PUBLICIDADE

Ciclone no Rio Grande do Sul devasta cidade histórica na serra; imagens aéreas revelam antes e depois

Santa Tereza é uma das colônias italianas mais preservadas do Brasil; Iphan vai enviar técnicos ao local para avaliar danos causados pela enchente e transbordo do Rio Taquari

Foto do author Priscila Mengue
Por Priscila Mengue
Atualização:
Correção:

A pequena Santa Tereza é uma das colônias italianas mais preservadas no Brasil, considerada patrimônio cultural nacional há mais de 10 anos. A igreja matriz e casarios históricos mantinham praticamente as mesmas características desde a instalação dos primeiros imigrantes europeus naquele trecho da Serra Gaúcha, no século 19.

Como mais de 80 outros municípios do Rio Grande do Sul, Santa Tereza também foi amplamente afetada pela passagem de um ciclone desde a segunda-feira, 4. O extremo climático deixou ao menos 41 mortos e 46 desaparecidos, além de mais de 10 mil desabrigados e desalojados em todo o Estado, que sofre com sua maior tragédia climática da sua história.

PUBLICIDADE

As imagens aéreas acima foram realizadas pela Polícia Militar gaúcha (a Brigada Militar). Os registros mostram o tamanho do impacto do ciclone em Santa Tereza. O pequeno município (de 1,5 mil habitantes) foi tomado pelas águas do Rio Taquari. Ao menos uma pessoa morreu e centenas foram afetadas.

O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) vai enviar equipe técnica para avaliar os danos ao município e, posteriormente, definir ações e estratégias para a recuperação. O presidente do Iphan, Leandro Grass, se manifestou sobre a situação na noite de quinta-feira.

Brigada Militar usa fotogrametria para avaliar estragos causados pelas fortes chuvas; imagens do município de Santa Tereza revelam antes e depois da passagem do ciclone. Foto: Reprodução/Twitter/Brigada Militar-RS

“Através da nossa Superintendência no RS temos acompanhado a tragédia em Santa Tereza”, declarou em rede social. “Tivemos vítimas fatais, inúmeras famílias desalojadas, além de dezenas casas históricas destruídas, sendo algumas tombadas individualmente.”

A decisão de ir ao município na próxima semana foi motivada por orientação da Defesa Civil, segundo o instituto. “O Iphan vem acompanhando com atenção a tragédia causada pelas chuvas no Rio Grande do Sul, especialmente no município de Santa Tereza, que tem todo seu espaço urbano e a paisagem de entorno tombados como patrimônio cultural do Brasil”, destacou em nota.

“Os técnicos do instituto têm mantido contato com a Prefeitura e a Defesa Civil de Santa Tereza, que estão tomando todas as providências emergenciais para proteger a vida dos moradores da cidade.”

Publicidade

Imagens publicadas nas redes sociais nos últimos dias mostram o avanço da inundação pelo município. “Seguimos com o trabalho para minimizar as perdas que certamente foi uma das maiores e atingiu drasticamente o nosso município”, disse a prefeita Gisele Caumo (PTB) em rede social. “Nesse momento, o que mais precisamos é de mão de obra para auxiliar na remoção de entulho e limpeza das casas.”

Santa Tereza é tombada pelo Iphan Foto: Maria Regina Weissheimer/Iphan

O núcleo urbano de Santa Tereza é tombado pelo Iphan desde 2012. É composto por construções de madeira e alvenaria construídas por imigrantes italianos e poloneses entre os séculos 19 e 20, com inspiração em cidades do Vêneto, do norte da Itália. Entre os bens protegidos, estão a Igreja Matriz, a Casa Ferri (onde funcionou a primeira fábrica de gaitas do Brasil), a prefeitura, antigas casas comerciais e residências, com porões originalmente criados para armazenar vinho.

“Entre os núcleos gaúchos, Santa Tereza é o mais íntegro porque mantém quase intactas as características originais do seu traçado”, descreve o instituto. “O tombamento considerou o traçado urbano preservado, seu acervo arquitetônico, a paisagem rural do município e a riqueza de todo o patrimônio cultural”, destaca. “O tombamento da área de entorno visa preservar a paisagem local, especialmente a relação do núcleo urbano com as montanhas.”

Santa Tereza também é conhecida por ter recebido as gravações do filme Saneamento Básico, da Casa de Cinema de Porto Alegre. A obra é protagonizada por Wagner Moura, Camila Pitanga, Fernanda Torres e outras estrelas globais.

Publicidade

Correções

A versão original do mapa trazia erro na localização da cidade. A informação foi corrigida.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.