Alckmin sobre queda da Selic: mais importante que corte é sinalização que vai continuar caindo

Para o vice-presidente e ministro da Indústria e Comércio, tripé fundamental da economia está trazendo boas notícias para o Brasil

PUBLICIDADE

Foto do author Fernanda Trisotto
Por Fernanda Trisotto

Brasília, 06/08/2023 - A sinalização da continuidade no processo de queda da taxa de juros é mais importante do que o corte de 0,5 ponto percentual (p.p.) anunciado nesta semana pelo Comitê de Política Monetária (Copom), do Banco Central, na avaliação do vice-presidente e ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços, Geraldo Alckmin.

Após cumprir agenda em Taubaté, no interior paulista, ele comentou que o tripé fundamental de juros, impostos e câmbio está trazendo boas notícias para o País.

PUBLICIDADE

Para Alckmin, um câmbio variando entre R$ 4,80 e R$ 5 é competitivo e permite “exportar bastante”. Já a reforma tributária em curso no Congresso trará simplificação e redução do custo Brasil. Por isso, a sinalização de continuidade de queda dos juros é mais importante.

“Os juros estão elevadíssimos, 13,25% ainda é alto, porque a inflação é 3,1%, então você tem os juros reais de mais de 10%. Mas importante foi a linha de queda. Mais importante que o 0,5 p.p. que caiu é a sinalização que vai continuar caindo”, afirmou neste domingo.

Comitê de Política Monetária do Banco Central decidiu cortar juros na última semana e indicou que corte deve prosseguir Foto: WILTON JUNIOR / ESTADÃO

Na última quarta-feira, 2, o Copom iniciou o processo de afrouxamento da taxa Selic com um corte mais agressivo, de 0,50 p.p., de 13,75% para 13,25% ao ano. A decisão pelo corte foi dividida: foram cinco votos favoráveis à redução de 0,50 p.p., incluindo o de Roberto Campos Neto, presidente do BC, contra quatro votos para um corte de 0.25 p.p..

O ponto frisado por Alckmin foi a sinalização, unânime, para a continuidade de cortes na taxa de juros neste mesmo nível. “Em se confirmando o cenário esperado, os membros do Comitê, unanimemente, anteveem redução de mesma magnitude nas próximas reuniões e avaliam que esse é o ritmo apropriado para manter a política monetária contracionista necessária para o processo desinflacionário”, disse o Copom no comunicado divulgado após a reunião.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.