PUBLICIDADE

Gestante cega se emociona ao sentir rosto da filha em impressão 3D após fazer ultrassom; veja vídeo

Réplica digital do rosto do bebê em tamanho natural pode ser feita a partir da 26ª semana de gravidez

Foto do author Renata Okumura
Por Renata Okumura

A impressão do rosto do bebê em 3D revolucionou a experiência das gestantes e de familiares com deficiência visual. Afinal, dessa forma, a pessoa cega pode ter a oportunidade de acompanhar o desenvolvimento do filho e conhecê-lo por meio do toque.

PUBLICIDADE

Foi o caso de Mellina Reis, de 40 anos, que é cega e está grávida pela primeira vez. Um ultrassom feito com 26 semanas de gestação, no dia 8 de novembro deste ano, foi replicado digitalmente e, assim, ela teve a oportunidade de sentir o rosto de Sofia.

“Para a minha mãe e o meu marido, que estão participando ali do ultrassom, eles estão vendo. Eu sei o que eles vão me descrevendo, mas nossa forma de ver (quando a pessoa é cega) é tocando”, disse, emocionada.

Por meio das redes sociais, a turismóloga é conhecida pelo perfil 4 Patas pelo Mundo. Ela descreve as aventuras ao lado do seu cão-guia chamado Hilary, além de abordar temas como acessibilidade. Agora, também tem compartilhado suas experiências como gestante e deficiente visual.

“Poder tocar e criar através do toque, o rosto da minha filha, é muito importante. Conseguir sentir como é o rostinho da minha filha ainda dentro do meu útero. Foi algo muito emocionante. O projeto me proporcionou ter essa experiência incrível”, afirmou Mellina após receber do marido, o administrador Renato Durval, a impressão em 3D do rosto da menina, cujo nascimento está previsto para fevereiro de 2024.

Um dos idealizadores do projeto é o ginecologista e obstetra Heron Werner, especialista em medicina fetal do Alta Diagnósticos, marca pertencente à Dasa, rede de saúde integrada do Brasil. Segundo ele, a ideia surgiu de uma parceria estabelecida entre a Clínica de Diagnóstico por Imagem (CDPI/Dasa) e a Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio). A impressão para deficientes, por meio do Projeto Feto 3D, começou em 2011.

“Fazemos pesquisas na área de obtenção de imagens de formas não-invasivas em exames médicos, visando a replicação tridimensional em meio físico por meio das impressoras 3D. Nesse processo, começamos a estudar a aplicabilidade da impressão 3D à medicina fetal com o objetivo de conectar deficientes visuais com os seus bebês antes mesmo de nascerem”, conta Werner.

Publicidade

Além de materializar o ultrassom para casais com deficiência visual, a impressão dos fetos é importante para a rotina de cirurgias pós-natais. “Com os modelos 3D, é possível planejar cirurgias em bebês com algum tipo de má-formação e que precisam ser operados logo após o parto ou com poucos meses de vida”, afirma o médico.

Da esquerda para direita: Pais da Mellina (Ricardo Reis e Silvana Reis), Mellina Reis e o marido dela, Renato Durval. Na mão, ela segura a moldura com o rosto de sua filha. Foto: Divulgação/Alta Diagnóstico

A possibilidade de eternizar o desenvolvimento do bebê está disponível nas unidades do Alta Diagnóstico em São Paulo e no Rio de Janeiro. Antes, somente pessoas com deficiência tinham acesso. Desde o início do ano, porém, a possibilidade de adquirir a impressão em 3D foi ampliada.

Para isso, a paciente precisa realizar um ultrassom de sua rotina pré-natal entre a 26ª e a 32ª semana e é importante que o rosto do bebê esteja visível durante o exame.

Após a realização do exame, a imagem segue para impressão no Laboratório de Biodesign Dasa/PUC-Rio e o prazo para recebimento é de sete dias úteis. O custo é de R$ 350. No caso de deficientes visuais, a impressão em 3D é gratuita.

PUBLICIDADE

Vinculado ao Departamento de Artes e Design da faculdade (PUC-Rio), o Laboratório de Biodesign Dasa pretende avançar nas pesquisas em tecnologias 3D na área de medicina fetal e também em neurologia, cardiologia, ortopedia e transplantes.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.