PUBLICIDADE

EXCLUSIVO PARA ASSINANTES
Foto do(a) coluna

Notícias do mundo do agronegócio

Phibro quer expandir no Brasil negócio de vacinas para setor de piscicultura

Companhia também quer entrar com vacinas customizadas para aves, um dos setores mais avançados em termos sanitários

Foto do author Coluna  Broadcast Agro
Por Coluna Broadcast Agro
Atualização:

A Phibro Saúde Animal, empresa com atuação global em saúde e nutrição animal, entrará neste ano no mercado brasileiro de vacinas autógenas para piscicultura. Vacinas autógenas são compostos desenvolvidos para prevenir problemas sanitários de um plantel ou propriedade. Maurício Graziani, country manager no País, diz que a ideia é usar a estrutura e a expertise já adquiridas em suinocultura para obter produtos customizados conforme a necessidade do plantel. O mercado de peixes, segundo a Associação Brasileira da Piscicultura, faturou mais de R$ 9,7 bi em 2023. “Com a intensificação da produção, novas doenças surgem”, diz Graziani. “Já iniciamos conversas com potenciais clientes para produzir vacinas para tilápias.”

Experiência internacional

Com base na experiência adquirida nos EUA e em Israel, a Phibro inaugurou em 2023 em Guarulhos (SP) um laboratório de diagnóstico e uma unidade de fabricação de vacinas inicialmente voltadas para doenças de suínos. O investimento foi de US$ 7 milhões.

Vacinas customizadas para plantéis de tilápias estão no foco da Phibro no Brasil e conversas já foram iniciadas com criadores  Foto: Roosevelt Cássio/AE

Próximo passo é a avicultura

A Phibro do Brasil também quer entrar com vacinas customizadas para aves, um dos setores mais avançados em termos sanitários, diz Graziani. “Percebemos que há espaço para fazermos algo no mesmo nível de nossos demais produtos.” A Phibro Animal Health Corporation teve receita líquida de US$ 977,9 milhões em 2023

Agro tropical

A John Deere, uma das líderes em máquinas agrícolas, prevê aumentar a fatia de mercado no Brasil mesmo em ano de preços baixos dos grãos, o que reduz a rentabilidade do produtor. “Se a indústria diminui eu quero um pedaço maior dela, para não reduzir tanto em atividade”, diz Marcelo Lopes, diretor de vendas do País. Ele estima que a venda de máquinas agrícolas cairá de 5% a 10% no Brasil em 2024, ante previsão de 15% da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq).

Aporte

Lopes conta que “centenas de milhões de dólares” estão sendo aplicados desde 2023 na construção do Centro de Desenvolvimento de Tecnologia em Indaiatuba (SP), anunciado em novembro, na expansão do centro de distribuição de peças de Campinas (SP) e na ampliação e modernização das fábricas de Catalão (GO), Horizontina (RS), Monte Negro (RS) e Canoas (RS). O projeto inclui parcerias com a SpaceX para fornecimento de conectividade via satélite, utilizando a rede Starlink, e com a Claro e a startup SOL, para cobertura de internet.

Publicidade

Oportunidade

A Binatural, produtora de biodiesel em Goiás e na Bahia, prepara para este ano um plano de expansão até 2030. A estratégia será delineada diante da perspectiva de aprovação, pelo Senado, do Projeto de Lei do Combustível do Futuro, que estabelece o aumento da mistura do biodiesel ao diesel para 20% até aquele ano. A empresa tem capacidade para produzir 600 milhões de litros por ano.

In loco

Países árabes têm interesse em se transformar em hubs de produtos agropecuários brasileiros para facilitar o comércio na região. “Marrocos, Arábia Saudita e Dubai, nos Emirados Árabes, têm potencial para receber investimentos e servirem como focos para distribuição na Liga Árabe”, diz Tamer Mansour, secretário-geral da Câmara de Comércio Árabe-Brasileira. Empresas brasileiras já olham possíveis aportes conjuntos neste sentido, justamente em momento que exige diminuir riscos do fluxo das cargas no Mar Vermelho.

Ninguém de fora

Produtores de cana se articulam para defender as pautas do setor em Brasília. O pontapé para isso foi evento da Organização de Associações de Produtores de Cana do Brasil (Orplana) na capital federal na última semana, que reuniu integrantes do governo e do Legislativo. “Queremos participar de políticas públicas, como o Renovabio, que hoje inclui só a indústria”, diz José Guilherme Nogueira, CEO da Orplana. Produtores independentes fornecem 40% da safra de cana no País.

Giro

Revisão das regras do Proagro acendeu alerta do setor produtivo Foto: Joao Paulo Santos/Estadão

PUBLICIDADE

Setor produtivo está atento às mudanças do Proagro

A revisão das regras do Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) acendeu alerta do setor produtivo. Entidades temem que uma faixa de produtores com faturamento entre R$ 270 mil e R$ 330 mil por ano agrícola fiquem sem cobertura de risco. O programa é uma espécie de seguro rural voltado aos pequenos produtores, subvencionado pelo Tesouro.

Publicidade

Vem aí

Programa para reforma agrária será anunciado

O governo federal vai lançar hoje o Programa Terra da Gente, para acelerar o assentamento de famílias. O anúncio é uma promessa feita em 2023 pelo presidente Lula, que quer uma “prateleira de terras” improdutivas e devolutas para destinar à reforma agrária e à demarcação para quilombolas. / VINICIUS GALERA, AUDRYN KAROLYNE e e ISADORA DUARTE

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.