Apetite por carros maiores aumenta no mundo e dificulta a luta contra o aquecimento global

SUVs, mais custosos para o clima, representam quase metade das vendas de carros novos no mundo

PUBLICIDADE

Por Alexa St. John
Atualização:

O impacto negativo dos veículos de passeio sobre o clima, que é considerável, poderia ter caído mais de 30% na última década se não fosse o apetite do mundo por carros grandes, sugere um novo relatório da Iniciativa Global de Economia de Combustível.

PUBLICIDADE

Os veículos utilitários esportivos, ou SUVs, agora representam mais da metade de todas as vendas de carros novos em todo o mundo, segundo o grupo, que não está sozinho. A Agência Internacional de Energia, usando uma definição mais restrita de SUV, estima que eles representem quase a metade.

Com o passar dos anos, esses carros ficaram maiores, assim como seu custo para o clima, já que as emissões de dióxido de carbono “são quase diretamente proporcionais ao uso de combustível” para carros movidos a gasolina. O carbono que entra na bomba sai pelo tubo de escape.

O transporte é responsável por cerca de um quarto de todos os gases que causam o aquecimento climático provenientes da energia, e grande parte disso pode ser atribuída ao transporte de passageiros, segundo a Agência Internacional de Energia.

SUVs foram originalmente pensadas para locais com terrenos difíceis ou motoristas que precisam carregar muito peso, mas tomaram conta das cidades Foto: JF DIORIO/ESTADÃO

Mas o impacto ambiental negativo dos SUVs poderia ter sido reduzido em mais de um terço entre 2010 e 2022, se as pessoas tivessem continuado a comprar carros do mesmo tamanho, de acordo com a iniciativa, uma parceria global de grupos de veículos mais limpos.

Uma solução para isso poderia ser os veículos elétricos (VEs).

George Parrott, um ávido corredor de 79 anos, que mora em West Sacramento, Califórnia, decidiu mudar para veículos mais limpos em 2004, quando comprou um Toyota Prius híbrido. Desde então, ele teve vários carros puramente elétricos e atualmente tem um SUV elétrico Genesis GV60 e um Tesla Model 3.

Publicidade

Nem todos os consumidores pensam da mesma forma em relação ao consumo de energia e aos benefícios ambientais, especialmente nos EUA. Embora as vendas de VEs tenham representado 15% do mercado global de automóveis no ano passado, esse porcentual foi de apenas 7,3% nos EUA.

Enquanto isso, os veículos menores, ou sedãs, perderam muito terreno no mercado americano na última década. Em 2012, os sedãs representaram 50% do espaço de varejo de automóveis nos EUA, com SUVs com pouco mais de 30%, e caminhões com 13,5%, segundo a empresa de compra de carros Edmunds. Em 2022, a participação dos sedãs nos EUA caiu para 21%, enquanto os SUVs atingiram 54,5%, e os caminhões cresceram para 20%.

“As pessoas não querem ser limitadas pelo espaço no carro”, disse Eric Frehsée, presidente do Grupo Tamaroff de concessionárias no sudeste de Michigan. “Todo mundo quer um carro para sete passageiros”.

“Tudo isso foi uma combinação de amplas preocupações ambientais”, disse ele.

PUBLICIDADE

Parrott e seu falecido sócio também sabiam que sua região estava no topo da lista de cidades poluídas da American Lung Association. “Faríamos tudo o que fosse possível para minimizar nosso impacto na qualidade do ar aqui na área de Sacramento”, disse ele.

Os SUVs grandes, como o Chevrolet Tahoe, o Toyota Sequoia ou o Nissan Armada, têm uma quilometragem de gasolina na estrada de 28, 24 e 19, respectivamente. Mas até mesmo os SUVs mais eficientes serão menos eficientes do que os sedãs, porque os SUVs pesam muito mais.

Um sinal de progresso, no entanto, é que os SUVs compactos, como o Toyota RAV4 e o Honda CR-V, estão agora liderando o mercado de SUVs dos EUA, respondendo por cerca de 18% das vendas de veículos novos no ano passado.

Mais esforços do Departamento de Transportes dos EUA, da Agência de Proteção Ambiental e da Administração Nacional de Segurança do Tráfego Rodoviário estão sendo feitos para melhorar a economia de combustível e as emissões de escapamento dos veículos movidos a gasolina. Algumas iniciativas poderiam incluir os SUVs, o que deixou o setor em polvorosa.

Até recentemente, os consumidores tinham poucos modelos elétricos para escolher se quisessem reduzir o impacto de seu próprio transporte. A maioria das primeiras opções de carros eletrificados eram sedãs, principalmente no segmento de luxo.

Mais fabricantes de automóveis estão lançando modelos de VEs maiores, mas esses podem exigir baterias ainda mais pesadas a bordo. O aspecto ambiental também precisa ser ponderado se um SUV for substituído por um VE, disse Loren McDonald, CEO da empresa de análise de mercado EVAdoption. “A simples eletrificação não nos ajuda muito se também não nos concentrarmos no peso e na eficiência desses veículos e em baterias menores”, disse McDonald.

O setor corre para avançar na tecnologia a fim de reduzir o tamanho das baterias e a quantidade de minerais essenciais necessários para fabricá-las.

Números como os da Iniciativa Global de Economia de Combustível certamente serão pertinentes nas próximas negociações sobre mudanças climáticas da COP-28 da ONU, na próxima semana./ AP

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.