EXCLUSIVO PARA ASSINANTES
Foto do(a) coluna

Bastidores do mundo dos negócios

‘É legado e desafio repetir o que meu pai fez’, diz novo presidente da Multiplan

Companhia foi fundada em 1975 e presidida desde então por José Isaac Peres. Hoje é uma das maiores do setor de shoppings

PUBLICIDADE

Foto do author Circe Bonatelli
Por Circe Bonatelli (Broadcast)
Novo presidente da Multiplan, Eduardo Peres, 52 anos, começou como estagiário, aos 18. No período, companhia foi de 5 para 20 shoppings.  Foto: PEDRO KIRILOS / ESTADÃO

Uma das mais antigas empresas de shoppings do Brasil acaba de trocar o comando pela primeira vez. A Multiplan, fundada em 1975 e presidida desde então por José Isaac Peres, de 82 anos, terá agora o filho, Eduardo Peres, 52, como comandante. Peres pai ficará no conselho de administração. O novo presidente executivo ingressou como estagiário na Multiplan aos 18 anos e passou por todas as áreas antes de assumir o comando. Ele admite que as comparações com o pai - a maior referência do empresariado brasileiro no setor - são naturais, mas não um peso. “É um legado e um desafio repetir o que meu pai fez. Mas aqui não há um clima de competição”, afirma à Coluna do Broadcast.

PUBLICIDADE

Desde que entrou no grupo, Eduardo viu a Multiplan crescer de 5 para um total de 20 shoppings. Além de inaugurações, a companhia também expandiu a área das unidades e fez aquisições. Na visão do filho, isso foi fruto de um trabalho conjunto. “Quando entrei na Multiplan, eu tinha 18 anos, e ele, 48. Então, o que está aqui é produto meu e dele”, ressalta.

Para 2023, há um sentimento de que o consumo continuará forte dentro dos shoppings, o que representa oportunidades. Segundo o novo presidente, há expansões em estudo, com boas chances de novos projetos serem anunciados ainda neste ano. Ao ser perguntado sobre a crise da Americanas, Eduardo diz que foi uma surpresa, mas descarta a avaliação de que há uma onda negativa se formando entre as grandes varejistas. “Não vejo isso acontecendo nas outras lojas que compõem nosso portfólio”.

Leia abaixo a entrevista:

Broadcast: Como o senhor se sente na presidência da Multiplan? Eduardo Peres: É um legado e um desafio repetir o que meu pai fez. Mas aqui não há um clima de competição. Uma das coisas boas que o Multiplan tem é o clima amigável. Todo mundo é soldado brigando dentro do mesmo exército.

Publicidade

Broadcast: Como foi a sua trajetória na empresa?

Peres: Comecei em 1988, há 34 anos. Eu tinha 18 anos e era estagiário. Passei por todas as áreas: engenharia, economia, administração, finanças, outras. Eu fiz faculdade de Administração, mas nem sempre deu para conciliar tudo. Minha grande formação foi a Multiplan.

Broadcast: Teve o peso de ser visto como o filho do dono?

Peres: Isso naturalmente acontece, ainda mais se tratando de uma pessoa tão vitoriosa quanto o meu pai. Imagina um jogador de futebol que é filho de um grande atleta. A comparação acontece. Mas eu não tive isso como um peso. Eu consegui conviver com ele. Quando entrei na Multiplan, eu tinha 18 anos, e ele, 48. Hoje tenho 52 e ele, 82. Então, o que está aqui é produto meu e dele. Houve muito atrito ao longo desse tempo? Sim, é natural. Quando a gente é novo, às vezes, se tem umas ideias impetuosas que não dão certo.

Broadcast: O que vai mudar na Multiplan sob a sua gestão?

Publicidade

Peres: A intenção do meu pai foi passar a presidência para alguém que ela tenha a segurança que continuará fazendo as coisas da mesma forma, com a mesma lisura e transparência. Sem contar que ele não vai parar, estará sempre aqui. O hobby dele é trabalhar. E temos muito a crescer e a acrescentar ao Brasil. A empresa pode se desenvolver ainda mais.

Broadcast: Após a sua chegada à presidência vão ter mudanças na direção?

Peres: O desafio é preparar uma nova geração de executivos para a empresa durar os próximos 50 anos. Por agora, vamos trazer apenas pessoa para a vice-presidência de operações, que eu ocupava, e não deve ter outras mudanças mais.

Broadcast: Quais as suas expectativas para o setor de shoppings em 2023?

Peres: Ano passado foi excelente, com recordes de vendas e de tráfego de visitantes. Este ano será tão bom quanto o ano passado. Tanto é que já abrimos janeiro com resultados muito avançado de vendas. Estou otimista e acredito que o consumo seguirá forte apesar da taxa de juros alta.

Publicidade

Broadcast: Como?

Peres: Não sou economista, mas ando em vários lugares e observo o hábito das pessoas. Na pandemia, todo mundo teve proximidade com o tema da morte. As pessoas agora querem viver. E viver demanda gastar e consumir. Às vezes, o instrumento financeiro de alta de juros não funciona [para inibir o consumo]. Nos Estados Unidos, por exemplo, subiram juros duas vezes e o consumo seguiu forte.

Broadcast: De que maneira a Multiplan pretende aproveitar essa expectativa de continuidade do consumo?

Peres: De bate pronto, temos duas expansões de shoppings. As unidades de Curitiba e Belo Horizonte já estão com obras em andamento e os novos espaços sendo comercializados. E vemos oportunidade de crescer em outros empreendimentos, como os de Jundiaí e de Maceió. Vamos estudar. É bem possível que anunciemos outras expansões este ano.

Broadcast: Estão com apetite para aquisições?

Publicidade

Peres: Nunca deixamos de estudar nenhuma. À medida em que aparecem, olhamos. É mais desafiador, pois tem carrego de juros alto. Mas não é impossível.

Broadcast: A recuperação judicial da Americanas e a reestruturação de dívidas por parte da Marisa são situações que apontam para o risco de problemas financeiros graves em outras grandes varejistas?

Peres: Não acredito nisso. Até me surpreendi com as Americanas, que tinham crescimento de vendas e passaram por reorganização societária. Temos boas relações com eles há anos. E nenhum aluguel atrasado. No caso de Marisa, não temos exposição alguma pois a rede não tem lojas com a gente. E também não vejo isso [proliferação de casos de reestruturação] acontecendo nas outras lojas que compõe nosso portfólio.

Broadcast: Como vê os shoppings daqui 10 anos, quando o comércio eletrônico e os meios digitais estiverem ainda mais avançados?

Peres: Os shoppings não vão deixar de existir nunca porque eles são centros de encontro. Vejo a atitude dos meus filhos, por exemplo. Eles se conhecem pela mídia social, mas não abrem mão de se encontrar pessoalmente. Muitas vezes o shopping faz a função das antigas praças. No futuro, os shoppings podem ter mais serviços e gastronomia, mas sempre serão centros de encontro, lazer e também de compras.

Publicidade

Este texto foi publicado no Broadcast no dia 10/02/2023, às 14h28

O Broadcast+ é uma plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.