Alta de ‘incêndios zumbis’ no Canadá vira novo alerta sobre impacto das mudanças climáticas

Mais de 150 focos de queimadas são registrados em áreas florestais durante o inverno no país da América do Norte, o que intriga cientistas

PUBLICIDADE

Por Joshua Partlow
Atualização:

THE WASHINGTON POST - Os vestígios da temporada de incêndios florestais mais extraordinária da história do Canadá continuam a se alastrar em uma escala que os especialistas consideram sem precedentes. O inverno quente e seco, sobretudo no oeste do país, deixou mais de 150 incêndios ativos na Colúmbia Britânica e em Alberta, segundo o Centro Interagências de Incêndios Florestais do Canadá.

PUBLICIDADE

Embora seja frequente que esses pontos quentes - conhecidos como ‘incêndios zumbis’ - possam gerar fumaça e arder durante os meses frios, essa quantidade de focos não é comum.

“Já vimos isto antes, mas nunca nesta escala”, disse Michael Flannigan, especialista em incêndios florestais e professor na Thompson Rivers University, na Colúmbia Britânica. “Tenho observado incêndios no Canadá e no exterior desde o fim da década de 1970. Nunca vi nada como isto.”

Alta de ‘incêndios zumbis’ no Canadá vira novo alerta sobre impacto das mudanças climáticas. Foto: Serviço de Incêndios Florestais de Alberta/Via Reuters

Estes incêndios de inverno ardem no subsolo, consumindo frequentemente turfa - camadas espessas de matéria orgânica compactada, incluindo musgo esfagno, mesmo por baixo dos campos de neve. A grande maioria deles é considerada “sob controle” pelas autoridades canadenses, mas os especialistas receiam que os incêndios possam se alastrar quando a primavera chegar e os ventos aumentarem.

“Os perímetros têm milhares de quilômetros de comprimento. “Os bombeiros não conseguiram apagar todos estes pontos quentes”, disse Flannigan. “Estes incêndios podem crescer.”

A prevalência dessas chamas é um testemunho da temporada de incêndios florestais do ano passado, que quebrou recordes para a quantidade de florestas canadenses queimadas e criou vastas nuvens de fumaça que escureceram os céus no meio-oeste e na costa leste do país no verão. Além disso, sufocaram as principais cidades americanas, algumas delas entre as piores qualidade do ar no mundo.

Os cerca de 45 milhões de hectares queimados são mais do que o dobro do recorde anual anterior, que remonta a 1983, segundo o Centro Interagências de Incêndios Florestais do Canadá. Os incêndios também desalojaram centenas de milhares de pessoas.

Publicidade

Estes incêndios canadenses fazem parte da escalada de incêndios florestais em toda a América do Norte e em outras partes do mundo, à medida que o clima aquece, principalmente devido à queima de combustíveis fósseis pelos seres humanos.

Esta imagem fornecida pelo Serviço de Incêndios Florestais de Alberta mostra bombeiros combantendo incêndios em Fox Lake. Eles persistem apesar do frio e da neve em Alberta.  Foto: Serviço de Incêndios Florestais de Alberta/Via AFP

“O aquecimento e a secagem do clima provocam estes anos de incêndios muito grandes, que depois facilitam esta atividade de incêndios durante o inverno”, disse Jennifer Baltzer, professora de biologia na Universidade Wilfrid Laurier, ao Toronto Star.

O Canadá tem vastas extensões de floresta boreal, tantas árvores que o Canadá é responsável por cerca de 10% de todas as florestas do mundo. Só no ano passado, os incêndios consumiram cerca de 4% das florestas do Canadá.

Um porta-voz do Ministério das Florestas da Colúmbia Britânica disse em um comunicado que a quantidade de incêndios de inverno é “compreensível, dada a extensão da atividade de incêndio e as condições de seca no ano passado.”

PUBLICIDADE

Os 90 incêndios remanescentes na província estão todos sob controlo, segundo o comunicado, “o que significa que os esforços de supressão garantiram que o incêndio não se espalhará mais neste momento.”

“O Serviço de Incêndios Florestais da Colômbia Britânica monitora estes incêndios para o caso de a atividade ressurgir e de ser necessária uma resposta adicional aos incêndios florestais”, cita ainda o comunicado.

E como os restos invernais destes incêndios ardem agora por meio da turfa rica em carbono, eles continuam a libertar mais emissões que aquecem a atmosfera. Foi demonstrado que os incêndios de turfa em outras partes do mundo, como na Indonésia, libertam enormes quantidades de dióxido de carbono para a atmosfera.

Publicidade

Os incêndios de inverno são alimentados por condições de seca contínuas em grandes áreas do oeste do Canadá. O monitoramento de seca do país mostra bolsas de seca extrema na Colúmbia Britânica e em Alberta - onde está a arder a maior parte dos ‘incêndios zumbis’ - e, no fim de janeiro, 7% do Canadá estava classificado como “anormalmente seco”.

As condições mais quentes e secas trazidas pelo padrão climático El Niño aumentaram os receios sobre o que está para vir neste verão.

O ministro federal da Preparação para Emergências, Harjit Sajjan, avisou nesta semana que os canadenses tinham de estar “preparados para o pior”.

“Os primeiros relatórios sugerem que a temporada de incêndios florestais deste ano pode ser pior do que a anterior”, disse Sajjan para repórteres em Ottawa.

O governo de Alberta já declarou que a época de incêndios começou - antes do início tradicional em março - e o ministro das Florestas e Parques da província está pedindo um financiamento para contratar mais 100 bombeiros.

“Os dados estão lançados para uma primavera muito ativa”, disse Flannigan.

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Publicidade

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.