Ciclone no Rio Grande do Sul: nº de mortes sobe para 42; 46 pessoas estão desaparecidas

Há mais de 11,4 mil desabrigados e desalojados e mais de 150 mil pessoas foram afetadas, segundo Defesa Civil; extremo climático atingiu ao menos 88 municípios gaúchos

PUBLICIDADE

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

As autoridades ainda apuram o impacto da passagem do ciclone extratropical entre segunda-feira, 4, e terça, 5, no Rio Grande do Sul. O total de óbitos subiu para 42 mortes neste sábado, 9, após mais um corpo ser encontrado em Muçum, município mais afetado, localizado Vale do Taquari. Em Santa Catarina também foi registrada uma vítima. Há pelo menos 46 desaparecidos.

PUBLICIDADE

Ao todo, 11.475 pessoas estão desalojadas e desabrigadas. A Defesa Civil contabiliza 150.341 afetados diretamente pelo ciclone. Além dos óbitos, pelo menos 224 feridos foram registrados. O Governo Federal reconheceu o estado de calamidade pública em 79 municípios gaúchos que registraram alagamentos, chuvas intensas, granizo, inundações, enxurradas e vendavais de elevada intensidade.

As equipes de resgate ainda trabalham na busca por desaparecidos. No município de Muçum, cidade mais afetada, foram divulgadas 16 mortes. Em Roca Sales, o número está em dez óbitos. Mais de 80% da cidade de Muçum ficou alagada.

Imagens divulgadas pela Polícia Militar gaúcha (chamada Brigada Militar) mostram o avanço do Rio Taquari em Santa Tereza, na Serra Gaúcha. O pequeno município tombado como patrimônio cultural brasileiro foi amplamente afetado pela enchente.

A Defesa Civil estadual contabiliza 88 municípios afetados. Há 8.282 pessoas desalojadas e 3.193 desabrigadas. A informação é de que 3.130 pessoas foram resgatadas. Muitas casas sofreram danos por causa da ventania, da chuva forte e da queda de granizo. Houve queda de energia em dezenas de cidades.

A avaliação é que o nível dos principais rios do Estado vai começar a se estabilizar, porém há previsão de chuva para os próximos dias.


Cidades com registro de mortes:

  • Cruzeiro do Sul: 4
  • Encantado: 1
  • Estrela: 2
  • Ibiraiaras: 2
  • Imigrante: 1
  • Lajeado: 3
  • Mato Castelhano: 1
  • Muçum: 16
  • Passo Fundo: 1
  • Roca Sales: 10
  • Santa Tereza: 1

Publicidade

Os desaparecidos são dos municípios de Arroio do Meio (8), Lajeado (8) e Muçum (30).

Centenas de moradores de Muçum, no Vale do Taquari, tiveram que subir nos telhados de suas casas para fugir das enchentes. Foto: Divulgação/Prefeitura de Muçum

Ainda há muitos pontos de alagamentos. De acordo com o Comando Rodoviário da Brigada Militar (CRBM), há sete trechos com bloqueios totais ou parciais em rodovias do Estado, segundo balanço da tarde deste sábado, 9, são eles:

  • ERS-550

Em Pirapó (km 23), há bloqueio total, com pista submersa.

PUBLICIDADE

  • ERS-431

Ponte sobre o Rio Taquari, em Bento Gonçalves, no limite com São Valentim do Sul, cedeu e pista está alagada. Bloqueio total do tráfego entre km 10 e km 23. No km 26, em São Valentim do Sul, houve queda de barreira e há alagamento na pista.

  • ERS-448

Publicidade

Entre Farroupilha e Nova Roma do Sul, após transbordamento do rio das Antas, a ponte do km 37 da cedeu e há bloqueio total do tráfego.

  • ERS-130

Bloqueio total em Cruzeiro do Sul (km 40). Rodovia bloqueada após queda de cabeceira da ponte.

  • VRS-851

Serafina Corrêa (km 9). Bloqueio total na ponte do rio Carneiro, que está submersa e danificada.

  • ERS-110

Bloqueio parcial entre Jaquirana e Bom Jesus (km 78 e km 79) após queda de barreira. Passagem pelo lado direito liberada após desobstrução de parte da via.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.