PUBLICIDADE

Morre aos 90 anos a escritora Maryse Condé, cotada para o Prêmio Nobel de Literatura

A escritora de Guadalupe abordou em seus trinta livros temas como África, a escravidão e as múltiplas identidades negras

Foto do author Redação
Por Redação

MARSELHA, FRANÇA / AFP - Grande voz da literatura francófona, a escritora de Guadalupe Maryse Condé morreu na madrugada desta terça-feira, 2, no hospital de Apt (Vaucluse), segundo informou à AFP seu marido, Richard Philcox.

Nascida em Pointe-à-Pitre em 11 de fevereiro de 1934, Maryse Condé abordou em seus trinta livros temas como África, a escravidão e as múltiplas identidades negras.

Maryse Condé em sua casa em Gordes, sul da França, em 7 de outubro de 2021. A escritora francesa da Guadalupe morreu em 2 de abril de 2024. Foto: CLEMENT MAHOUDEAU / AFP

PUBLICIDADE

Também era muito conhecida nos Estados Unidos, onde viveu por vinte anos em Nova York. Na cidade americana, inaugurou e dirigiu um centro de estudos francófonos na Universidade de Columbia.

“Sempre trabalhei com ela em diferentes editoras e admirava profundamente sua influência, sua coragem. Inspirou muitos escritores a iniciar uma carreira”, declarou à AFP seu editor, Laurent Laffont.

Até o final de sua adolescência Maryse Condé não havia se percebido negra. Nunca tinha ouvido falar da escravidão nem da África.

Sua mãe, professora, a proibiu de falar crioulo e a obrigou a aprender francês.

Somente aos 19 anos, quando chegou a Paris, que se deu conta da barreira que sua cor de pele impunha.

Publicidade

Começou a escrever aos 42 anos, após 12 anos de dificuldades, e conseguiu graças a Richard Philcox, que se tornou seu tradutor.

Em 1976, publicou Heremakhonon, depois Segu (1984-1985), um sucesso de vendas, sobre o império bambara no século 19 no Mali.

Seu nome foi mencionado diversas vezes para o Prêmio Nobel de Literatura.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.