EXCLUSIVO PARA ASSINANTES
Foto do(a) coluna

Repórter especial de economia em Brasília

Briga regional ajuda a cortar exceções da reforma tributária; entenda

Disputa em Alagoas entre Lira e apoiadores de Renan Calheiros causou mudanças no texto

PUBLICIDADE

Foto do author Adriana Fernandes
Por Adriana Fernandes

Os bastidores das negociações na reta final de votação da reforma tributária revelam como a briga regional no Estado de Alagoas entre o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP), e o clã do senador Renan Calheiros (MDB) acabou servindo de ponte para a redução das exceções dos setores contemplados com tratamento diferenciado na emenda constitucional aprovada na última sexta-feira e promulgada em sessão histórica do Congresso desta quarta-feira, marcada pela forte polarização política.

PUBLICIDADE

O corte nas exceções na última hora, apontam os especialistas, terá potencial para reduzir a alíquota dos dois novos tributos, o IBS (Estados e municípios) e a CBS (governo federal), criados pela reforma.

Lira, adversário de Renan deixou claro, nas tratativas finais, que não aceitaria que o setor de saneamento estivesse em nenhum regime simplificado beneficiado com tributação mais baixa.

No Senado, o saneamento havia sido incluído na lista de exceções pelo relator da reforma na Casa, Eduardo Braga (MDB-AM), aliado e colega do mesmo partido de Renan Calheiros.

Renan Calheiros e Arthur Lira têm disputa no setor do saneamento em Maceió, capital de Alagoas, estado de origem dos dois Foto: Evaristo Sá / AFP

Por trás da disputa está a concessão à BRK dos serviços de água e esgoto na região metropolitana de Maceió (AL), em 2020, com um valor de outorga de R$ 2,009 bilhões. O certame foi o primeiro após a aprovação do marco do saneamento.

Publicidade

O governador do Estado na época era Renan Filho, filho do senador e hoje ministro dos Transportes de Lula. Como pano de fundo está a recente crise política provocada pelo afundamento de bairro em Maceió em razão da exploração de sal mineral pela Braskem.

Surpreendendo a todos que não esperavam que a Câmara fosse retirar as mudanças feitas por Braga, que promoveu um aumento das exceções, o relator da reforma na Câmara, Aguinaldo Ribeiro, acabou atendendo Lira. Ele não só retirou o saneamento do regime específico – que terá regras próprias de tributação – mas também outros setores que haviam sido inseridos no Senado: concessões rodoviárias, empresas de aviação, de telecomunicações, microgeradores de energia elétrica e o setor da reciclagem.

Ribeiro, por outro lado, decidiu manter uma tributação menor para profissionais liberais, como advogados e médicos, com desconto de 30% sobre a alíquota-padrão do IVA. Uma bandeira do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, aos advogados.

Obviamente, Braga não gostou das mudanças, mas ficou em silêncio. E a reforma acabou sendo aprovada com um número menor de exceções graças à briga regional.

Agora, a negociação continua com o passo da regulamentação da reforma. De nada adiantará esse trabalho todo em torno da aprovação da emenda constitucional se a regulamentação sair torta. O ministro Fernando Haddad quer a segunda etapa da reforma tributária, da renda e patrimônio, para aumentar a arrecadação. Mas não pode descuidar da primeira etapa dos impostos sobre consumo até concluir sua regulamentação.

Publicidade

Haddad, sem querer ou querendo, deu o tom do que esperar: fez um apelo ao STF, afirmando que o Supremo será o “guardião da reforma”. O ministro sabe muito bem que haverá judicialização bem na hora que o Congresso estiver votando a regulamentação. Tema de 10 entre 10 advogados tributaristas do País.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.