Foto do(a) blog

Jornalismo, educação, tecnologia e as combinações disso tudo

Opinião|Inteligência artificial pode deixar o mundo mais seguro e também perigoso

PUBLICIDADE

Foto do author Paulo Silvestre
Atualização:
Kaarel Kotkas, André Ferraz e Eileen Guo debatem se a IA pode tornar o mundo mais ou menos seguro, no Web Summit Rio - Foto: reprodução

Como de qualquer ferramenta, os resultados da inteligência artificial dependem das ações de quem a utiliza. Pessoas que fazem usos positivos dela produzirão bons frutos. Já as de má índole podem causar danos profundos. Com seu poder disruptivo, essas consequências podem ser críticas! Esse foi o tema de um dos principais painéis do Web Summit Rio, um dos mais importantes eventos globais de tecnologia, mídia e inovação, que aconteceu no Rio de Janeiro, de terça a quinta da semana passada.

PUBLICIDADE

Um dos problemas deriva de a IA oferecer mecanismos para se alterar a realidade ou criar mentiras muito convincentes. Isso abre incontáveis possibilidade de golpes, ameaçando indivíduos, empresas e sociedades inteiras, como no caso de eleições. "Se a confiança for perdida, ficará muito difícil continuar inovando em coisas boas na IA", disse no painel o estoniano Kaarel Kotkas, CEO da empresa de segurança Veriff.

Felizmente a mesma IA oferece recursos para combater essas ameaças. "A gente precisa pensar que seremos cada vez mais uma sociedade baseada em tecnologia", me disse no evento Cesar Gon, CEO da empresa de tecnologia CI&T. "É importante acompanhar para onde a tecnologia vai e criar limites, mas garantindo que a ciência e a tecnologia continuem evoluindo para resolver os problemas humanos", explicou, ressaltando que a IA deve sempre estar alinhada com os interesses da sociedade.

Diante de tanto poder computacional, chega a ser irônico que a maioria dos golpes não envolva invasão de sistemas. O elo mais frágil na segurança continua sendo o ser humano, enganado de diferentes maneiras para que repasse informações pessoais (como senhas) ou realize ações prejudiciais, uma técnica chamada de engenharia social. O que muda nisso com a IA é que os procedimentos para confundir as pessoas se tornam mais convincentes, difíceis de se identificar, e agora atingem muita gente, para aumentar a chance de fazerem suas vítimas.


Publicidade

Veja esse artigo em vídeo:


Esse é um dos grandes desafios da sociedade atualmente. Qualquer pessoa, mesmo alguém que domine a tecnologia, pode cair em golpes. Sua solução passa necessariamente pela educação dos usuários, mas também pelo comprometimento de empresas -de big techs a startups- para um desenvolvimento responsável dessas soluções, e de autoridades que criem regras claras para garantir isso.

Nesse cenário, técnicas tradicionais de proteção digital perdem eficiência. Mesmo autenticações em dois fatores -quando, além da senha, o usuário se autentica por um segundo método- podem expor pessoas e empresas. As companhias precisam adotar abordagens em camadas e usar múltiplas tecnologias, como autenticação avançada, verificação de dispositivos e incorporação preventiva de IA para detectar fraudes.

Os dados dos usuários valem ouro para os bandidos, mas também são importantes para sua identificação mais precisa. As empresas precisam ser transparentes sobre como serão usados, para que as pessoas se sintam confortáveis em compartilhá-los.

Publicidade

"Quando elas entendem esse valor, podem tomar uma decisão muito melhor sobre se querem compartilhar seus dados, para terem mais segurança", disse no mesmo painel André Ferraz, CEO da empresa de identificação Incognia. "Se nós não formos capazes disso, as pessoas poderão deixar de acreditar na Internet", concluiu.

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

As grandes empresas de tecnologia têm um papel decisivo na construção dessas boas práticas e na educação do mercado, até mesmo porque elas têm muito a perder se a situação se deteriorar para um cenário de desconfiança generalizada. "É essencial para elas perceberem que ignorar a importância de construir confiança e segurança em seus sistemas poderia prejudicar sua capacidade de implementar amplamente a tecnologia no futuro", me explicou Kotkas. "Negligenciar isso poderia resultar em grandes repressões regulatórias e interromper o progresso na criação de novas tecnologias."

A inteligência artificial também potencializa muito outro câncer social que se disseminou pelas redes sociais: a desinformação. O assunto foi abordado em diversas apresentações no Web Summit Rio, e ganha muita força em nesse ano, quando as maiores democracias do mundo realizarão eleições, incluindo municipais no Brasil, presidenciais nos EUA e gerais na Índia, país mais populoso do mundo, cujo pleito começou na semana passada e se estenderá por seis semanas.

 

Publicidade

Absurdos possíveis

As plataformas atuais de inteligência artificial tornaram muito mais fáceis, rápidas e baratas as confecções de deep fakes, técnica capaz de criar áudios, fotos e vídeos de pessoas realizando ações e dizendo coisas que nunca fizeram. Ela já existe há alguns anos, mas antes exigia equipamentos caros e bom conhecimento técnico, o que a tornava uma aplicação de nicho. Agora não é mais assim!

"Nas próximas eleições, o maior desafio não são as imagens, mas os áudios", advertiu em outro painel Renata Lo Prete, editora-chefe do Jornal da Globo. "Com apenas um ou dois minutos da voz real de alguém, é possível criar um áudio falso perfeito, por menos de US$ 5 e em menos de cinco minutos, uma questão crítica, especialmente no Brasil, líder em trocas de mensagens pelo WhatsApp", explicou.

Isso já acontece! Na eleição presidencial argentina, as equipes dos candidatos que foram ao segundo turno, o peronista Sergio Massa e o ultraliberal Javier Milei, fizeram amplo uso da IA para atingir as imagens dos adversários. Em outro caso internacional, americanos receberam ligações com a voz do presidente Joe Biden dizendo para que não votassem nas eleições primárias. E por aqui, um áudio com a voz do prefeito de Manaus, David Almeida, fazia ofensas contra professores. Tudo isso era falso!

Os diversos agentes da sociedade precisam se unir para que a IA seja usada de maneira positiva, sem "cortinas de fumaça" que mascaram interesses de um ou outro grupo. "Esse debate se misturou com uma visão bastante ingênua de fim do mundo, que nos afasta de discutir os reais impactos, que são a natureza do trabalho, os empregos, segurança, privacidade, ética e os algoritmos viciados", explicou Gon.

Publicidade

"Nesse momento, talvez alguns humanos estejam procurando algo mágico", disse o americano Todd Olson, CEO da empresa de software Pendo, em outro painel. "Não precisamos de mágica, mas de saber exatamente o que acontece, para que possamos aumentar a confiança na tecnologia", concluiu.

Não dá para fugirmos desse debate, que nos envolve a todos cada vez mais. Gostemos ou não, a inteligência artificial se tornou nossa parceira. Por isso, ela precisa ser confiável e segura.


Assista a esse vídeo relacionado:

Íntegra da entrevista com Cesar Gon, CEO da CI&T

 

Opinião por Paulo Silvestre

É jornalista, consultor e palestrante de customer experience, mídia, cultura e transformação digital. É professor da Universidade Mackenzie e da PUC–SP, e articulista do Estadão. Foi executivo na AOL, Editora Abril, Estadão, Saraiva e Samsung. Mestre em Tecnologias da Inteligência e Design Digital pela PUC-SP, é LinkedIn Top Voice desde 2016.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.