EXCLUSIVO PARA ASSINANTES
Foto do(a) coluna

Cultura, comportamento, noite e gente em São Paulo

Simone desfila hoje na Portela: ‘O carnaval está dentro de mim’

A cantora fará ainda encerramento da turnê de 50 Anos de carreira com show em São Paulo sem pensar em deixar os palcos

PUBLICIDADE

Foto do author Paula Bonelli
Por Paula Bonelli

Simone desfila hoje na Portela, na Sapucaí. A cantora de clássicos da música brasileira pediu à direção da escola para sair perto da bateria, pois quer emoção batendo forte. Ela foi convidada pela Tia Surica, pelo presidente Fábio Pavão e pela sambista Teresa Cristina, e se sentiu honrada por receber o convite.

Ela fala sobre a sua ligação com a folia: “Eu sou baiana. Meus pais eram muito fãs de carnaval, iam para os bailes e eu brincava atrás dos trio elétricos. Morava em Itapagipe, minha casa era bem perto de onde Dodô e Osmar saiam (no início do trio elétrico). Faz parte da minha vida, de como é samba para mim, as festas são muito fortes em Salvador. O carnaval está totalmente dentro de mim”.

Cantora Simone Foto: LORENA_DINI

PUBLICIDADE

A cantora deve vestir uma camiseta azul e branca da escola de samba. No entanto, em seus shows, a cantora veste apenas branco desde a década de 70, podendo ter prata ou dourado. Nestes tons, ela subirá ao palco do Tokio Marine Hall nos dias 3 e 4 de maio, no show de encerramento da turnê comemorativa de 50 anos “Tô voltando”.

No repertório do show, estarão presentes “Começar de Novo”, de Ivan Lins, “O que Será”, de Chico Buarque, “Encontros e Despedidas”, de Milton Nascimento, e, claro, “Tô Voltando”, de Maurício Tapajós e Paulo César Pinheiro.

Na bagagem, a artista tem trinta e um álbuns de estúdio e seis ao vivo. São 50 canções em trilhas de novelas. Aos 74 anos, ela não pensa em parar de cantar, dizendo: “Enquanto eu tiver tesão e força para ficar em cima do palco, vou fazer. No dia que não der mais, tomara Deus que eu esteja preparada psicologicamente para deixar de fazer a coisa que amo. Mas por enquanto não penso mesmo nisso.”

Publicidade

Sobre a origem de seu talento, ela reflete: “Não tem muita explicação. Canto quando a melodia bate no coração. A minha música sempre foi escolhida quando dispara alguma coisa internamente em mim, o coração acelera ou eu fico arrepiada”.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.