Bolsonaro diz que aceita dinheiro do G-7 se Macron retirar 'insultos'

Presidente brasileiro quer também que líder francês descarte ideia de internacionalização da Amazônia; países ofereceram R$ 83 mi

Foto do author Julia Lindner
Por Julia Lindner
Atualização:

BRASÍLIA - O presidente Jair Bolsonaro (PSL) disse na manhã desta terça-feira, 27, que pode reconsiderar a ajuda emergencial do G-7, o grupo de países mais ricos do mundo, caso o presidente da França, Emmanuel Macron, retire "insultos" contra ele e a ideia de que a internacionalização da Amazônia está "em aberto". Bolsonaro não mostrou, no entanto, qualquer intenção de pedir desculpas à primeira-dama francesa, Brigitte Macron

Amazônia em chamas.Fogo atinge floresta próximo a Porto Velho, em Rondônia Foto: Carl de Souza/AFP

PUBLICIDADE

Nesta segunda-feira, 26, o Palácio do Planalto informou oficialmente que vai recusar os US$ 20 milhões, o equivalente a R$ 83 milhões, anunciados por Macron em nome dos países que formam o G-7

"Primeiramente, o seu Macron tem que retirar os insultos que fez a minha pessoa. Ele me chamou de mentiroso. E, depois, informaram, que a nossa soberania está em aberto na Amazônia. Para conversar ou aceitar qualquer coisa da França, que seja das melhores intenções possíveis, ele vai ter que retirar essas palavras e daí a gente pode conversar", declarou Bolsonaro. "Primeiro ele retira, depois oferece (ajuda), daí eu respondo."

Bolsonaro questionou até mesmo anúncio oficial feito pelo Palácio do Planalto com a recusa dos recursos do G-7 pelo Brasil.

"Eu falei isso? Eu falei? O presidente Bolsonaro falou?", reagiu.

Indagado se ainda cogita receber a quantia, ele falou que a imprensa "vai ter uma surpresa hoje" na reunião que ele fará com governadores da região amazônica, no Palácio do Planalto, às 10 horas. "Tudo tem um preço. Eu disse há poucas semanas que estavam comprando à prestação a Amazônia. Vocês vão ter a resposta."

O presidente francês, Emmanuel Macron, discursa em Paris nesta terça Foto: Yoan Valat/EPA/EFE

Após dois minutos de entrevista, Bolsonaro encerrou a conversa com jornalistas nesta terça por causa de perguntas sobre um possível pedido de desculpas à primeira-dama francesa. Ele disse que não colocou a foto que zombava Brigitte e justificou que pediu para o responsável não "falar besteira". 

Publicidade

"Eu não coloquei aquela foto, alguém que colocou a foto lá, e eu falei para não falar besteira. Não queiram falar da questão familiar porque na questão familiar pessoal eu não me meto. Sempre respeito o cara para não entrar nessa área", disse.

No fim de semana, o presidente brasileiro reagiu com risadas a um comentário em que um seguidor da sua página no Facebook postou fotos dos chefes de Estado com suas respectivas primeiras-damas, afirmando que o mandatário francês teria inveja de Bolsonaro porque sua esposa é 24 anos mais velha do que ele.

"Não humilha cara. Kkkkkkk", escreveu Bolsonaro em rede social como resposta ao apoiador.

Os presidentes do Brasil, Jair Bolsonaro, e da França, Emmanuel Macron, vêm trocando farpas desde que a crise de incêndios florestais na Amazônia tomou as manchetes do mundo Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil e François Mori/AP

Ao ser indagado se pretende pedir desculpas, Bolsonaro ficou irritado com jornalistas e encerrou a conversa.

"Se continuar pergunta desse padrão vai acabar a entrevista. Meu comentário era para não insistir nesse tipo de postagem. Realmente, o jornalismo, vocês não merecem consideração."

Reprodução de página da rede social Foto: Reprodução/Twitter

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.