísticos em vigência de olho no setor privado. 

PUBLICIDADE

Ao apresentar sua escolhida para a pasta, Doria ressaltou que Heloisa tem capacidade e experiência em arrecadar recursos para o Município. A urbanista foi secretária de Planejamento da gestão Celso Pitta, entre 1999 e 2000, e presidente da Empresa Municipal de Urbanização, a Emurb, em 2005, quando José Serra era o prefeito. “Coordenou projetos do setor público com a iniciativa privada que geraram mais de R$ 400 milhões de recursos extraorçamentários aos cofres públicos”, disse, referindo-se aos certificados imobiliários, os Cepacs.

Segundo Heloisa, sua função será permitir a aplicação das leis formuladas pelo governo atual, como o Plano Diretor e o Zoneamento, ambas consideradas por ela “legislações modernas”. Ela destacou ainda que precisará regulamentar alguns instrumentos previstos, de olho na “cidade real”.

Tanto o Plano Diretor como a Lei de Uso e Ocupação do Solo determinam regras para o mercado imobiliário, como valor da outorga onerosa (taxa cobrada para construções que extrapolem o potencial permitido), a quantidade de vagas de garagem para carros em prédios e a altura de empreendimentos, segundo a localização.

Em crise, o mercado imobiliário poderia se beneficiar, caso algumas dessas regras fossem afrouxadas pela próxima administração. Neste ano, pressionado pelo setor, o prefeito Fernando Haddad aceitou rever parte das normas aprovadas no Plano Diretor durante o trâmite de votação do zoneamento. O petista permitiu, por exemplo, que apartamentos com mais de 60 m² tenham duas vagas de garagem, mesmo que erguidos em locais com oferta de transporte público. O plano só permitia uma.

Marginais. Futuro secretário de Transportes e Mobilidade, Sérgio Avelleda afirmou defender o aumento da velocidade das Marginais do Pinheiros e do Tietê, como prometido na campanha de Doria. Avelleda não considera sua postura destoante de seu discurso de priorizar o pedestre e o ciclista. “O prefeito tem estudos de engenharia de tráfego que comprovam que o aumento da velocidade não afeta a segurança. 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.