Erros aleatórios explicam maioria das mutações que causam câncer

Cientistas dos Estados Unidos analisaram 32 tipos de tumores, associando resultados a 423 bases de dados de 69 países

Por Fabio de Castro e Giovana Girardi
Atualização:
Cientistas atribuem 29% dessas mutações a fatores ambientais e apenas 5% a fatores hereditários Foto: Ewa Krawczyk/National Cancer Institute via AP

Erros imprevisíveis e aleatórios que acontecem naturalmente no processo de duplicação do DNA são responsáveis por cerca de 66% (2/3) das mutações celulares que causam câncer, de acordo com novo estudo realizado por cientistas americanos e publicado nesta quinta-feira, 23, na revista Science. Os autores atribuem 29% dessas mutações a fatores ambientais e apenas 5% a fatores hereditários.

PUBLICIDADE

No estudo, os cientistas da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos, utilizaram um modelo matemático para analisar sequências de DNA de 32 tipos de tumores e associaram esses resultados a dados epidemiológicos obtidos em 423 bases de dados de 69 países. Eles concluíram que, na média para todos os tipos de câncer, dois terços das mutações são atribuídas a erros aleatórios no processo de cópia do DNA, durante a divisão natural das células. “Já é bem conhecido que devemos evitar fatores ambientais como o tabagismo para reduzir nosso risco de ter câncer. Mas é preciso lembrar que cada vez que uma célula normal se divide e faz uma cópia de seu DNA, para produzir duas novas células, ela comete múltiplos erros”, disse um dos autores do estudo, Cristian Tomasetti.

“Esses erros de duplicação são uma potente fonte de mutações tumorais que historicamente têm sido cientificamente subestimados. Esse novo estudo fornece pela primeira vez a estimativa da quantidade de mutações que é causada por esses erros”, explicou.

Segundo outro dos líderes do estudo, Bert Vogelstein, também da Johns Hopkins, apesar das conclusões do estudo, é preciso continuar a estimular as pessoas a evitarem agentes ambientais e estilos de vida que aumentem o risco de desenvolver mutações que levam ao câncer.

“No entanto, muita gente ainda desenvolverá tumores por causa desses erros aleatórios na duplicação do DNA. Por isso, precisamos com urgência de métodos melhores para detectar todos os tipos de câncer mais precocemente, enquanto eles ainda são curáveis”, afirmou Vogelstein.

De acordo com o cientista, na maior parte das vezes os erros de duplicação não causam dano algum. Mas ocasionalmente aparecem em um gene que regula a proliferação celular, levando ao câncer. “Nosso objetivo era tentar pela primeira vez calcular quantas dessas mutações encontradas no câncer são causadas pelo ambiente, hereditariedade, ou um fator aleatório.”

Os cientistas estimam, por exemplo, que as mutações cruciais para os tumores do pâncreas são provocadas por erros aleatórios em 77% dos casos, por fatores ambientais em 18% e por fatores hereditários em 5%. Nos tumores da próstata, do cérebro ou dos ossos, mais de 95% das mutações são atribuídas a erros aleatórios de duplicação, segundo o estudo. Já no câncer de pulmão, 65% das mutações são decorrentes de fatores ambientais – em especial o cigarro – e 35% aos erros de cópia do DNA. Não há registro de fatores hereditários relacionados a câncer de pulmão.

Publicidade

Acaso e prevenção. De acordo com Vilma Regina Martins, superintendente de pesquisa do A.C. Camargo, o estudo ajuda a explicar casos de pessoas que nunca fumaram e tiveram um câncer de pulmão, por exemplo. “Os pesquisadores explicam que, de fato, existe uma fração de casos que não está ligada ao fumo e pode ser causada por mutações aleatórias. Mas isso em nenhuma hipótese elimina a busca pela prevenção dos fatores de risco. Só mostra que existem tumores que não estão ligados ao ambiente e, nesses casos, a detecção e o tratamento precoce são importantes.”

Roger Chammas, coordenador do Centro de Investigação Translacional em Oncologia do Instituto do Câncer de São Paulo (Icesp), faz uma ressalva: as alterações ambientais talvez não sejam indutoras diretas das mutações, mas seu papel indireto não pode ser descartado. “O que esse estudo mostra é que é muito difícil predizer quando vai acontecer uma mutação. Por causa disso, talvez ele não seja tão evitável quanto a gente gostaria. Mas os fatores ambientais, assim como os hereditários, interferem na chance de termos alterações replicativas. E talvez a gente ainda não conheça todos os detalhes sobre fatores ambientais que provoquem isso”, explicou.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.