EXCLUSIVO PARA ASSINANTES
Foto do(a) coluna

Bastidores do mundo dos negócios

Caixa eleva juro do crédito imobiliário, vitrine do governo Bolsonaro

PUBLICIDADE

Foto do author Circe Bonatelli
Foto do author Matheus Piovesana
Por Circe Bonatelli (Broadcast) e Matheus Piovesana (Broadcast)
Atualização:
Atuação da Caixa na implementação de medidas para habitação tem sido aprovada pelo setor. Foto: Daniel Teixeira/Estadao

Após segurar as taxas de juros do financiamento imobiliário pela maior parte do ano, mesmo com a decaída da economia brasileira, a Caixa Econômica Federal, enfim, subiu o sarrafo. O intervalo da taxa cobrada da linha corrigida pela Taxa Referencial (TR) - que representa a grande maioria dos empréstimos - aumentou da faixa de 7% a 8% ao ano para 8% a 8,99% ao ano. Considerando o ponto médio da taxa, a prestação de um financiamento de R$ 300 mil aumentará de R$ 2.646,81 para R$ 2.879,78. A nova taxa da linha corrigida pela TR entrou em vigor dia 23 de novembro e aparece no site da Caixa. A página não informa, no entanto, que os reajustes aconteceram, nem traz comparativos. Os dados anteriores foram coletados pela reportagem em outubro junto à assessoria de imprensa do banco.

PUBLICIDADE

Demais modalidades

A linha de crédito imobiliário corrigida pela Poupança continua com taxas a partir de 2,95%. Em outras linhas, houve reajustes nos últimos meses. No caso da linha atrelada ao IPCA, houve um pequeno aumento no piso, subindo de 3,55% a 4,95% para 3,95% a 4,95% ao ano. A modalidade de financiamento com taxa fixa foi a que mais avançou, saindo de 8,25% a 9,75% para 9,75% a 10,75% ao ano.

Vitrine

O crédito para o mercado imobiliário tem sido uma das principais vitrines do governo de Jair Bolsonaro. Foi na sua gestão, por exemplo, que a Caixa lançou as linhas corrigidas por IPCA e Poupança - um pleito antigo dos incorporadores.

Publicidade

Apesar da disparada dos juros futuros neste ano, o presidente do banco estatal, Pedro Guimarães, repetiu várias vezes que não subiria os juros do crédito imobiliário.

Já nas últimas semanas, com a piora do ambiente econômico, Guimarães foi forçado a ajustar o discurso. Ele passou a declarar que o banco não poderia deixar de repassar o aumento dos juros, mas ponderou que não tem repassado todo o aumento, a fim de ganhar mercado. Em evento nesta semana, Guimarães afirmou que, no que depender da Caixa, não vai faltar crédito, e que o crescimento no ano que vem deve ser da ordem de 10%.

Os outros grandes bancos brasileiros - Bradesco, Itaú e Santander - subiram as taxas duas vezes neste semestre.

 

Esta nota foi publicada no Broadcast+ no dia 02/12/21, às 11h49.

O Broadcast+ é uma plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Publicidade

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse.

Contato: colunabroadcast@estadao.com

Siga a @colunadobroad no Twitter

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.