PUBLICIDADE

Destino de Jackson está nas mãos do júri

O juiz disse que Jackson, que afirma ser inocente, poderia ficar em sua fazenda Neverland enquanto não se chegar a um veredicto Veja Galeria

Por Agencia Estado
Atualização:

Os 12 integrantes do júri se retiraram nesta sexta-feira para decidir se Michael Jackson é culpado ou inocente de abuso sexual de um adolescente. Agora, o futuro do cantor depende dessa deliberação. Se for considerado culpado de uma ou mais das dez acusações, poderá ser condenado a uma pena de até 20 anos de prisão. O juiz Rodney Melville disse que as oito mulheres e os quatro homens do júri começaram a deliberar escolhendo um representante. "Vocês não são réus nem advogados neste caso, vocês são juízes imparciais", explicou Melville aos jurados. O juiz lhes deu um conselho: "cada membro do júri deve tentar chegar a uma decisão, mas ao mesmo tempo estar aberto para mudar de opinião se isto lhe parecer correto". Depois de três meses de um processo em que a promotoria qualificou Jackson de "predador sexual" e a defesa, de "vítima de uma conspiração", os jurados finalmente se reúnem para decidir sobre as dez acusações, que incluem abuso sexual de um adolescente, oferecimento de vinho para seduzi-lo e conspiração para mantê-lo seqüestrado. O juiz disse que Jackson - que afirma ser inocente - poderia ficar em sua fazenda Neverland enquanto não se chegar a um veredicto. "Sr. Jackson, o senhor pode ficar em sua residência", disse. Os jurados do processo de Michael Jackson em Santa Maria, se separaram nesta sexta-feira após duas horas de deliberações sem ter chegado a um veredicto, anunciaram as testemunhas. Os 12 membros do júri foram escoltados por policiais ao saírem do tribunal pouco após as 14h30 locais (17h30 de Brasília), antes de seguirem em dois microônibus que deveriam levá-los às suas casas para o final de semana. Os jurados se encontrarão na manhã de segunda-feira, às 8h30 (12h30 de Brasília), para retomar seus debates sobre o destino de Michael Jackson. Embate entre defesa e acusação - Pouco antes, a defesa e a promotoria haviam terminado sua última apresentação. O júri assistiu a testemunhos bastante explícitos como, por exemplo, a descrição da suposta vítima sobre como Jackson, de 46 anos, o masturbou. O advogado Thomas Mesereau, chefe da defesa, terminou sua apresentação nesta sexta-feira pedindo a absolvição de Jackson, vítima, segundo ele, das mentiras inventadas por uma família de vigaristas. O promotor Ron Zonen defendeu a teoria de que o cantor é um depravado sexual que usou fama e fortuna para construir a fazenda Neverland como uma armadilha para atrair meninos. Para ele, Jackson usou o rancho de fantasia, o álcool e a pornografia para seduzir sua vítima, um adolescente de 13 anos doente de câncer. Zonen criticou a afirmação de Mesereau de que o caso era pouco consistente e que, por isso, a promotoria havia sido obrigada a recorrer a outras acusações de abuso sexual apresentadas anteriormente contra Jackson. Afirmou ainda que os testemunhos sobre abusos anteriores eram cruciais para compreender a conduta de Jackson, a quem qualificou de pedófilo reincidente. Um adolescente que havia sido molestado por Jackson nos anos 90 passou 357 noites na cama com ele, denunciou Zonen. "Isso não é amizade, isso é uma relação de casal", afirmou. Quando os presentes ouviram esse testemunho, "foi como se uma tonelada de tijolos caísse no chão. De repente todo mundo entendeu o que se passava", assegurou.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.