EXCLUSIVO PARA ASSINANTES
Foto do(a) coluna

Diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE)

Opinião|Distribuidoras são patinho feio do setor elétrico

Empresas do setor estão vivendo grandes mudanças, e os novos contratos de concessão precisam estar preparados para isso

PUBLICIDADE

Foto do author Adriano Pires

Um dos grandes desafios que o Ministério de Minas e Energia (MME) terá pela frente é o tratamento das concessões das distribuidoras de energia elétrica. As concessões estão terminando e todos se perguntam sob quais critérios serão renovadas.

As empresas distribuidoras de energia elétrica estão vivendo um momento de grandes mudanças. O ministro de Minas e Energia chegou a falar que hoje essas empresas são o “patinho feio” do setor elétrico. E qual o porquê disso?

PUBLICIDADE

Nos últimos anos, as novas tecnologias e as novas regulações e legislações permitiram o crescimento do mercado livre e o aparecimento da chamada geração distribuída (GD). Isso levou a uma perda de mercado por parte das distribuidoras, que deixam de faturar a energia comercializada no mercado livre e a proveniente de empreendimentos de GD.

Sai o faturamento, mas ficam os custos. Mesmo sem receber pela energia proveniente de geração distribuída, as distribuidoras continuam arcando com os custos de disponibilizar a infraestrutura para que a energia chegue ao consumidor. Sem contar com os subsídios.

As tarifas de energia são reajustadas no "aniversário" de contrato de cada distribuidora e os porcentuais estabelecidos são diferentes. Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

E mais. Essa perda de mercado tem sido incentivada pelas tarifas mais altas das concessionárias e pelos subsídios dados, em particular, para a GD. Tanto quem migra para o mercado livre quanto para a GD vai atrás de tarifas menores. A consequência é que os consumidores como dona Maria e seu José acabam por pagar tarifas mais elevadas. E com o baixo crescimento econômico aumentam as perdas e a inadimplência.

Publicidade

Como parar essa espiral da morte? A oportunidade se apresenta nesse momento da renovação das concessões. Primeiro, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) precisa criar uma regulação que trata de concessões diferentes de maneira diferente. Basta olharmos a atual situação das concessionárias como Light, Amazonas Energia e Enel Rio. Todas têm em comum as perdas e a inadimplência. E só. Outras distribuidoras têm situações e problemas completamente diferentes.

O Brasil é um país continental e não podemos ter a mesma régua para todas as distribuidoras. Com uma regulação que retrate a realidade específica de cada uma das empresas será possível criar um quadro tarifário no qual as tarifas estejam mais ligadas à situação social do consumidor da concessionária, o que hoje é uma prioridade do governo federal.

Na Califórnia se discute estabelecer tarifas tendo como parâmetro a renda de cada consumidor. Exemplo: quem ganha US$ 15 mil por ano paga uma tarifa menor do que quem tem ganhos superiores. Também nos Estados Unidos existem Estados e cidades que atrelam as tarifas de serviço público ao que é cobrado de IPTU.

Os novos contratos de concessão precisam estar preparados para recepcionar essas mudanças.

Enfim, saídas existem para que as distribuidoras deixem de ser o patinho feio. Mas é preciso vontade política para não se fazer mais do mesmo.

Publicidade

Opinião por Adriano Pires

Diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.