EXCLUSIVO PARA ASSINANTES
Foto do(a) coluna

Diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE)

Opinião|É preciso reduzir a entropia para atrair investimentos em mineração e energia

Conjunto de notícias do governo para a economia leva ao afastamento de investidores na infraestrutura

PUBLICIDADE

Foto do author Adriano Pires

Desde o final do ano passado, vemos notícias preocupantes que podem dificultar e mesmo afastar investimentos no setor de mineração e de energia. A primeira é a criação do Imposto Seletivo (IS). O valor do IS é de até 1% do valor final do produto, sobre a atividade de extração de recursos naturais, o que engloba a produção de petróleo e a mineração. A incidência do imposto sobre a extração independe do destino do produto extraído, seja para o mercado interno ou externo, e poderá assumir caráter ad rem, a fim de impactar o volume extraído, não a receita de vendas.

PUBLICIDADE

Quatro problemas. O primeiro é o potencial inflacionário do imposto, dado que é cumulativo ao longo da cadeia. Qualquer nota fiscal de combustíveis fósseis pagaria o IS. O segundo é a possibilidade de que o imposto “extra” resulte em um crescimento da sonegação no diesel e na gasolina. É sempre bom lembrar a alta elasticidade de evasão da gasolina e do diesel. Em terceiro lugar, no caso do petróleo, gás e minério teríamos uma dupla tributação, já que ambos pagam royalties referentes à extração. O quarto é que, na prática, criaremos um imposto de exportação, tirando competitividade do petróleo e do minério, que são fundamentais para o saldo positivo da nossa balança comercial. Ainda no setor de petróleo voltaram as dificuldades em obtenção de licenças ambientais e o retorno da política de conteúdo local, colocado como um dos eixos da nova política industrial.

No setor de minério causou muito barulho a divulgação de que o governo indicaria o presidente da Vale, que é uma empresa privada. Depois, veio o desmentido do Ministério de Minas e Energia. Porém, o estrago estava feito, e o mais engraçado foi ver que o escolhido pelo governo escreveria uma carta renunciando a sua indicação, que o ministro de Minas e Energia declarou nunca ter sido feita. A história está mal contada e as dúvidas permanecem quanto à volta do governo nas decisões da empresa. As reações do mercado e da própria imprensa foram grandes e acabaram influenciando nos desmentidos do governo.

No petróleo tivemos o presidente Lula da Silva anunciando a retomada dos investimentos da Petrobras na Refinaria Abreu e Lima. Um projeto errado, que causou enormes prejuízos. Essa decisão mostra a volta da empresa em retomar o monopólio do refino no Brasil. Voltar para trás nunca é uma boa ideia. O que o Cade pensa disso?

Imposto seletivo pode incidir sobre mineração; governo tentou interferir na Vale Foto: DANIEL TEIXEIRA / ESTADÃO

No setor elétrico, a AES, empresa americana, estaria saindo do Brasil. A AES possui um portfólio de ativos 100% renováveis. Sendo 2,7 GW hídrico, 2,2 GW eólico e 0,3 GW solar. É bom lembrar que a AES em 2020 resistiu a uma oferta de sociedade com a Eneva. E agora parece querer ir embora.

Publicidade

Esse conjunto de notícias mostra o governo aumentando a entropia na economia, que só leva ao afastamento de investimentos na infraestrutura.

Opinião por Adriano Pires

Diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.