PUBLICIDADE

EXCLUSIVO PARA ASSINANTES
Foto do(a) coluna

Bastidores do mundo dos negócios

J&F conversa com bancos para articular proposta para comprar Braskem

Petroquímica é disputada pela Unipar, pela petroleira Adnoc e pelo fundo Apollo. Petrobras também pode entrar na briga

Foto do author Cynthia Decloedt
Foto do author Altamiro Silva Junior
Por Cynthia Decloedt (Broadcast) e Altamiro Silva Junior (Broadcast)
Interesse da J&F em investir em petroquímica é conhecido desde o ano passado Foto: AMANDA PEROBELLI / REUTERS

A J&F, holding dos irmãos Batista dona da JBS, já está em conversas com bancos para articular uma proposta pela Braskem e concorrer com o fundo norte-americano Apollo, a petroleira de Abu Dabhi Adnoc e a brasileira Unipar na briga pela petroquímica. Um grupo de cinco grandes bancos têm ações da Braskem em suas mãos, que foram dadas em garantia por empréstimos concedidos à Novonor (ex-Odebrecht e em recuperação judicial).

O interesse da J&F na petroquímica é conhecido desde o ano passado e se trata de uma compradora potencial de relevância, pela capacidade financeira do grupo. Mas Apollo e Adnoc não ficam atrás. A petroleira árabe é uma das maiores do mundo e a Apollo tem experiência na gestão petroquímica, pois no passado teve participação relevante na LyondellBasell. A petroquímica Unipar está totalmente desalavancada, ou seja, sem dívidas, mas é um concorrente menor, com uma receita bastante inferior à da Braskem.

Compra da Braskem ajudaria a diversificar negócios da J&F, dona da JBS

PUBLICIDADE

“A J&F está no jogo”, disse um banco credor. Alguns interlocutores do mercado lembram que a JBS, o principal negócio da J&F, já é muito robusta e não tem mais como crescer exponencialmente em proteínas. Por isso, diversificar é uma estratégia interessante.

Bradesco, Itaú Unibanco, Santander, Banco do Brasil e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) querem recuperar o máximo possível dos cerca de R$ 15 bilhões que a Nonovor deve a eles com essa venda. Por isso, a melhor oferta envolve além de um menor desconto, a solidez financeira do futuro dono da Braskem, já que qualquer um deles será financiado pelos próprios bancos credores.

Tanto a proposta da Apollo/Adnoc, quanto a da Unipar preveem que parte da dívida dos bancos será trocada por uma nova. Entra na análise ainda a capacidade de articulação com o governo, já que o entendimento maior é de que a Petrobras deve, no mínimo, manter a sua fatia atual e não exercer o direito de compra da participação da Nononor.

Publicidade

Conversas com Lula, Haddad e representantes da Petrobras

A gestora norte-americana e os árabes têm feito interlocuções com peças-chave do atual governo, a começar pelo presidente Lula, passando pela Petrobras e pelo ministro da Fazenda, Fernando Haddad.

A venda da Braskem se arrasta desde 2019, mas para fontes envolvidas nas conversas, agora pode sair de fato. “Neste momento, o negócio tem tração e todas as partes querem resolver, bem diferente de 2019″, disse um interlocutor, citando que é preciso uma negociação com bancos públicos, privados, com o governo e com a família Odebrecht, o que exige capacidade de articulação. Para este executivo, a Petrobras não é compradora da empresa, pois o setor seria novamente estatizado.

O sócio fundador da MaxiQuim, João Luiz Zuñeda, diz que a Petrobras tem um papel muito importante nesta equação, uma vez que ajudou a consolidar a petroquímica para chegar a seu tamanho atual. “Tem ainda uma questão econômica e, sendo a Petrobras uma estatal, sempre há a possibilidade de ter um componente político nesta decisão”, disse. Procuradas, as empresas não comentaram.

Esta nota foi publicada no Broadcast no dia 15/06/23, às 18h50.

O Broadcast+ é uma plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Publicidade

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse.

Contato: colunabroadcast@estadao.com