EXCLUSIVO PARA ASSINANTES
Foto do(a) coluna

Bastidores do mundo dos negócios

Captações externas começam ano com força, mas Brasil ainda está de fora

Mais de 15 operações de empresas e governos foram anunciadas neste início de ano

PUBLICIDADE

Foto do author Altamiro Silva Junior
Por Altamiro Silva Junior (Broadcast)
Atualização:
Captações externas movimentam o mercado. REUTERS/Jeenah Moon/File Photo/File Photo Foto: REUTERS / REUTERS

O mercado internacional de dívida começou o ano agitado, com uma série de captações de empresas e governos, de países emergentes e desenvolvidos. O México fez a primeira operação do ano, e conseguiu fazer a maior emissão de títulos (bonds) de sua história, de US$ 7,5 bilhões, em uma captação que teve US$ 20 bilhões em ordens de investidores internacionais, segundo fontes, atraídos pela boa reputação fiscal do país e o fato de a economia mexicana, ao contrário do Brasil, ser classificada como boa pagadora, ou seja, está no seleto grupo de grau de investimento.

PUBLICIDADE

Até esta segunda-feira, já foram anunciadas mais de 15 emissões de empresas e governos. A que está gerando mais repercussão é uma emissão externa da Arábia Saudita, em dólar, que até o começo da tarde tinha demanda superior a US$ 20 bilhões. Uma das tranches terá prazo de 30 anos, assim como os papéis do México.

Na primeira semana de 2024, governos da Indonésia, Coreia do Sul, Polônia e Eslovênia foram ao mercado de dívida, assim como empresas, incluindo duas da América Latina, o Banco de Crédito del Peru, e a empresa mexicana de alimentos Bimbo, todos com forte demanda. Esta última captou US$ 1,250 bilhão esta semana, com ordens de compra que superaram US$ 7 bilhões. Mas o Brasil ainda não apareceu no mercado. Há rumores de que o Tesouro poderia voltar a emitir, após fazer em novembro uma oferta de US$ 2 bilhões em bônus verdes.

Empresas brasileiras estão sondando interesse do investidor

Nos bancos de investimentos, executivos comentam que algumas empresas brasileiras estão fazendo sondagens com investidores, muitas delas nomes já conhecidos no mercado internacional de dívida, mas que estavam ausentes há algum tempo, por causa dos juros altos, e podem captar recursos lá fora em breve, seja para pagamento de dívidas ou para reforçar o caixa.

Demanda de investidor internacional por papel do Brasil existe, garante um executivo de um banco americano. No ano passado, o ambiente estava mais hostil para captações no começo do ano, pois o banco central americano ainda subia juros. Agora, a discussão é de queda. Hoje, o Bank of America manteve a previsão de que o primeiro corte de juros depois do longo aperto deve vir em março.

Publicidade

Este texto foi publicado no Broadcast no dia 08/01/24, às 12h39

O Broadcast+ é uma plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse.

Tudo Sobre
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.