Como as mudanças climáticas afetam os níveis de neve? Estudo traz novos achados

Alterações climáticas causadas pelo homem vêm afetando os padrões de neve no hemisfério norte, com queda acentuada da quantidade de gelo em 31 bacias hidrográficas individuais

Por Delger Erdenesanaa

THE NEW YORK TIMES - A mudança nos padrões de neve tem consequências de longo alcance, desde escassez de água até estações de esqui fechadas. Um novo estudo confirma que as alterações climáticas causadas pelo homem afetaram os padrões de neve em todo o hemisfério norte, incluindo declínios claros da camada de neve em pelo menos 31 bacias hidrográficas individuais.

Além disso, os investigadores descobriram que quando uma região aquece a uma temperatura média de 17 graus Fahrenheit, ou menos 8 graus Celsius, durante todo o inverno, parece atingir um ponto crítico em que a neve começa a derreter rapidamente.

Estudo aponta que níveis de neve estão decaindo anualmente por conta das mudanças climáticas provocadas pelo aquecimento global. Foto: Joe Raedle/AFP

PUBLICIDADE

“Além desse limite, vemos todo mundo cair de um penhasco”, disse Justin Mankin, professor de geografia no Dartmouth College de New Hampshire e coautor do estudo, publicado na última quarta-feira, 10, na revista científica Nature.

O declínio na camada de neve (a massa total de neve no solo), tem sérias implicações para locais que dependem do derretimento desse material durante primavera por se tratar de uma fonte de água.

Grandes tempestades esta semana nos Estados Unidos despejaram muita neve, mas a neve que agora está no solo pode não durar até o fim do inverno. No curto prazo, as alterações climáticas podem criar neve mais profunda a partir de nevascas devido ao aumento da precipitação, mas, com temperaturas mais altas, esta neve provavelmente derreterá mais rapidamente e poderá não permanecer como neve acumulada.

Os pesquisadores estudaram dados de mais de 160 bacias hidrográficas para revisar a quantidade de neve que sobrou em março de cada ano, de 1981 a 2020. Em cerca de 20% dessas áreas, eles encontraram declínios claros na camada de neve que poderiam ser atribuídos às mudanças climáticas causadas pelo homem.

O Nordeste e o Sudoeste dos Estados Unidos estão entre as regiões que perdem mais rapidamente a camada de neve, juntamente com grande parte da Europa.

Publicidade

Estas mudanças não foram uniformes ou lineares em todo o mundo. Mesmo com as temperaturas quentes, os locais que eram mais frios no início não podem exceder o ponto de congelamento da água (32 graus Fahrenheit, ou 0 graus Celsius) o suficiente durante o inverno para perder muita neve acumulada.

Mas depois que uma área atinge uma média de inverno de 17 graus Fahrenheit, as perdas aceleram exponencialmente.

“Cada grau de aquecimento além deste penhasco está aumentando cada vez mais”, disse Alexander Gottlieb, estudante de doutorado no grupo de Mankin e principal autor do estudo.

Em grande parte do oeste americano, a neve acumulada tem atuado historicamente como um reservatório congelado que armazena água durante o inverno e a libera na primavera e no verão, quando a demanda é maior. Quando a neve não se acumula durante o inverno, as secas durante o verão podem ser agravadas.

PUBLICIDADE

No Nordeste, a neve é menos importante para o abastecimento de água, mas é base para recreação de inverno, turismo e cultura.

Gottlieb e Mankin combinaram dados existentes de neve acumulada, temperatura e precipitação para reconstruir os padrões de neve acumulada nos últimos 40 anos. Embora medições diretas da camada de neve estejam disponíveis para alguns locais, para cobrir áreas maiores os cientistas têm de preencher os espaços em branco com estimativas calculadas.

Os investigadores também modelaram a neve acumulada num mundo hipotético sem alterações climáticas durante o mesmo período, para ver se, retirar o aquecimento global da equação, produziria resultados significativamente diferentes. Em 31 das bacias hidrográficas estudadas, ou cerca de 20% do total, sim, o que significa que a influência das alterações climáticas é clara nesses locais.

Publicidade

“Existem algumas bacias onde vemos este sinal realmente claro”, disse Gottlieb. Em geral, estas bacias hidrográficas aqueceram para além do ponto de inflexão de 17 graus Fahrenheit que os investigadores identificaram. Como os humanos tendem a viver em locais com climas mais amenos, estas regiões mais quentes são as que têm as maiores populações.

“Com mais aquecimento, cada vez mais bacias hidrográficas altamente povoadas serão empurradas para além dessa borda”, acrescentou Gottlieb.

Este artigo foi “muito bem pesquisado”, disse Stephen Young, professor de geografia na Salem State University, em Massachusetts, que não esteve envolvido no estudo.

Young examinou os efeitos das alterações climáticas na cobertura de neve, uma medida para saber se há ou não neve no solo, independentemente da profundidade. Ao contrário da neve acumulada, a cobertura de neve pode ser medida de forma confiável por satélites. A cobertura anual global de neve diminuiu cerca de 5% desde 2000, de acordo com um estudo separado publicado no ano passado por Young.

Embora o estudo da neve acumulada seja útil para revelar as possíveis consequências para o abastecimento de água, o estudo da cobertura de neve ilumina outro problema: a neve branca reflete a luz solar de volta para a atmosfera, enquanto o solo mais escuro e exposto absorve a luz solar. Assim, quando a camada de neve diminui a ponto de não haver mais cobertura de neve no solo, um ciclo que se retroalimenta vai aquecer ainda mais o planeta.

“É uma outra forma de aquecimento do nosso planeta”, disse Young.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.