PUBLICIDADE

Opinião|Descompasso na convivência virtual

Adoraria saber o que Elon Musk falaria sobre a liberdade de expressão na China ou na Arábia Saudita, mas, claro, ele só tem coragem de jogar suas pérolas para nós, brasileiros

colunista convidado
Foto do author Alice Ferraz

Como já contei aqui, fui criada com uma educação rígida para os padrões da minha época. Meu pai, militar, e minha mãe tiveram uma educação tradicional pautada em regras, deveres e muitas obrigações.

PUBLICIDADE

Aos 13 anos, fui matriculada em uma aula de dança com a conhecida professora paulistana Madame Poços Leitão. Toda terça-feira ela recebia as alunas para as aulas de dança de salão e etiqueta. O conteúdo era baseado, claro, em como me comportar socialmente de forma adequada para aquele momento.

Várias daquelas regras, atualmente, não fazem o menor sentido. Entretanto, olhando com as lentes do tempo, vejo que aprendíamos naquela aula, no auge da adolescência, que existiam padrões de civilidade para se conviver em sociedade.

Lá, aprendi a dançar samba, tango, foxtrote e passos básicos sobre convivência. Dançar com todos fazia com que tivéssemos de conviver com quem não era da nossa turma, além de aprender a ter paciência com quem não sabia dançar, a conversar com quem não tínhamos, às vezes, nada em comum e a seguir um comportamento de gentileza, em muitas ocasiões forçada, durante a dança, que reforçava o que pode ser chamado de “processo civilizatório”.

Passaram-se 40 anos e já transgredi muitas das regras daquela época. Mas adoraria saber como a “Madame” – como a chamávamos carinhosamente – reagiria ao assistir à forma como nos comportamos em um novo território, o virtual. Incluindo as mídias sociais digitais.

O empresário Elon Musk. Foto: Kirsty Wigglesworth/AP

Em 2011, quando comecei a trabalhar na nova mídia e estudar as diversas formas de comunicação que podem se dar por meio dela, achei que simplesmente espelharíamos as regras aprendidas no mundo físico. Não ofender pessoas no meio da rua aos gritos. Ouvir e pensar antes de defender uma fala. Ser gentil com quem não sabe o que sabemos. Conversar e discordar educadamente de quem pensa diferente. Dançar com quem não gostamos ou com quem não há compasso comum.

Infelizmente, não conseguimos construir esse caminho para conviver nesse ambiente altamente violento e preconceituoso. Isso se tornou um desafio diário. Nesses anos, acompanhei o processo e recebi com alegria a formatação de algumas regras para regular nosso comportamento no que se transformou em uma “terra de ninguém”.

Publicidade

Gostaria de parar por aqui e apenas dizer que espero, sim, a regulamentação do ambiente virtual. Entretanto, terei, infelizmente, que citar só uma das tantas características de prepotência e arrogância de Elon Musk, que, envolto pela aura de gênio por saber ganhar dinheiro, nos brindou com sua opinião sobre liberdade de expressão, por meio da empresa que não idealizou, não fundou, mas comprou, para nela impor suas regras. Adoraria saber o que esse senhor falaria sobre a liberdade de expressão na China ou na Arábia Saudita, mas, claro, ele só tem coragem de jogar suas pérolas para nós, brasileiros.

Opinião por Alice Ferraz

É especialista em marketing de influência e escritora, autora de 'Moda à Brasileira'

Tudo Sobre
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.