EXCLUSIVO PARA ASSINANTES
Foto do(a) coluna

Bastidores do mundo dos negócios

Suzano, Movida, B3 e Rumo captam US$ 2 bi com ESG, mas têm demanda para quase US$ 10 bi

PUBLICIDADE

Foto do author Cynthia Decloedt
Por Cynthia Decloedt
Atualização:
Maior parte das metas acertadas está relacionada ao meio ambiente Foto: L Adolfo/Estadão

Está cada vez mais claro que o espaço para a oferta de investimentos com compromissos de sustentabilidade é enorme. Em setembro, segunda temporada mais importante no mercado de dívida externa, quatro, das cinco captações feitas por empresas brasileiras, foi por meio de emissão de títulos de dívida (bonds) com compromissos ligados ao ESG (sigla para boas práticas ambientais, sociais e de governança). A demanda de investidores por esses papéis foi de quase cinco vezes em relação ao volume oferecido pelas companhias.

PUBLICIDADE

Suzano, Movida, B3 e Rumo levantaram juntas US$ 2 bilhões desde o início de setembro, com a promessa de cumprir metas relacionadas à redução de emissão de gás efeito estufa e à diversidade. O volume de interessados nos papéis atingiu US$ 9,4 bilhões ou 4,7 vezes o emitido.

Embora a maior parte das metas esteja ligada ao meio ambiente, os compromissos sociais começam a aparecer em duas captações da Suzano, inclusive na feita no início do mês, de US$ 500 milhões, e na da B3, realizada nesta quarta-feira. Nas duas, a proposta é aumentar o número de mulheres em cargos de liderança. A B3 levantou US$ 700 milhões prometendo elevar de 27% para 35% o comando feminino e ainda criar até 2024 um índice de diversidade, referência para investidores que buscam empresas com essa prioridade.

 

Esta nota foi publicada no Broadcast+ no dia 15/09/2021 às 18h23.

Broadcast+ é a plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Publicidade

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse

Contato: colunabroadcast@estadao.com

Siga a @colunadobroad no Twitter

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.