Bud Light perde o trono de cerveja mais vendida nos EUA; entenda por quê

Vendas caíram cerca de 24% na semana encerrada em 3 de junho; Modelo Especial tornou-se o a mais vendida no país em maio

PUBLICIDADE

Foto do author Redação
Por Redação

A Bud Light não domina mais o mercado cervejeiro americano. A Modelo Especial ultrapassou a marca como a cerveja mais vendida nos Estados Unidos em maio, como resultado de um boicote de meses à Bud Light que reorganizou a indústria cervejeira.

A Modelo representou 8,4% das vendas de cerveja nas lojas de varejo dos EUA nas quatro semanas encerradas em 3 de junho, em comparação com 7,3% da Bud Light, de acordo com uma análise da consultoria Bump Williams com base nos dados da Nielsen.

PUBLICIDADE

As vendas da Bud Light despencaram desde abril, quando o influenciador transgênero Dylan Mulvaney postou uma imagem no Instagram de uma lata personalizada da Bud Light que a marca lhe enviou de presente. A postagem gerou alvoroço, e a resposta da cervejaria Anheuser-Busch InBev ao boicote irritou ainda mais as pessoas.

As vendas da Bud Light caíram cerca de 24% na semana encerrada em 3 de junho em comparação com a mesma semana do ano passado, de acordo com a Bump Williams. Outras marcas da Anheuser-Busch também foram atingidas, incluindo Budweiser e Michelob Ultra.

Budweiser é uma das marcas da AB Inbev, maior empresa cervejeira do mundo Foto: AP Photo / Gene J. Puskar

O declínio contínuo até maio é um sinal sinistro para os distribuidores da Bud Light durante o que eles dizem ser um período decisivo entre o Memorial Day e o 4 de Julho.

A maioria dos distribuidores da Anheuser-Busch é de propriedade independente, muitos deles de famílias que vendem Budweiser há gerações. Alguns distribuidores da Anheuser-Busch disseram que agora estão contemplando demissões. Outros que também carregam marcas Constellation disseram que suas perdas foram parcialmente compensadas pelo aumento da Modelo.

“Nosso ano está ferrado”, disse um distribuidor da Anheuser-Busch que não vende a Modelo.

Publicidade

As vendas totais da Bud Light nos primeiros cinco meses do ano ainda são maiores do que qualquer outra cerveja, disse a empresa. A Anheuser-Busch também continua sendo a maior cervejaria do país. Mas alguns distribuidores da Bud Light disseram na terça-feira que acreditam que a Bud Light pode ser permanentemente destronada.

A Bud Light em 2001 ultrapassou a Budweiser como a cerveja mais vendida do país, de acordo com Benj Steinman, editor da Beer Marketer’s Insights, uma empresa de monitoramento do setor.

Nos últimos anos, as vendas da Bud Light nos Estados Unidos caíram à medida que os consumidores mudaram para cervejas, refrigerantes, vinhos e destilados importados do México.

Enquanto isso, Modelo e Michelob Ultra, uma cerveja de baixa caloria feita pela Anheuser-Busch, vêm ganhando força. Essas duas cervejas estavam a caminho de ultrapassar a Bud Light, mas antes do boicote essa mudança parecia demorar pelo menos um ano.

PUBLICIDADE

A mudança repentina é “importante, e ainda mais se persistir”, disse Steinman.

A cerveja Modelo nos EUA é vendido pela Constellation Brands. A Constellation adquiriu a marca em 2013 da Anheuser-Busch depois que os reguladores dos EUA exigiram que a Anheuser-Busch vendesse os direitos da Modelo Especial e da Corona nos EUA para obter autorização para a aquisição da cervejaria mexicana Grupo Modelo.

Em 2013, a Modelo não estava entre as 10 maiores marcas de cerveja dos Estados Unidos, disse um porta-voz da Constellation. Agora, é a marca líder na Califórnia, bem como em áreas metropolitanas como Chicago, Dallas e Baltimore, disse ele. É um sucesso de vendas entre os consumidores hispânicos e está crescendo em popularidade também entre os consumidores não hispânicos, acrescentou.

Publicidade

Desde o boicote, a Anheuser-Busch acelerou a produção de novos anúncios da Bud Light, com temas como futebol e música country. A cervejaria também disse a seus distribuidores que compraria de volta caixas não vendidas de cerveja que ultrapassaram a data de validade./ Dow Jones Newswires

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.