COP-28: EUA anunciam regra para reduzir emissões de metano pela indústria petrolífera

Metano é responsável por cerca de um terço das emissões de gases de efeito estufa que aquecem o planeta; EUA também se comprometeram com a ideia de eliminar gradualmente as usinas termoelétricas à base de carvão

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

WASHINGTON - O governo americano emitiu uma regra final com o objetivo de reduzir as emissões de metano, direcionando-a para a indústria de petróleo e gás natural dos Estados Unidos pelo seu papel no aquecimento global.

PUBLICIDADE

A Agência de Proteção Ambiental (EPA) afirmou que a nova medida reduzirá significativamente as emissões de metano e outros poluentes do ar prejudiciais gerados pela indústria de petróleo e gás, promoverá o uso de tecnologias de detecção de metano de ponta e trará benefícios significativos para a saúde pública na forma de redução de internações, dias perdidos na escola e até mesmo mortes. A poluição do ar proveniente das operações de petróleo e gás pode causar câncer, prejudicar os sistemas nervoso e respiratório e contribuir para problemas congênitos.

O administrador da EPA, Michael Regan, e o assessor climático da Casa Branca, Ali Zaidi, anunciaram a regra na Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP-28), em Dubai, Emirados Árabes Unidos.

As operações de petróleo e gás são a maior fonte industrial de metano, o principal componente do gás natural e muito mais potente que o dióxido de carbono a curto prazo. Ele é responsável por cerca de um terço das emissões de gases de efeito estufa que aquecem o planeta. Cortes acentuados nas emissões de metano são uma prioridade global para desacelerar a taxa de mudança climática e são um tópico importante na conferência climática, conhecida como COP-28.

Presidentes, primeiros-ministros e líderes de nações ricas e pobres comprometeram-se a reduzir a quantidade de gases de efeito estufa que seus países emitem, pedindo aos seus colegas que façam o mesmo.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden. Foto: Stephanie Scarbrough/AP

“No primeiro dia, o o presidente Joe Biden restaurou o papel crucial da América como líder global no enfrentamento das mudanças climáticas”, disse Regan, referindo-se às ações de Biden que devolveram os EUA ao acordo climático de Paris e ordenaram uma revisão imediata das regulamentações ambientais revogadas pela administração anterior.

A regra do metano finaliza uma proposta feita por Biden em uma conferência climática da ONU na Escócia em 2021 e ampliada um ano depois na conferência climática no Egito. A medida respalda os compromissos iniciais de Biden “com ações robustas, reduzindo significativamente as emissões de metano e outros poluentes do ar que ameaçam as comunidades”, disse Regan.

Publicidade

A regra visa às emissões de poços de petróleo e gás existentes em todo o país, em vez de se concentrar apenas em novos poços, como fizeram as regulamentações anteriores da EPA. Ela também regula poços menores que serão obrigados a encontrar e vedar vazamentos de metano. Poços pequenos geralmente passam por uma inspeção inicial, mas raramente são verificados novamente quanto a vazamentos.

Estudos mostraram que poços menores produzem apenas 6% do petróleo e gás do país, mas respondem por até metade das emissões de metano nos locais de perfuração.

O plano também implementará gradualmente a exigência de que empresas de energia eliminem a queima rotineira de gás natural produzido por novos poços de petróleo.

A nova regra de metano ajudará a garantir que os Estados Unidos atinjam a meta estabelecida por mais de 100 nações de reduzir as emissões de metano em 30% até 2030 em relação aos níveis de 2020, afirmou Regan.

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

A regra da EPA é apenas uma das mais de 100 ações que a administração Biden tomou para reduzir as emissões de metano, acrescentou Zaidi.

“Desde mobilizar bilhões em investimentos para vedar poços abandonados, consertar tubulações com vazamentos e recuperar minas abandonadas, até estabelecer padrões rigorosos que reduzirão a poluição da indústria de petróleo e gás, a Administração Biden-Harris está empregando todo o peso do governo federal para reduzir a poluição prejudicial de metano”, disse ele.

A nova regra de metano será coordenada com uma taxa de metano aprovada na lei climática de 2022. A taxa, prevista para entrar em vigor no próximo ano, cobrará dos produtores de energia que excederem um certo nível de emissões de metano até US$ 1.500 por tonelada métrica de metano. O plano marca a primeira vez em que o governo dos EUA impõe diretamente uma taxa, ou imposto, sobre as emissões de gases de efeito estufa.

Publicidade

A lei permite isenções para empresas que cumprem os padrões da EPA ou ficam abaixo de um determinado limite de emissões. Também inclui US$ 1,5 bilhão em subsídios e outros gastos para ajudar empresas e comunidades locais a melhorar a monitorização e coleta de dados, encontrar e reparar vazamentos de gás natural.

“Vitória” para a saúde pública

Harold Wimmer, presidente e CEO da American Lung Association (Associação Americana de Pulmão), chamou a nova regra de uma vitória para a saúde pública.

“A EPA atendeu à orientação urgente de especialistas em saúde em todo o país e finalizou uma regra de metano robusta que, quando totalmente implementada, reduzirá significativamente os poluentes do ar perigosos e a poluição de metano que aquece o clima da indústria de petróleo e gás”, disse ele em um comunicado.

O metano tem sido mostrado como vazando para a atmosfera em todas as etapas da produção de petróleo e gás, disse Wimmer, e “pessoas que vivem perto de poços de petróleo e gás são especialmente vulneráveis a esses riscos de exposição. Essa regra é vital para avançar nos compromissos de justiça ambiental”.

David Doniger, um especialista em clima no Natural Resources Defense Council, chamou o metano de “superpoluente”. Ele disse em entrevista que o plano de Biden “dá um golpe muito sólido na poluição climática. Eu queria que isso tivesse acontecido há 10 anos (sob a administração Obama), mas estou realmente feliz que esteja acontecendo agora.”

Fred Krupp, presidente do Environmental Defense Fund, disse que a nova regra garante que “os Estados Unidos agora têm os limites de poluição por metano mais protetores já estabelecidos. Com outros países também focando no metano como um risco climático chave, é um sinal para os operadores em todo o mundo de que chegou a hora da limpeza.”

A indústria do petróleo geralmente recebeu bem a regulamentação federal direta das emissões de metano, preferindo um padrão nacional único a uma variedade de regulamentações estaduais. Mesmo assim, empresas de energia solicitaram à EPA a isenção de centenas de milhares dos poços menores do país das futuras regras sobre o metano.

Publicidade

Carvão

Os Estados Unidos também se comprometeram neste sábado, 2, com a ideia de eliminar gradualmente as usinas termoelétricas à base de carvão, um dos grandes fatores para o aquecimento global.

John Kerry, o enviado especial dos EUA à COP-28 anunciou que o país estava se juntando à Powering Past Coal Alliance, o que significa que a administração Biden se compromete a não construir novas usinas de carvão e a eliminar gradualmente as usinas existentes. Nenhuma data foi fornecida para quando as usinas existentes teriam que ser desativadas.

”Trabalharemos para acelerar a eliminação progressiva do carvão em todo o mundo, construindo economias mais fortes e comunidades mais resilientes”, disse Kerry. “O primeiro passo é parar de agravar o problema: parar de construir novas centrais termoelétricas à base de carvão.”

Em outubro, pouco menos de 20% da eletricidade dos EUA era alimentada por carvão, de acordo com o Departamento de Energia dos EUA. A quantidade de carvão queimado nos Estados Unidos no ano passado corresponde a menos da metade do nível de 2008. /AP

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.