PUBLICIDADE

Ativistas colam as mãos em quadros de Goya no Museu do Prado, em Madri

A ação foi mais um protesto de ativistas ambientais para chamar a atenção para o aquecimento global

Foto do author Redação
Por Redação

Dois ativistas ambientais colocaram, neste sábado, 5, suas mãos nas molduras de dois quadros de Goya, no Museu do Prado, em Madri, para denunciar a inação das autoridades diante do aquecimento global, informou a polícia espanhola.

Os ativistas, que não danificaram as pinturas, mas marcaram “+1,5°C” na parede entre as duas obras, em referência à meta de aquecimento global estabelecida pela comunidade internacional, foram presos e levados sob custódia, segundo a polícia.

O Museu do Prado é um dos mais mais importantes da Espanha Foto: Adriana Moreira/Estadão

Em um vídeo postado online pelo coletivo Extinction Rebellion, um grupo ambientalista adepto da desobediência civil, os ativistas aparecem cada um com as mãos fixadas em uma pintura, em uma das salas do museu.

PUBLICIDADE

De acordo com Extinction Rebellion, as duas pinturas em questão são A Maja Nua e A Maja Vestida, do pintor espanhol Francisco de Goya (1746-1828).

Esta ação é “um sinal de protesto” contra “o aumento da temperatura global, que irá provocar um clima instável com graves consequências em todo o planeta”, sublinha o coletivo em comunicado de imprensa.

Essa ação segue várias outras do tipo realizadas por ativistas climáticos, tendo como alvo obras de arte famosas em várias cidades da Europa.

No início deste mês, dois ativistas do grupo Last Generation jogaram purê de batatas no vidro que protegia a pintura de Claude Monet Les Meules no Museu Barberini em Potsdam, Alemanha.

Publicidade

Ativistas ambientais também se colaram no vidro que protege Moça com Brinco de Pérola de Johannes Vermeer em um museu na Holanda e outros jogaram sopa no que protege os Girassóis de Vincent van Gogh na National Gallery em Londres.

Na sexta-feira, 4, ativistas em Roma jogaram sopa em um Van Gogh protegido por vidro.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.