Publicidade

Como a ajuda da China a país vizinho com infraestrutura e obras está levando a dívidas e angústia

Laos tem dificuldade em reembolsar os bilhões de dólares que pediu emprestados para financiar usinas hidrelétricas, trens e estradas, o que esgotou suas reservas externas

Por Ore Huiying e Shibani Mahtani
Atualização:

VIENTIANE (Laos) - A uma velocidade de quase 160 km/h, o trem fabricado na China atravessa o rio Mekong e percorre dezenas de túneis recentemente escavados, viajando para norte da capital. Na sua última parada, perto da fronteira com a China, novas torres residenciais erguem-se da selva.

A China financiou grande parte da nova e brilhante infraestrutura que transformou este país sem litoral com 7,5 milhões de habitantes. O boom da construção mostra o tipo de modernidade que a China diz poder oferecer ao mundo, nomeadamente a linha férrea de alta velocidade Laos-China que, em um feito de engenharia, transformou uma viagem de dois dias através do país numa elegante viagem de três horas. A linha foi construída por engenheiros chineses de acordo com as normas ferroviárias chinesas, permitindo a ligação à rede de alta velocidade da China.

Trem de alta velocidade que liga a cidade chinesa Kunming com Vientiane, no Laos Foto: hoonsab Thevongsa/File Photo/ REUTERS

PUBLICIDADE

Mas o Laos é também uma economia em apuros. A inflação subiu para mais de 41% no seu pico, na primavera deste ano. O kip laosiano desvalorizou-se mais de 43% em relação ao dólar americano. Em um país onde quase tudo é importado, as estatísticas traduzem-se em sacrifícios: agricultores que já não podem pagar os fertilizantes, crianças que abandonaram a escola para trabalhar e famílias que cortam cuidados de saúde.

A estratégia liderada pela China tinha como objetivo proteger o Laos destes choques - em vez disso, os conduziu a eles. O Laos tem dificuldade em reembolsar os bilhões de dólares que pediu emprestados à China para financiar as usinas hidrelétricas, os trens e as estradas, o que esgotou as reservas externas do país. À medida que os pagamentos se arrastam, a dívida externa aumenta, uma vulnerabilidade exacerbada pela pandemia e pelo aumento dos preços mundiais dos combustíveis e dos alimentos.

Dívida de 65% do PIB

O laboratório de pesquisa AidData de William & Mary, que acompanha os empréstimos da China, calcula que a dívida total do Laos à China durante um período de 18 anos, com início em 2000, é de US$ 12,2 bilhões - cerca de 65% do Produto Interno Bruto. Se acrescentarmos os empréstimos de outras agências e países, a dívida do Laos atinge mais de 120% do PIB, segundo o AidData.

“Não há nenhum país no mundo com uma dívida mais elevada com a China do que o Laos. É um exemplo muito, muito extremo”, disse Brad Parks, diretor executivo da AidData. “O Laos começou a fazer uma onda de empréstimos e perdeu a cabeça.”

Loja de jades localizada em um antigo casino em Boten, Laos. A cidade de Boten, no início dos anos 2000, foi transformada por uma empresa privada sediada em Hong Kong, de um posto remoto na região norte do Laos, em uma cidade em pleno crescimento de cassinos  Foto: Gilles Sabrie/The New York Times

De acordo com grupos de defesa dos direitos humanos e ativistas do país, o Laos teve de fazer concessões, incluindo sobre a sua própria soberania, para apaziguar Pequim e obter alguma tolerância financeira, permitindo que os agentes de segurança e a polícia chineses operem no país, à medida que Pequim estende a sua repressão para além das suas fronteiras. A rede elétrica do Laos é agora parcialmente controlada pela China, no que os analistas acreditam ser uma troca em vez do pagamento da dívida. Uma empresa chinesa assegura a segurança da nova linha ferroviária.

Publicidade

Integração com o Sudeste Asiático

A China também enfrenta escolhas difíceis. Não pode deixar o Laos falhar, uma vez que a estratégia regional de Pequim se baseia no seu sucesso neste país. A linha ferroviária que atravessa o Laos deverá estender-se à Tailândia e à Malásia, e depois a Cingapura, criando uma rede no centro das ambições do líder chinês Xi Jinping. O Laos é também uma das poucas histórias de relativo sucesso para a China, numa altura em que a sua Iniciativa da Nova Rota da Seda está diminuindo ou a sendo reavaliada noutros locais, obrigando Pequim a concentrar-se nos seus objetivos mais estratégicos - entre eles, a integração dos seus vizinhos mais próximos.

“O Laos é o bilhete para estar mais perto” do Sudeste Asiático, disse Toshiro Nishizawa, professor da Universidade de Tóquio, especialista em política econômica e de desenvolvimento, que aconselhou o governo do Laos. Pequim tem sido até agora “muito generosa” ao permitir que o Laos adie os pagamentos, acrescentou Nishizawa, mas não pode adiar o problema indefinidamente.

O perdão da dívida a países como o Laos também abrirá a China a pedidos semelhantes de governos de todo o mundo. Nas últimas duas décadas, Pequim emprestou quase US$ 1 bilhão aos países em desenvolvimento, um montante gigantesco que alterou profundamente a posição da China no mundo. “Estamos agora conhecendo a China como o maior cobrador de dívidas do mundo”, afirma Parks, da AidData,um território desconhecido tanto para os devedores como para a China.

“É um desafio não deixar que isto afete as nossas relações diplomáticas”, afirmou Parks.

PUBLICIDADE

A Embaixada do Laos em Washington não respondeu a um pedido de comentário. Um representante da Companhia de Trens Laos-China remeteu as questões para o Ministério dos Negócios Estrangeiros do Laos, que não respondeu a um pedido de comentário. A Embaixada da China no Laos e o Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês não responderam aos pedidos de comentário enviados por e-mail e fax.

Manifestações de descontentamento

A viagem na nova ferrovia de alta velocidade, construída pela China, de Vientiane, a capital, até Boten, e depois de volta para a tranquila cidade turística de Luang Prabang, revelou um país sem litoral dividido entre o reconhecimento das suas limitações - nenhum progresso teria sido possível sem a China - e uma profunda ansiedade em relação à sua dependência de Pequim.

A população do Laos começou a manifestar um descontentamento sem precedentes na internet, visando a China e o seu próprio governo, o que é raro em um Estado socialista de partido único onde os críticos são perseguidos e até desaparecem. No final de agosto, uma mineradora chinesa deteve cerca de 50 pessoas por escavarem ouro ilegalmente numa zona do norte do Laos onde a empresa detém uma concessão e exigiu um resgate pela sua libertação.

Publicidade

“O Laos está tão endividado com a China que (os chineses) podem vir aqui e apoderar-se das nossas terras”, disse Nin, uma vendedora de legumes e temperos de 23 anos num mercado local de Vientiane, que, tal como outros moradores do Laos, falou sob condição de anonimato ou apenas com o primeiro nome por receio de represálias. As empresas chinesas, segundo ela, podem utilizar os trabalhadores do Laos como bem entenderem.

As sondagens de opinião pública revelam uma notável mudança de sentimento da China em direção a outras nações asiáticas e ocidentais - mais surpreendentemente para os Estados Unidos, que fizeram chover cerca de 270 milhões de bombas de fragmentação sobre o Laos durante uma campanha secreta em paralelo com a Guerra do Vietnã, nas décadas de 1960 e 1970.

Na edição deste ano da pesquisa sobre a situação do Sudeste Asiático, realizado pelo Instituto ISEAS-Yusof Ishak de Cingapura, a maioria dos entrevistados no Laos, quase 60%, afirmou preferir que a região se alinhe com os Estados Unidos em vez da China, o que representa uma forte inversão em relação à pesquisa do ano anterior. Um número crescente de entrevistados, mais de 72%, também indicou estar preocupado com a influência econômica da China.

Quando o Laos se imaginou como a “bateria da Ásia”, na esperança de exportar eletricidade gerada principalmente por energia hidrelétrica, procurou o apoio da China. Chegaram empresas chinesas para construir usinas e infraestrutura de apoio. Outras empresas chinesas vieram em seguida, fazendo investimentos em grande escala na mineração, na agricultura e nas telecomunicações.

Novo tipo de relação

Em 2013, a China tornou-se o maior investidor estrangeiro no Laos, com cerca de US$ 5 bilhões distribuídos por 745 projetos, ultrapassando a Tailândia. A linha férrea de alta velocidade que liga Vientiane, a capital do Laos, à cidade fronteiriça de Boten e depois à província de Yunnan, na China, tornou-se o projeto emblemático desta nova relação, apesar dos avisos dos economistas sobre a dívida que o Laos estava contraindo para a construção. De acordo com um relatório do Banco Asiático de Desenvolvimento, a lógica comercial da ferrovia era também “fraca”, com os custos ultrapassando os benefícios, mesmo que a linha acabasse por ligar à Malásia e a Cingapura.

Setenta e cinco túneis, 167 pontes e US$ 6 bilhões depois, a ferrovia de mão única foi inaugurada em dezembro de 2021. A imprensa estatal chinesa fez um esforço especial para destacar um dos aspectos técnicos mais desafiadores da construção da ferrovia: limpar as munições não detonadas deixadas para trás pelos Estados Unidos durante sua campanha de bombardeio. Um colunista do jornal estatal chinês Global Times declarou mais tarde que “os EUA lançaram bombas no Laos”, enquanto “a China constrói ferrovias”.

Na época da inauguração, Pequim continuava sujeita às restrições impostas pela covid, o que obrigou Xi a fazer uma cerimônia à distância. “Com a ferrovia, a montanha que vai de Kunming a Vientiane deixa de ser alta e a estrada deixa de ser longa”, disse Xi num discurso transmitido por vídeo para uma sala cheia de autoridades do Laos.

Publicidade

O Presidente do Laos, Thongloun Sisoulith, respondeu que o seu país tinha finalmente concretizado o sonho de construir uma ligação ferroviária com o seu poderoso vizinho e mais além. Os serviços transfronteiriços de transporte de passageiros entre o Laos e a China tiveram início em abril. Numa manhã recente, no exterior da estação de Vientiane - uma estrutura mais imponente do que o aeroporto da capital - passageiros visivelmente entusiasmados estenderam seus bastões de selfie para tirar fotos

Presidente do Laos, Thongloun Sisoulith, e o Presidente da China, Xi Jinping, participam remotamente da cerimônia de inauguração do trem de alta velocidade que liga os países  Foto: Phoonsab Thevongsa/REUTERS

No entanto, segundo os analistas, não é o transporte de passageiros que trará benefícios para o Laos, mas sim o transporte de mercadorias - que, até agora, tem viajado em grande parte numa só direção, com as mercadorias exportadas da China entrando no Laos e seguindo depois para a Tailândia. Apenas algumas empresas do Laos têm utilizado a ligação para exportar produtos para a China, e são quase exclusivamente chinesas, dizem os empresários.

“Como empresa australiana, não vimos benefícios”, disse um executivo no Laos, que falou sob condição de anonimato devido à sensibilidade da questão. Apenas as empresas ligadas aos investidores chineses e do Laos no projeto parecem conseguir ter acesso e, sem essas ligações, “é quase impossível utilizar a ferrovia”, acrescentou o executivo.

O governo do Laos disse que espera que a ferrovia, uma joint-venture de 70%-30% entre empresas estatais chinesas e uma empresa do Laos, seja rentável até 2026. Mas a empresa controladora, que não tem outras receitas para além das geradas pela ferrovia, não só tem de ser rentável como também tem de pagar o empréstimo de US$3,54 bilhões que obteve do Banco de Exportação-Importação da China, gerido pelo Estado.

“Se a receita das ferrovia não for suficiente (...) não está claro quem vai salvar a empresa”, disse Parks. “É uma ameaça para o Laos: Eles não sabem se vão ser responsáveis por uma pequena parte desta dívida, por uma grande parte ou por nenhuma.”

Boten, zona econômica especial

A multidão no trem já tinha diminuído quando este entrou na última estação do lado da fronteira do Laos. No início da década de 2000, uma empresa privada sediada em Hong Kong transformou a cidade de Boten, um posto remoto na periferia norte do Laos, num boom de cassinos. Turistas da China, mas também de outras partes do Laos e da vizinha Tailândia, afluíram aos seus clubes noturnos e centros de jogo.

Boten foi designada como uma zona econômica especial com um grande cassino como centro das suas atividades. Construída em grande parte para os visitantes chineses, para quem o jogo é ilegal no seu país, a cidade depressa se transformou numa zona sem lei. O governo chinês, em resposta, cortou os serviços de eletricidade e telecomunicações da área, que vinham da vizinha Yunnan. O cassino foi obrigado a fechar. A decadência instalou-se. A pintura dos edifícios cor-de-rosa e amarelos começou a descascar.

Publicidade

A Iniciativa da Nova Rota da Seda ofereceu a Boten uma nova oportunidade de vida como a primeira parada nos planos de Pequim para integrar econômica e fisicamente os seus vizinhos. A zona econômica especial foi rebatizada de “Boten Cidade Dourada”, a sua alcunha de destino de jogo, para “Boten Terra Bonita”.

A Haicheng Holdings, uma empresa privada de construção civil sediada em Yunnan, começou a construir edifícios residenciais e escolas na cidade, esperando uma onda de migrantes chineses na sequência do esperado boom económico. Os anúncios na sala de exposições da Haicheng apresentam várias fotografias de Xi com funcionários do Laos, chamando Boten de “zona de testes” para aprofundar a cooperação regional.

Fora da sala de espectáculos de mármore, a realidade de Boten tem poucas semelhanças com a cidade-modelo dourada de Haicheng, e o marketing pouco fez para se livrar do seu passado desagradável. A zona é desprovida do tipo de empresários bem preparados e de fábricas que pretendem atrair, ou mesmo de turistas. Em vez disso, os poucos milhares de habitantes de Boten são, na sua esmagadora maioria, trabalhadores chineses que constroem novas torres residenciais e aqueles que trabalham em serviços que os servem - restaurantes chineses, lojas chinesas e bordéis. Guardas de segurança privados com bandeiras chinesas nos coletes à prova de bala policiam a região.

Cidade laosiana, yuans chineses

Praticamente nenhuma loja em Boten é gerida ou de propriedade de pessoas do Laos. Os estabelecimentos comerciais aceitam quase exclusivamente yuan chinês em vez da moeda local. A panela quente fumegante, as carnes grelhadas e os macarrões em sopa vermelha são aqui apresentados em vez de pratos do Laos como o arroz pegajoso e o laab. À noite, as mulheres jovens sentam-se à porta dos bordéis, banhados por luzes de neon púrpura e cor-de-rosa, enquanto os seus gigolôs tentam persuadir os homens chineses que passam à porta a entrar.

Phet, 32 anos, é um dos poucos comerciantes do Laos que restam na área, gerindo uma pequena loja de conveniência que vende lanches e comida do Laos preparada numa pequena cozinha nos fundos. Diz ter visto uma primeira onda de pessoas quando a ferrovia foi aberta, mas desde então o negócio esfriou. O trem tem permitido aos visitantes chineses contornar Boten, indo diretamente para Vientiane ou Luang Prabang e regressando à China.

O mais difícil de tudo: o dono do imóvel de Phet só aceita o aluguel em yuans chineses; com a desvalorização do kip laosiano, o custo de seu negócio disparou.

“Os patrões chineses são muito mais rigorosos do que os patrões laosianos”, afirma. “Não temos capacidade para negociar com eles. Não podemos falar com eles.”

Publicidade

“Corrida entre a economia e meu marido”

Soutchai Phouthivong, 60 anos, conduz um songthaew - um carrinho que funciona como um táxi compartilhado - desde a abertura da Ponte da Amizade lao-tailandesa em 1994, transportando pessoas do posto de controle da imigração perto de Vientiane para os centros comerciais e restaurantes tailandeses em Nong Khai. Os seus principais clientes são os laosianos, sobretudo as famílias de classe baixa que não têm carro.

Segundo ele, o seu rendimento caiu mais da metade este ano.

“Olha, já é quase meio-dia e não há nenhum laosiano por perto”, disse Phouthivong numa quarta-feira recente. “Tenho a sorte de fazer uma ou duas viagens por dia.”

O que antes era uma viagem de rotina para muitos moradores do Laos - procurar tratamento médico, comprar bens que não encontram em casa ou simplesmente desfrutar de um passeio de fim de semana - tornou-se caro demais devido à desvalorização da moeda do Laos e à inflação. Em Vientiane, os preços dos produtos básicos estão subindo. Um vendedor de alimentos de 52 anos disse que as massas triplicaram de preço, passando de um produto básico a um luxo. Sonesavanh, de 46 anos, cujo marido sofre de depressão, voltou-se para a cura budista, pedindo bênçãos aos monges e tentando melhorar a sua sorte reorganizando os móveis, porque o tratamento médico de que necessita na Tailândia é agora impagável.

“É como uma corrida entre a economia e o meu marido, para ver qual deles melhora primeiro”, disse ela.

O descontentamento com a China e com o governo do Laos “fundiu-se nesta altura”, disse Joshua Kurlantzick, membro do Conselho de Relações Externas para o Sudeste Asiático, que escreveu em abril sobre a agitação popular no Laos. “Transformou-se numa raiva generalizada contra a China em geral. Você não vê essa raiva em outros parceiros críticos para o Laos, como Tailândia e Vietnã.

Tiros contra o ativista

Em março de 2022, Anousa Luangsuphom, 25 anos, um ativista conhecido como Jack no Laos, lançou uma página no Facebook chamada “O Poder do Teclado”, utilizando sátiras e memes para criticar o seu governo e o alcance da China no seu país. Também pediu o fim do regime de partido único no Laos.

Publicidade

Em 29 de abril, Jack mudou a sua fotografia de perfil no Facebook para uma com o lema “Lutar pela sobrevivência do Laos, para não nos tornarmos escravos da China”. Depois, passou o seu dia servindo khao piak sen, um prato de sopa com massa do Laos, no restaurante onde trabalhava, antes de se encontrar com amigos num café e num bar. Nessa noite, um homem entrou no bar e perguntou, em poucas palavras, se Jack estava por perto. Saiu por breves instantes, antes de regressar e disparar sobre a cara e o peito de Jack.

“Não sabia o que me tinha acontecido”, disse Jack numa entrevista, a sua primeira desde o ataque. “Apenas ouvi pessoas a chamar pelo meu nome.”

Jack foi inicialmente tratado num hospital público do Laos, antes de a Fundação Manushya, um grupo de defesa dos direitos humanos, organizar a sua retirada. Médicos fora do Laos trabalharam para reconstruir o seu maxilar, mas previram que não recuperaria a fala antes de um ano.

Agora, num local seguro, Jack está reaprendendo funções básicas. Tem dificuldade em mastigar e, embora consiga falar, tem dificuldade em articular as palavras. É habitual tocar na cicatriz em forma de círculo à direita dos lábios, onde a bala entrou na bochecha. Jack não sabe quem o alvejou; também não pôde ver o vídeo do tiroteio, que foi amplamente partilhado nas redes sociais do Laos. Tudo o que sabe é que, no dia em que foi alvejado, tinha publicado um post sobre aquilo a que chamou o monopólio da China sobre o Laos, que descreveu numa entrevista como equivalente a uma “invasão”.

Jack está tentando reconstruir a sua vida, ajudando os ativistas a melhorar os seus conhecimentos das redes sociais enquanto espera por mais cirurgias para corrigir o maxilar e recuperar totalmente a fala. Mas Jack deixou de dizer qualquer crítica na internet sobre o governo chinês ou sobre projetos ligados à China no Laos. Nos meses que se seguiram à sua tentativa de assassinato, dois dissidentes chineses - o ativista da liberdade de expressão Yang Zewei, também conhecido por Qiao Xinxin, e o proeminente advogado de direitos humanos Lu Siwei - foram detidos no Laos. Yang reapareceu mais de dois meses depois num centro de detenção chinês e foi acusado de “subversão do poder do Estado”. Lu foi deportado para a China em meados de setembro, apesar da pressão dos governos ocidentais e das Nações Unidas para o libertar e permitir que viajasse para os Estados Unidos, onde a sua mulher e filha se instalaram no ano passado. Lu tinha um visto americano. Numa declaração de 11 de outubro, o Departamento de Estado condenou o “repatriamento forçado” de Lu, que disse ter sido feito a pedido das autoridades chinesas.

O receio de Jack agora é que o crescente policiamento transnacional da China o apanhe também.

“Não percebi que falar sobre a China me levaria quase a ser morto”, disse Jack. “Não sabia que falar sobre a China era mais perigoso do que falar sobre o governo do Laos.”/WP

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.