EXCLUSIVO PARA ASSINANTES
Foto do(a) coluna

Cultura, comportamento, noite e gente em São Paulo

Água-Viva de oito metros de altura cobre palácio icônico em Petrópolis, no Rio de Janeiro

Obra é do artista Felipe Yung, conhecido como Flip

PUBLICIDADE

Foto do author Gilberto Amendola
Por Gilberto Amendola

Considerado como o detentor da segunda maior cúpula do mundo - perdendo por pouco para a da Catedral de São Pedro, no Vaticano - o Salão Mauá, que já abrigou o luxuoso cassino do Palácio Quitandinha, em Petrópolis, ganhou uma instalação artística inspirada nas pinturas de Santa Rosa, artista homenageado na ocupação.

A água-viva inflável Foto: Felipe Young

PUBLICIDADE

Realizada por Felipe Yung, artista conhecido como Flip, uma água-viva inflável, de oito metros de altura e com luzes LED, cobre o Salão Mauá. A obra integra a ocupação do Centro Cultural Sesc Quitandinha “Da Kutanda ao Quitandinha”, que marca os 80 anos do icônico palácio, em Petrópolis.

Flip já teve obras expostas em galerias e ruas de São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Madrid, Barcelona, Los Angeles, New York, Moscou, Londres, Paris, Líbano, Osaka e Tóquio.

A ocupação segue com programação diversa até 25 de fevereiro de 2024.

Felipe Yung e uma versão menor da sua água-viva Foto: Chussei Jukemura
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.