Nave faz primeiro pouso privado na Lua e EUA voltam ao satélite após mais de 50 anos

Espaçonave da Intuitive Machines chegou ao solo lunar na noite desta quinta-feira, 22. Empresa presta serviço para a Nasa

PUBLICIDADE

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

A espaçonave Odysseus pousou na Lua às 20h23 deste quinta-feira, 22, tornando-se o primeiro módulo privado a alcançar o satélite natural da Terra e devolvendo os Estados Unidos ao solo lunar após mais de 50 anos. A chegada foi confirmada pela empresa Intuitive Machines e pela agência espacial americana, a Nasa, em uma missão que teve início há sete dias com o lançamento do foguete em Houston.

PUBLICIDADE

É a primeira missão americana a chegar à Lua desde a Apollo 17, em 1972. O pouso ocorreu no horário previsto após ter sido alterado em duas oportunidades nesta quinta-feira. A empresa e a agência aguardavam a obtenção de uma comunicação completa com o módulo para detalhar as condições de operação em solo lunar. A missão deve durar sete dias. “Odysseus tem uma nova casa”, disse a empresa.

A Intuitive Machines informou que precisou solucionar “problemas de comunicação” com o módulo, mas que a espaçonave “está de pé e começando a enviar dados”. A empresa diz aguardar para ter acesso às primeiras imagens da superfície da Lua registradas pela Odysseus.

Como os painéis solares fornecem a energia da espaçonave, sua missão durará apenas cerca de sete dias, até que o sol se ponha no local de pouso Foto: Intuitive Machines

Embora seja uma missão privada, o principal cliente é a Nasa, que pagou US$ 118 milhões pela entrega de seis instrumentos à Lua, que ajudarão a agencia espacial dos Estados Unidos a explorar o satélite da Terra. Os componentes e as suas respectivas funções são:

  • Um conjunto de retrorefletores a laser que rechaça os feixes de laser.
  • Um instrumento que mede com precisão a altitude e a velocidade da espaçonave à medida que ela desce até a superfície lunar.
  • Uma câmera estéreo que capturará o vídeo da pluma de poeira produzida pelos motores da Odysseus durante o pouso.
  • Um receptor de rádio de baixa frequência que mede os efeitos de partículas carregadas em sinais de rádio próximos à superfície lunar, fornecendo informações que podem ajudar no projeto de futuras observações de rádio na Lua.
  • Um sinalizador, Lunar Node-1, que demonstrará um sistema de navegação autônomo.
  • Um instrumento no tanque de propelente que usa ondas de rádio para medir os níveis de combustível. O módulo de pouso também carrega outras cargas úteis, incluindo uma câmera construída por estudantes da Embry-Riddle Aeronautical University em Daytona Beach, Flórida; um instrumento precursor para um futuro telescópio lunar; e um projeto de arte de Jeff Koons.

Como os painéis solares fornecem a energia da espaçonave, a missão da Odysseus durará apenas cerca de sete dias, até que o sol se ponha no local de pouso. É quando começa uma noite lunar gelada de duas semanas, e a espaçonave não foi projetada para sobreviver nessas condições.

Como foi a missão do lançamento até a chegada na lua?

Em sua maior parte, muito bem. Em 15 de fevereiro, um foguete Falcon 9 da SpaceX enviou a Odysseus em uma trajetória em direção à Lua. Depois que a espaçonave se separou, ela se ligou com sucesso. Uma queima inicial do motor para testar o sistema de propulsão foi adiada porque o propelente de oxigênio líquido demorou mais para esfriar do que os testes em terra haviam previsto.

Publicidade

Os engenheiros ajustaram os procedimentos de ignição, e a queima foi realizada com sucesso na sexta-feira. Durante o trajeto, a espaçonave transmitiu fotografias tiradas da Terra e da Lua. Os controladores de voo acionaram o motor mais duas vezes, no domingo e na terça-feira, para ajustar a trajetória da espaçonave até a Lua. O segundo esforço foi preciso o suficiente para que os controladores de voo decidissem pular uma terceira correção planejada.

No final da tarde de quarta-feira, a Intuitive Machines ajustou o horário de pouso, adiantando-o em 19 minutos, com base na órbita em que a espaçonave terminou. Ela aterrissou por volta das 20h30 desta quinta (horário de Brasília).

Acompanhe a repercussão da chegada da espaçonave à Lua pela transmissão da TV da Nasa.

Onde a espaçonave planejava pousar?

A Odysseus mirou em um ponto na região polar sul, uma planície plana fora da cratera Malapert A. (Malapert A é uma cratera satélite da cratera maior Malapert, que recebeu o nome de Charles Malapert, um astrônomo belga do século XVII).

O local de pouso fica a cerca de 185 milhas do polo sul da Lua. Algumas das crateras nessa região permanecem em uma sombra perpétua e são uma área de interesse especial porque foi detectado gelo de água nelas. Missões lunares americanas anteriores aterrissaram nas regiões equatoriais.

Em 15 de fevereiro, um foguete Falcon 9 da SpaceX enviou a Odysseus em uma trajetória em direção à Lua. Depois que a espaçonave se separou, ela se ligou com sucesso Foto: Intuitive Machines via The New York Times

Qual é o tamanho da espaçonave?

O módulo de pouso da Intuitive Machines é um cilindro hexagonal com seis pernas de pouso, com cerca de 14 pés de altura e 5 pés de largura. Para os fãs de “Doctor Who”, o programa de televisão de ficção científica, o corpo do módulo de pouso tem aproximadamente o tamanho da TARDIS, a nave espacial que viaja no tempo e que, por fora, parece uma antiga cabine telefônica da polícia britânica. No lançamento, com uma carga completa de propelente, o módulo de aterrissagem pesava cerca de 4.200 libras.

Por que a Nasa não está realizando essa missão?

A Odysseus faz parte do programa Commercial Lunar Payload Services da NASA, que permite que empresas privadas enviem experimentos para a Lua e poupa a Nasa de construir e operar seus próprios veículos de pouso na Lua.

Publicidade

A agência espacial espera que essa abordagem seja muito mais barata, permitindo que ela envie mais missões com mais frequência enquanto se prepara para o retorno dos astronautas americanos à Lua como parte de seu programa Artemis. /Com The New York Times.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.