Publicidade

China: dados de inflação mostram economia estagnada, apesar de leve melhora no comércio

Dados divulgados nesta sexta-mostram que preços dos alimentos caíram 3,2% em setembro; carne de porco desabou 22% na comparação anual

Foto do author Redação
Por Redação

HONG KONG (AP) — A economia da China permanece estagnada, conforme os dados divulgados desta sexta-feira, 13, mostraram, com os preços caindo devido à demanda fraca de consumidores e empresas. Os preços ao consumidor permaneceram estáveis em setembro em comparação com o ano anterior, informou o Escritório Nacional de Estatísticas, enquanto os preços no atacado caíram 2,5%. As exportações e importações também caíram no mês passado devido à queda na demanda nos mercados estrangeiros.

Cafeteria Cotti Coffee na China experimentou um rápido crescimento ao vender a preços baixos, segundo o The New York Times Foto: Gilles Sabrié / The New York Times

PUBLICIDADE

A recuperação vacilante da segunda maior economia do mundo dos impactos da pandemia está prejudicando o crescimento regional e global, embora economistas tenham dito que o pior pode ter passado. O comércio teve uma leve alta em relação ao mês anterior e a indústria está mostrando sinais de melhora. No início desta semana, o Fundo Monetário Internacional (FMI) reduziu as previsões de crescimento para a China, prevendo um crescimento econômico de 5% este ano e 4,2% em 2024, ligeiramente abaixo das previsões de julho. O FMI atribuiu a revisão para baixo à confiança do consumidor mais fraca, demanda global contida e uma crise no setor imobiliário que afetou significativamente a atividade empresarial.

A China deve divulgar os dados de crescimento econômico em 18 de outubro, e os economistas preveem que a economia cresceu a uma taxa anual de 4,4% de julho a setembro, contra 6,3% no trimestre anterior. Os dados desta sexta-feira mostraram que os preços dos alimentos caíram 3,2% em setembro, com o preço da carne de porco caindo 22% em relação ao ano anterior, uma queda mais acentuada do que a de 17,9% em agosto. A inflação core, que exclui os preços de alimentos e energia, subiu 0,8% em relação ao ano anterior, disse o escritório de estatísticas, semelhante a uma alta de 0,8% em agosto.

A recuperação da demanda do consumidor doméstico tem sido muito mais fraca do que o esperado, e a competição excessiva provocou guerras de preços em alguns setores. “Os dados de inflação de setembro nos lembram que, apesar de alguns sinais de fortalecimento nos indicadores de atividade recentemente, a recuperação econômica da China continua desafiada”, disse Robert Carnell, da ING Economics, em um relatório. Prevê-se que a inflação ao consumidor seja de 0,5% para todo o ano de 2023 e aumente para 1% em 2024.

O índice de preços ao produtor da China - que mede os preços que as fábricas cobram dos atacadistas - caiu por um ano inteiro, embora no mês passado tenha contraído mais lentamente do que em agosto. Ainda assim, o setor manufatureiro da China está mostrando alguns sinais de melhora. Uma pesquisa com gerentes de fábrica mostrou a atividade voltando ao crescimento.

As vendas de carros na China subiram 4,7% em setembro em relação ao ano anterior, informou a Associação de Carros de Passageiros da China no início desta semana. As vendas totais de veículos de passeio totalizaram 2,04 milhões de unidades. O crescimento ocorreu antes dos longos feriados de Meio Outono e Dia Nacional na China em outubro. Geralmente é um período de grande movimento para concessionárias de carros, já que as pessoas compram veículos antes das férias nacionais de uma semana.

E o setor imobiliário está lidando com os problemas causados pela repressão ao endividamento pesado pelos incorporadores, o que tem prejudicado muitos construtores de casas. “O mercado imobiliário parece ter se estabilizado recentemente graças à última rodada de medidas de flexibilização, o que poderia impulsionar uma modesta recuperação nas vendas de imóveis e na demanda por hipotecas nos próximos meses”, disse Julian Evans-Pritchard, da Capital Economics, em um comentário na sexta-feira.

Publicidade

O comércio global da China permaneceu fraco em setembro, com tanto as exportações quanto as importações caindo em relação ao mesmo período do ano anterior. As importações e exportações caíram 6,2% em relação ao ano anterior, embora a economia tenha declinado a uma taxa mais lenta em comparação com agosto, após uma série de políticas serem implementadas para apoiar a economia./AP

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.