PUBLICIDADE

Em meio a crise em hospitais, Nísia anuncia novo Secretário de Atenção Especializada à Saúde

Sanitarista e professor da FGV, Adriano Massuda substitui Helvécio Magalhães, exonerado na semana passada

PUBLICIDADE

Foto do author Fabiana Cambricoli
Por Fabiana Cambricoli
Atualização:

A ministra da Saúde, Nísia Trindade, anunciou nesta terça-feira, 26, o médico sanitarista Adriano Massuda como novo secretário de Atenção Especializada à Saúde da pasta. Ele assume o cargo do também médico Helvécio Magalhães, exonerado na semana passada em meio à crise nos hospitais federais no Rio.

Massuda será responsável pela área que cuida da assistência de média e alta complexidade no SUS, inclusive o Departamento de Gestão Hospitalar (DGH), responsável pela administração das seis unidades federais que vêm sendo alvos de denúncias de irregularidades e negligência. O novo secretário herdará ainda a missão de enfrentar as enormes filas do SUS para cirurgias, exames e consultas com especialistas, tema de um programa do governo federal iniciado no ano passado.

PUBLICIDADE

Médico formado pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), Massuda é professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV) e já foi secretário-executivo substituto do Ministério da Saúde entre 2011 e 2012, e secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos da pasta em 2015. Foi ainda titular da Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba entre 2013 e 2015.

De acordo com o ministério, o novo secretário tem mestrado e doutorado em Saúde Coletiva na área de Política, Planejamento e Gestão em Saúde pela Unicamp e, entre os anos de 2016 a 2020, foi pesquisador-visitante no Departamento de Saúde Global e Populações da Escola de Saúde Pública da Universidade Harvard, nos Estados Unidos.

A ministra da Saúde, Nísia Trindade, e o novo secretário de Atenção Especializada à Saúde, Adriano Massuda Foto: Reprodução/Instagram @nisiatrindadelima

“Sanitarista brasileiro com trajetória reconhecida, Adriano tem experiências importantes tanto na gestão, dentro e fora do Ministério da Saúde quanto na área acadêmica, sendo um pensador da saúde pública e do SUS. Tudo o que eu considero importante para um desafio tão grande”, disse Nísia, em post nas redes sociais da pasta.

A troca na secretaria ocorreu após uma série de denúncias veiculadas em reportagem do Fantástico, da TV Globo, no último dia 17 sobre a situação de abandono das seis unidades federais no Rio. O problema se arrasta há anos e inclui medicamentos vencidos, equipamentos novos danificados, leitos fechados e problemas de infraestrutura que colocam em risco as unidades. A reportagem mostrou que, em meio ao cenário de caos e precariedade, pacientes aguardam até dez anos por cirurgias.

Embora o problema na rede de hospitais federais do Rio não seja novo, Helvécio acabou caindo por ter seu nome envolvido na indicação de uma representante de uma empresa de construção civil para reuniões e eventual prestação de serviço nos hospitais.

Publicidade

Segundo a reportagem do Fantástico, a mulher não tinha nenhum cargo público, mas se apresentou como enviada pelo secretário para conduzir estudos sobre a estrutura das unidades. Ela já havia sido funcionária da Secretaria de Planejamento e Gestão de Minas Gerais quando Helvécio atuava como titular da pasta mineira. A situação foi denunciada por funcionários ao Ministério Público Federal (MPF). Helvécio disse ao Fantástico que enviou a representante da empresa de construção civil porque ela estava no processo de contratação como consultora.

A crise nos hospitais federais do Rio foi um dos temas pelo qual a ministra da Saúde, Nísia Trindade, foi cobrada na última reunião ministerial com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. De acordo com relatos feitos à Coluna do Estadão, Lula reforçou sua confiança em Nísia mas disse que ela deveria “trocar quem tiver de trocar” para resolver o problema na capital fluminense.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.