Foto do(a) blog

De antena ligada nas HQs, cinema-pipoca, RPG e afins

Ramata-Toulaye Sy leva o Senegal a telas de Cannes sem estereótipo, com magia

PUBLICIDADE

Por Rodrigo Fonseca
Atualização:
Ramata-Toulaye Sy, diretora francesa de origem senegalesa, pode ganhar o troféu Caméra d'Or e a Palma - Foto: Rodrigo Fonseca

Rodrigo Fonseca Entre os 21 títulos concorrentes à Palma de Ouro de 2023 há um só filme pilotado por uma voz estreante na direção de longas: o senegalês "Banel & Adama", que vem cativando fãs sem ter um caminhão de dinheiro para gastar em mídia. Sua diretora nasceu na França, há 36 anos, e lá fez sua formação, mas seus pais vieram do Senegal, onde ambienta uma narrativa poética sem conceções geopolíticas ao alumbramento do exotismo e ao choro da miséria. Seu nome: Ramata-Toulaye Sy. Ela faz parte do time de recém-chegados à embaixada da autoralidade fílmica selecionados por Thierry Frémaux, o diretor-artístico do evento, a fim de renovar seus quadros. Seu filme é um drama romântico sobre querer e aceitação, mas com um toque de realismo mágico. Há até uma revoada de aves que inundam o céu com o aviso funesto de uma tragédia. Khady Mane é Banel, jovem que se casa com Adama (Mamadou Diallo) sem entender bem os interditos culturais de seu povo ligados ao benquerer. Com a percepção de que seu romance incomoda, ela gravita por veredas do risco. Mas vai encarar a intolerância com toda a perspicácia que tem. A fotografia de Amine Berrada é encantadora. "A gente fez de tudo para eliminar a dimensão de cartão-postal de uma África idílica e para libertar o filme da dimensão literária, embora eu tenha usado livros, como as obras de William Faulkner, para construir meu mundo. Mas ele precisava se afirmar por sua visualidade", disse Ramata-Toulaye ao Estadão, em Cannes. Neste domingo em que suspirou pela austeridade de "Firebrand", o "Game of Thrones" de Karim Aïnouz, numa mistura da série cult da HBO com "Ligações Perigosas" de Stephen Frears, Cannes passou a encarar Jude Law como favorito ao prêmio de Melhor Ator da competição deste ano, no papel do rei Henrique VIII. A luz pardacenta de Hélène Louvart, sua fotógrafa, amplia o tom grave, áspero, do mundo onde a rainha Catherine Parr (1512-1548), papel de uma inspirada Alicia Vikander, vai brigar com o marido monarca, o já citado Henrique, para domar sua sede descontrolado de controle. Cannes termina dia 27. Neste domingo, uma joia foi consagrada pela plateia da Quinzena de Cineasta: "Le Livre Des Solutions", hilário filme de regresso do francês Michel Gondry, o mesmo de "Brilho Eterno de Uma Mente Sem Lembranças" (2004). Pierre Niney é uma espécie de versão alternativa de Gondry, incontrolável como ele, que transforma uma casa num set de filmagem muito doido após ser boicotado por seus produtores.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.