Cresce número de crianças e adolescentes que usam mais de um remédio psiquiátrico, mostra estudo

Pesquisa foi feita nos EUA; não está claro como o uso simultâneo de múltiplos medicamentos psicotrópicos pode afetar o cérebro em desenvolvimento

PUBLICIDADE

Por Matt Richtel

THE NEW YORK TIMES - Um número crescente de crianças e adolescentes tem recebido a prescrição de múltiplas drogas psiquiátricas para serem tomadas simultaneamente, segundo um novo estudo feito no Estado de Maryland, nos Estados Unidos. O fenômeno está aumentando, apesar dos alertas de que combinações de remédios psicotrópicos em jovens não foram testadas quanto à segurança ou estudadas por seus efeitos no cérebro em desenvolvimento.

PUBLICIDADE

O estudo, publicado na sexta-feira, 16, no JAMA Open Network, analisou os padrões de prescrição entre pacientes de até 17 anos inscritos no Medicaid em Maryland de 2015 a 2020. Neste grupo, houve um aumento de 9,5% na prevalência da chamada “polifarmácia”, que o estudo definiu como tomar três ou mais diferentes classes de medicamentos psiquiátricos, incluindo antidepressivos, anticonvulsivantes estabilizadores de humor, sedativos e medicamentos para TDAH e ansiedade.

O estudo analisou apenas um Estado, mas dados estaduais vêm sendo usados para explorar essa questão, em parte devido à relativa facilidade de coletar dados do Medicaid, o programa de seguro de saúde administrado pelos Estados nos EUA.

Ao mesmo tempo, algumas pesquisas usando amostras com peso nacional revelaram o aumento da prevalência de polifarmácia entre jovens. Um artigo recente extraiu dados da Pesquisa Nacional de Cuidados Médicos Ambulatoriais e apontou que, em 2015, 40,7% das pessoas de 2 a 24 anos nos Estados Unidos que tomavam medicação para TDAH também tomavam um segundo medicamento psiquiátrico. Em 2006, o índice era de 26%.

Os últimos dados de Maryland mostram que, ao menos em um Estado, a prática continua a crescer e “era significativamente mais provável entre jovens com deficiência ou que estavam em lares adotivos”, segundo o o novo estudo.

Especialistas em saúde mental disseram que medicamentos psicotrópicos podem ser muito úteis e que médicos têm critérios para prescrever o que acharem adequado. Uma preocupação entre alguns especialistas é que muitos medicamentos usados em coquetéis frequentemente prescritos não foram aprovados para uso em jovens. E não está claro como o uso simultâneo de múltiplos medicamentos psicotrópicos afeta o desenvolvimento cerebral a longo prazo.

Uma preocupação entre especialistas é que muitos medicamentos usados em coquetéis frequentemente prescritos não foram aprovados para uso em jovens. Foto: Benjamin Nolte/noltemedia/Adobe Stock

Os números

O último estudo analisou dados de 126.972 pessoas durante o período do estudo. Descobriu-se que, em 2015, 4,2% dos inscritos no Medicaid com menos de 17 anos em Maryland tinham prescrições simultâneas de três ou mais diferentes classes de medicamentos psiquiátricos. Esse número subiu para 4,6% em 2020.

Publicidade

Os números foram mais altos para aqueles em lares adotivos, onde a prevalência de polifarmácia subiu para 11,3% – anteriormente era de 10,8%.

“As descobertas enfatizam a importância de monitorar o uso de combinações psicotrópicas, particularmente entre populações vulneráveis, como jovens inscritos no Medicaid que têm uma deficiência ou estão em lares adotivos”, concluiu o estudo.

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.