Análise: rejeição à postura de Bolsonaro sobre vacina condiz com apoio popular a imunizações

Governo federal já vem falhando em ofertar e informar a sociedade sobre imunizantes. Quando a principal autoridade do País se transforma em multiplicador de opiniões contra vacinas, isso leva a situação crítica

PUBLICIDADE

Por Gonzalo Vecina
Atualização:
1 min de leitura

A unanimidade não existe e sabemos que o presidente Jair Bolsonaro possui um grupo de aceitação entre as pessoas. Ainda assim, um patamar de 67% que discordam dele e demonstram algum apoio à vacina desenvolvida pela China é muito positivo para o momento que estamos vivendo. [Os dados foram revelados em pesquisa Ibope e podem ser vistos aqui]. As pesquisas anteriores com vacinas em geral têm mostrado cerca de 80% de respostas favoráveis, o que é coerente com o histórico nacional com relação a imunizações no País. 

Presidente Jair Bolsonaro recua de acordo para compra de vacina chinesa Foto: Marcos Corrêa/ PRESIDENCIA DA REPUBLICA

Apesar da crença no processo de vacinação, ainda temos uma cobertura baixa de todas as vacinas, realidade observada ao menos desde 2014. Então, o governo federal já vem falhando em ofertar e informar a sociedade sobre os imunizantes. Quando a principal autoridade do País se transforma em um multiplicador de opiniões contra as vacinas, isso leva a uma situação crítica. 

É inacreditável que Bolsonaro continue alimentando esse tipo de posição, criando uma fogueira de vaidades da qual o governador João Doria também não consegue se afastar. Seria esperado que um presidente assumisse um comportamento político condizente e pudesse se recuperar da péssima gestão da crise sanitária que seu governo realizou até agora. 

*Gonzalo Vecina é colunista do Estadão e fundador e ex-presidente da Anvisa