PUBLICIDADE

Regra acelera cobertura de remédios orais contra o câncer; entenda o que muda

Medida provisória aprovada no Congresso fixa prazo de até 180 dias para que agência avalie inclusão dos medicamentos no rol dos planos de saúde

PUBLICIDADE

Por Julia Marques
Atualização:

O Congresso aprovou nesta quinta-feira, 10, uma medida provisória que fixa prazos para a inclusão de medicamentos orais contra o câncer no rol de cobertura dos planos de saúde. Na prática, o texto acelera a avaliação desses medicamentos pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que até então poderia demorar anos. Também torna obrigatório o fornecimento dos quimioterápicos orais caso a agência se abstenha de avaliar o medicamento no prazo estipulado pelo Congresso. 

Quimioterápico oral terá avaliação acelerada na Agência Nacional de Saúde Suplementar Foto: Merck & Co Inc/Reuters

PUBLICIDADE

Entenda o que muda para pacientes com câncer:

O que foi decidido sobre os medicamentos orais contra o câncer?

A Câmara aprovou nesta quinta-feira, 10, uma medida provisória que fixa prazo para que a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) avalie a inclusão de medicamentos de uso oral e domiciliar contra o câncer no rol de cobertura obrigatória dos planos de saúde. Na prática, o texto agiliza essa avaliação, evitando que a inclusão demore anos.

Qual será o prazo de avaliação dos quimioterápicos orais pela ANS?

O prazo definido é de 120 dias, prorrogáveis por mais 60 dias.

O que acontece se a ANS não avaliar a inclusão dos medicamentos dentro desse prazo?

Publicidade

Se a ANS não cumprir o prazo estipulado para a avaliação dos quimioterápicos orais para o câncer (de 120 dias prorrogáveis por mais 60), o medicamento será automaticamente incluído no rol de cobertura dos planos e terá de ser fornecido obrigatoriamente aos pacientes.

A ANS poderá rejeitar a inclusão dos medicamentos nos planos de saúde?

Sim. A ANS ainda poderá rejeitar a inclusão dos quimioterápicos no rol de cobertura dos planos. No entanto, se fizer isso fora do prazo máximo de 180 dias, os pacientes que já começaram os tratamentos terão garantida a continuidade da assistência.

Os planos são obrigados a fornecer medicamentos orais contra o câncer?

Sim, desde que tenham sido aprovados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e pela ANS. Também são obrigados a fornecer medicamentos orais contra o câncer se a ANS estourar o prazo de até 180 dias para avaliação. 

Após a prescrição médica, em quanto tempo devo obter o medicamento contra o câncer?

Em até dez dias, desde que o medicamento já tenha sido avaliado pela ANS e entrado no rol de cobertura do plano de saúde. 

Publicidade

Qual a avaliação de associações de pacientes sobre as novas regras?

Grupos ligados à defesa de pacientes com câncer, como o Instituto Vencer o Câncer, veem a aprovação como um avanço, mas entendem que a incorporação de medicamentos orais contra o câncer deveria ser automática, após aprovação na Anvisa. Isso já ocorre com os tratamentos endovenosos.

"A MP não é perfeita, mas pode pode representar um avanço se os critérios da ANS forem compatíveis com as melhores agências mundiais", afirmou o oncologista Fernando Maluf, fundador do Instituto Vencer o Câncer, em publicação nas redes sociais.  

Um projeto de lei previa esse tipo de aprovação automática, mas acabou vetado - o que desagradou as associações. A MP aprovada agora ainda mantém a análise da ANS.  A Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia (Abrale) afirmou em nota nas redes sociais que a aprovação da MP está longe do que havia sido proposto pelo projeto de lei, mas pode "melhorar e agilizar o processo de atualização do rol da ANS".

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.