Onda de calor em SP: água de propriedades particulares vai abastecer cidade; veja qual e como

Quem for flagrado lavando quintal, carro ou calçadas com mangueira fica sujeito a multa de R$ 573,90

Foto do author José Maria Tomazela
Por José Maria Tomazela

O município de Itu, no interior de São Paulo, vai usar água de dez represas particulares para auxiliar no abastecimento de seus 175 mil moradores. A medida, preventiva, leva em conta a estiagem que atinge a região e o inverno atípico, marcado por ondas de calor. O recurso será utilizado por 120 dias, mas pode ser prorrogado caso a seca se prolongue.

PUBLICIDADE

A cidade tem um histórico de crises no abastecimento. Na mais grave, em 2014, teve 300 dias de racionamento drástico.

O decreto requisitando a água de propriedades particulares foi publicado no Diário Oficial do Município no último dia 17. A justificativa cita “o aumento significativo das temperaturas, especialmente na época de estiagem, que pode gerar redução de oferta de água que abastece a população”.

Represa do Itaim está com 40% da sua capacidade e deve ser abastecida com água de propriedades particulares, em Itu Foto: CIS/Itu/Divulgação

O prazo previsto para a captação das represas vai até o final de dezembro deste ano. A retirada de água vai começar pelos mananciais localizados na região da bacia do Itaim. O reservatório usado para fornecimento de água de parte do centro da cidade está atualmente com 40% da sua capacidade e será reabastecido com água dessas represas particulares.

Conforme o superintendente da Companhia Ituana de Saneamento (CUS), Reginaldo Santos, a captação servirá para regularizar a vazão desse reservatório. Ele descartou o risco de racionamento ou rodízio.

A cidade está sem chuva significativa (acima de 15 mm) há quase 120 dias. Além disso, a região enfrenta uma onda de calor com temperaturas acima de 35 graus, o que aumenta o consumo de água.

Atualmente, os reservatórios que abastecem Itu estão com 78% da capacidade, mas de forma desigual. Além da requisição das represas particulares, o município reforçou a fiscalização contra o desperdício de água. Quem for flagrado lavando quintal, carro ou calçadas com mangueira, por exemplo, fica sujeito a uma multa de R$ 573,90.

Publicidade

Déficit no abastecimento

Itu tem um histórico de déficit no abastecimento, situação que melhorou apenas recentemente, com novos sistemas de captação. Em 2014, durante os dez meses de racionamento, caminhões-pipas passaram a circular com escolta policial, depois que vários deles foram cercados e saqueados pela população. Moradores fizeram estoques de água em galões e passaram a usar baldes para se banhar.

A cidade voltou a conviver com o racionamento nos anos seguintes – o último, em 2021, durou cerca de 60 dias. Conforme Santos, a solução definitiva para o abastecimento deve acontecer com a entrega, em 2024, do sistema Utu-Guaçu, com capacidade para 600 litros de água por segundo.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.