PUBLICIDADE

O que causa hemorragia pulmonar? Entenda quadro apontado em laudo preliminar de Ana Clara Benevides

Novos exames foram solicitados, já que ainda não é possível concluir a causa da morte da jovem que acompanhava o show de Taylor Swift; resultados devem sair em 30 dias

Foto do author Renata Okumura
Por Renata Okumura
Atualização:

Um laudo preliminar apontou que Ana Clara Benevides, de 23 anos, fã que morreu durante o primeiro show da cantora Taylor Swift, no Estádio Nilton Santos, o Engenhão, no Rio de Janeiro, teve hemorragia pulmonar. No entanto, o quadro não pode ser considerado como a causa da morte da jovem. Novos exames foram realizados e a previsão é que a entrega dos resultados aconteça em 30 dias.

PUBLICIDADE

Ana Clara teve uma parada cardiorrespiratória e não resistiu. Ela foi socorrida pela equipe de resgate na grade em frente ao palco, antes do show da artista ter início na noite de sexta-feira, 17. A suspeita é de que a morte tenha sido ocasionada pela forte onda de calor que atingiu a capital fluminense. No dia, a sensação térmica ficou próxima aos 60 ºC. A artista inclusive interrompeu o show algumas vezes para entregar água aos fãs.

O corpo da jovem foi sepultado e enterrado na terça-feira, 21, no Cemitério Municipal Parque dos Ipês, na cidade de Pedro Gomes, em Mato Grosso do Sul.

Entenda mais sobre hemorragia pulmonar

“A hemorragia pulmonar é um diagnóstico que pode ter múltiplas causas. Em geral, está associada a doenças prévias. É muito raro uma pessoa saudável ter uma hemorragia pulmonar somente pela exposição prolongada ao calor. Pode acontecer, mas é muito raro”, afirma Marcelo Ferraz Sampaio, cardiologista da BP - A Beneficência Portuguesa de São Paulo.

Ana Clara Benevides morreu após passar mal no primeiro show da cantora Taylor Swift no Brasil. Foto: Reprodução/Instagram/@acbenevidesm

O que é hemorragia pulmonar?

É uma síndrome de sangramento pulmonar recorrente ou persistente, que pode ser causada por diversos fatores. Ela provoca um acúmulo de sangue nos alvéolos, o que pode interromper as trocas gasosas.

Quais os fatores de risco para a hemorragia pulmonar?

O problema pode ter várias causas. Pode acontecer pela presença de doenças prévias, como doenças autoimunes e renais. Doenças cardiológicas (como estenose mitral) e doenças do sangue (os chamados distúrbios de coagulação) também podem favorecer esse quadro.

“O uso de medicamentos anticoagulantes, antiarrítmicos e drogas quimioterápicas, a presença de condições próprias do pulmão, além da presença de infecções ativas, e não somente na parte respiratória, podem dar essa hemorragia pulmonar”, acrescenta o cardiologista. Ainda segundo ele, outros pontos de atenção são traumas e tosse excessiva. “Neste último caso, tem um detalhe: a desidratação é capaz de levar ao excesso de tosse, que, por sua vez, pode ocasionar a ruptura de algum determinado vaso e provocar a hemorragia pulmonar”, aponta o médico.

Publicidade

Quais são os principais sintomas da hemorragia pulmonar?

  • Sintomas respiratórios, como tosse persistente e falta de ar;
  • Dor no tórax;
  • Queda da pressão arterial;
  • Palidez, por causa de anemia aguda;
  • Desmaio;
  • Queda de oxigenação.

“Tudo depende ainda da magnitude e da quantidade da hemorragia. Se é uma hemorragia leve, moderada ou severa, ela pode provocar mais ou menos sintomas”, observa o especialista.

A exposição prolongada ao calor pode levar à morte?

Certamente a exposição prolongada ao calor pode levar a consequências perigosas, inclusive à morte. “Temos determinados estados evolutivos que começam com a queda da pressão, alteração dos batimentos cardíacos, desidratação, fraqueza e exaustão pelo calor, chegando até a desmaios e morte”, comenta o cardiologista. Mas ele frisa que tudo depende muito do tempo de exposição, da temperatura, da umidade e da presença de condições de saúde prévias da pessoa.

O que é a complicação conhecida como heatstroke, relacionada ao calor?

São complicações neurológicas que ocorrem devido a temperaturas extremas, quando mecanismos compensatórios que nosso corpo lança para lidar com a situação se esgotam, levando a uma dificuldade de eliminar o calor e ao aumento da temperatura do corpo. “Esse heatstroke tem várias fases. Em um momento inicial, às vezes temos uma alteração cognitiva leve ou alteração sensorial, com confusão mental ou sensação de sonolência ou fraqueza”, disse o cardiologista da BP.

PUBLICIDADE

Quando o organismo se mostra incapaz de manter uma temperatura corpórea de, em média, 37ºC, as alterações neurológicas vão aumentando. Em geral, o heatstroke acontece em situações associadas a esforços excessivos realizados em climas e condições externas muito quentes e úmidas, mas também pode acontecer independentemente do esforço.

“Quando a temperatura chega perto dos 40ºC, pode provocar o que chamamos de insolação, que já é uma fase mais importante do heatstroke, com possível piora da confusão mental, além de aumento de risco de convulsões, perda da consciência, falência de vários órgãos e evolução para o coma e até mesmo morte, se a temperatura chegar ou passar dos 40ºC”, explica Sampaio.

Algumas condições próprias das pessoas podem favorecer esse grave quadro, como obesidade, uso de certos remédios (como diuréticos) e estar nos extremos das idades, ou seja, ser bebê ou idoso.

Publicidade

A hemorragia pulmonar pode acontecer por causa da massagem cardíaca?

“Uma massagem cardíaca pode ter relação com uma hemorragia se a técnica não for apropriada ou feita por pessoas que não sabem exatamente conduzi-la de forma efetiva. Uma massagem prolongada também pode provocar (a hemorragia pulmonar)”, avalia o cardiologista da BP.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.