PUBLICIDADE

Costuma usar o celular enquanto anda por aí? Entenda os possíveis reflexos disso na saúde

Segundo especialistas, os smartphones podem causar ‘cegueira por desatenção’, trazendo riscos importantes no dia a dia

Por Markham Heid

THE NEW YORK TIMES – Passe algum tempo em qualquer calçada lotada e você verá cabeças inclinadas e olhos voltados para baixo. Um estudo recente com estudantes universitários descobriu que um quarto das pessoas que atravessam em cruzamentos estavam grudadas em um celular.

PUBLICIDADE

“Acho que as pessoas não têm consciência do quanto se distraem e do quanto sua consciência situacional muda quando estão caminhando e usando um telefone”, diz Wayne Giang, professor assistente de engenharia da Universidade da Flórida, que examinou a ligação entre o uso do telefone e lesões ao caminhar.

De fato, nossos dispositivos podem causar o que alguns especialistas chamam de “cegueira por desatenção”. Um estudo descobriu que os participantes tinham metade da probabilidade de perceber um palhaço em um monociclo enquanto caminhavam e falavam ao telefone.

Mas essa tela na sua mão não está apenas desviando sua atenção. Ela também altera seu humor, seu modo de andar e sua postura, além de prejudicar sua capacidade de ir do ponto A ao B sem ter problemas.

Usar o celular enquanto caminha pode desacelerar seus passos, aumentar a distração e ainda piorar seu humor Foto: nenetus

Como o telefone interrompe seus passos

Quando caminhamos e usamos o telefone ao mesmo tempo, diz Giang, ajustamos reflexivamente a forma como nos movemos. Imagens de vídeo de pedestres mostraram que as pessoas que usam telefones andam cerca de 10% mais devagar do que as que não estão distraídas.

“Vemos várias mudanças na marcha que refletem a desaceleração”, conta Patrick Crowley, gerente de projetos da Universidade Técnica da Dinamarca, que estudou a biomecânica da caminhada durante o uso do telefone. “As pessoas dão passos mais curtos e passam mais tempo com os dois pés no chão.”

Essas mudanças podem atrapalhar o tráfego na calçada. E se a caminhada representa uma grande parte de sua atividade física diária, passear com um telefone pode ter repercussões em seu condicionamento físico, acrescenta Elroy Aguiar, professor assistente de ciência do exercício na Universidade do Alabama.

Publicidade

Olhar para o smartphone enquanto caminha – em vez de ficar ereto – também pode aumentar a quantidade de carga, ou força, colocada no pescoço e nos músculos da parte superior das costas, o que pode contribuir para os sintomas do “pescoço de texto”. E uma pesquisa publicada na revista Gait & Posture sugere que tudo isso pode reduzir o equilíbrio e aumentar o risco de tropeços ou quedas.

Como ele afeta seu humor

Quando os cientistas querem estudar o estresse, eles geralmente pedem às pessoas que realizem várias tarefas ao mesmo tempo. Isso ocorre porque a multitarefa é uma maneira confiável de estressar as pessoas.

Há evidências de que caminhar enquanto se usa o telefone também funciona dessa forma, mesmo que não estejamos conscientes disso no momento. Um experimento descobriu que quanto mais as pessoas usavam o telefone enquanto caminhavam em uma esteira, mais seus níveis de cortisol, o chamado hormônio do estresse, tendiam a aumentar.

Um estudo de 2023 examinou os efeitos psicológicos de caminhar em um parque ao ar livre olhando ou não para o telefone. “Geralmente, quando as pessoas saem para caminhar, elas se sentem melhor depois, e foi isso que vimos no grupo de caminhada sem telefone”, diz Elizabeth Broadbent, uma das autoras do estudo e professora de psicologia da saúde na Universidade de Auckland, na Nova Zelândia.

PUBLICIDADE

“Nos grupos que caminharam com o telefone, esses efeitos foram invertidos”, acrescentou. “Em vez de se sentirem mais positivas após a caminhada, as pessoas se sentiram menos positivas – menos animadas, menos felizes, menos relaxadas.”

Ela e os coautores do estudo atribuíram esses efeitos negativos à falta de conexão do usuário do telefone com o ambiente ao seu redor. Atualmente, é amplamente aceito que passar algum tempo caminhando em meio à natureza é bom para o humor e a saúde mental. “Parece que, para obter esses benefícios, é importante que sua atenção esteja voltada para o ambiente, e não para o telefone”, disse ela.

Os perigos da distração

A maioria de nós sabe que caminhar e usar o celular pode ser arriscado. Algumas cidades, como Honolulu, até aprovaram leis para controlar os pedestres distraídos. Mas as pesquisas sobre esses perigos revelaram algumas surpresas.

Publicidade

O trabalho de Giang analisou a conexão entre “caminhada distraída relacionada ao telefone” e visitas ao departamento de emergência. Usando dados do governo que abrangem os anos de 2011 a 2019, ele e seus colegas encontraram quase 30 mil lesões causadas por telefones. Embora muitos desses acidentes tenham ocorrido em ruas e calçadas, quase um quarto deles aconteceu em casa. Tropeçar em algo ou cair da escada é um risco real, diz Giang.

Segundo seu estudo, a idade foi um dos principais fatores de risco para lesões ao caminhar relacionadas ao telefone. Jovens de 11 a 20 anos tiveram a maior proporção de lesões, seguidos por adultos de 20, 30 e 40 anos – talvez porque os mais jovens usem mais o telefone do que os mais velhos, observa ele.

Então, como você pode se manter seguro? Se quiser verificar seu telefone, Giang recomendou parar por um momento, de preferência fora do caminho de outros pedestres.

Se você caminha e usa o dispositivo ao mesmo tempo, ele aconselhou que não o faça quando estiver perto de escadas, faixas de pedestres e terrenos desordenados ou irregulares – todos os locais onde, de acordo com sua pesquisa, há maior probabilidade de ocorrerem acidentes.

“Até mesmo pessoas alertas e conscientes se machucam ao caminhar”, acrescentou. “Se você estiver distraído com um telefone, com certeza estará correndo algum risco.”

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.