PUBLICIDADE

Publicidade

Como o Japão está tentando reconstruir sua indústria de chips

A gigante de semicondutores de Taiwan, a TSMC, está transformando rapidamente uma cidade agrícola no Japão no próximo centro de fabricação de chips da Ásia, com enorme apoio do governo

Por Meaghan Tobin (The New York Times), Hisako Ueno (The New York Times) e John Liu

A Taiwan Semiconductor Manufacturing Company (TSMC) está transformando a pequena cidade agrícola japonesa de Kikuyo em um elo importante na cadeia de fornecimento de chips da Ásia.

PUBLICIDADE

A TSMC, como a empresa é conhecida, domina o negócio global de semicondutores. Em sua base em Taiwan, a TSMC fica no centro de uma rede de fábricas, fornecedores e empresas de engenharia. Agora, essa mesma infraestrutura, apoiada por bilhões de dólares do governo japonês, está sendo construída a cerca de 750 milhas (1.207 km) de distância, nos pastos de vacas e campos de repolho de Kikuyo, no sudoeste do Japão.

Em fevereiro, a TSMC abriu uma fábrica, conhecida como “fab” de chips, em um cume com vista para Kikuyo. Foi sua primeira fábrica fora de Taiwan desde 2018.

A Taiwan Semiconductor Manufacturing Company abriu uma fábrica com vista para Kikuyo, no Japão, em fevereiro - a primeira fora de Taiwan desde 2018 Foto: Noriko Hayashi/NYT

A área ao redor da fábrica já está ocupada com funcionários e fornecedores da TSMC. Empresas químicas e fabricantes de equipamentos estão competindo por uma parte da economia de semicondutores. As gigantes japonesas da eletrônica Sony, Denso e Toyota, grandes compradoras de semicondutores da TSMC, estão investindo grandes somas na subsidiária japonesa da TSMC.

Nas margens das estradas, nos shopping centers e nos hotéis, placas com caracteres chineses tradicionais oferecem serviços para os recém-chegados: agentes imobiliários, advogados e restaurantes. A população estrangeira da cidade dobrou no último ano.

A cidade-fábrica de alta tecnologia que está sendo construída em Kikuyo é uma evidência da agitação no setor de semicondutores. Durante anos, a cadeia de suprimentos para os minúsculos chips dentro de smartphones, carros e jatos de combate dependia em grande parte de apenas algumas fábricas em Taiwan, que a China reivindica como parte de seu território. Então, a pandemia da covid-19, a postura cada vez mais hostil de Pequim em relação a Taiwan e a escassez global de chips expuseram os riscos dessa produção concentrada.

Em resposta, os governos se comprometeram a gastar bilhões para levar a fabricação de chips para suas fronteiras. Nos últimos quatro anos, a TSMC se comprometeu a construir novas fábricas nos Estados Unidos, no Japão e na Alemanha.

Publicidade

A fábrica da TSMC está transformando Kikuyo, uma pequena cidade agrícola japonesa, em um nó importante na cadeia de fornecimento de chips da Ásia Foto: Noriko Hayashi/NYT
Milhares de trabalhadores trabalharam sem parar nos últimos meses para construir a fábrica da TSMC e prepará-la para a produção Foto: Noriko Hayashi/NYT
Trabalhadores em uma pausa para o almoço na fábrica Foto: Noriko Hayashi/NYT

Na segunda-feira, o Departamento de Comércio dos EUA anunciou até US$ 6,6 bilhões em subsídios para a TSMC, que a empresa usará para construir uma terceira fábrica em Phoenix, além das duas instalações que já se comprometeu a construir lá, disseram autoridades federais.

As fábricas americanas da TSMC sofreram vários atrasos. E, embora a construção da primeira fábrica tenha começado um ano depois, a fábrica no Japão já está funcionando e estará totalmente operacional até o final do ano.

O Japão, que já foi uma potência na fabricação de chips, destinou US$ 26 bilhões para revitalizar o setor, com ênfase nos chips usados em carros. Cerca de um terço desse dinheiro foi destinado às operações da TSMC. Os planos do Japão para desenvolver o setor de chips e a cadeia de suprimentos exigirão dezenas de bilhões de dólares em investimentos públicos e privados adicionais. As empresas precisarão de um aumento de trabalhadores com as habilidades certas e precisarão de moradia.

“Todos puderam ver o apoio do governo a todo o ecossistema, especialmente à cadeia de suprimentos, incluindo fábricas, construção, transporte e aeroportos”, disse Ray Yang, diretor do Industrial Technology Research Institute, um grupo patrocinado pelo governo de Taiwan que apoia empresas de tecnologia, incluindo a TSMC, em seus estágios iniciais. Esse impulso de cima para baixo para estabelecer com eficiência toda a cadeia de suprimentos foi indispensável, disse Yang.

Estação de trem Haramizu em Kikuyo Foto: Noriko Hayashi/NYT

PUBLICIDADE

Na hora do rush em Kikuyo, em um dia do mês passado, a plataforma de trem da outrora adormecida estação Haramizu estava lotada de trabalhadores de fornecedores da TSMC, como a Applied Materials e a Tokyo Electron. Alguns carregavam capacetes de proteção em mochilas de plástico transparente enquanto esperavam o trem para Kumamoto, a cidade grande mais próxima.

Ryuji Yamamoto foi enviado a Taiwan para um treinamento de seis meses no ano passado e agora trabalha em turnos de 12 horas na fábrica da TSMC em Kikuyo. “No início, achei difícil me acostumar com as longas horas”, disse ele. “Mas a velocidade é a chave no setor de semicondutores.”

Nos últimos meses, milhares de trabalhadores trabalharam sem parar em Kikuyo para construir a fábrica da TSMC e preparar as máquinas e os materiais para a fabricação de chips.

Publicidade

Em fevereiro, quando a fábrica abriu suas portas, antes do previsto, o governo disse que investiria outros US$ 4,85 bilhões em uma segunda fábrica.

A Sony, que fabrica em Kikuyo há mais de 20 anos, ajudou as autoridades locais a atrair a TSMC para lá, de acordo com Takatoshi Yoshimoto, prefeito da cidade.

A TSMC trouxe cerca de 400 trabalhadores de Taiwan e está pagando salários cerca de 30% mais altos do que os de outras fábricas da região, o que levou outras empresas a aumentar os salários. No escritório da cidade de Kikuyo, panfletos com dezenas de anúncios classificados pedem pessoas para trabalhar em fábricas de semicondutores ou com seus fornecedores.

Em Taiwan, onde a TSMC construiu 15 fábricas ao longo de 37 anos, a empresa conta com uma rede estabelecida de fornecedores, empresas de construção e trabalhadores qualificados. Ela constrói uma nova fábrica a cada poucos anos para produzir chips cada vez menores e mais rápidos.

Os analistas disseram que a experiência da TSMC no Japão mostrou que a empresa poderia recriar esse ritmo fora de Taiwan, embora tenha tido dificuldades para fazê-lo no Arizona.

A fábrica da TSMC em Phoenix está em construção desde abril de 2021. No ano seguinte, a empresa disse que também construiria outra, elevando seu compromisso para US$ 40 bilhões. A primeira está programada para começar a produção em massa no próximo ano e a segunda em 2027 ou 2028.

Uma aula de japonês em um centro comunitário em Kikuyo Foto: Noriko Hayashi/NYT

“Apesar de termos enfrentado alguns desafios no Arizona para a construção de nossa primeira fábrica, ainda somos a empresa mais rápida, desde a abertura de terra até a entrada dos equipamentos”, disse Mark Liu, presidente da TSMC, em um comunicado. “Acreditamos que a construção de nossa segunda fábrica será muito mais tranquila.”

Publicidade

A empresa disse que um dos desafios tem sido a escassez de trabalhadores qualificados. Os sindicatos se opuseram ao fato de a TSMC trazer trabalhadores estrangeiros para trabalhos que, segundo eles, os locais poderiam realizar, dando início a meses de negociações.

Muitas das empresas que forneceram produtos químicos e materiais para a TSMC durante anos estão em Taiwan. Para várias delas, os planos de se estabelecerem no Arizona estavam suspensos.

“Como a empresa anunciou atrasos, os fornecedores não têm certeza de quanto tempo a TSMC levará para acelerar o processo”, disse Lita Shon-Roy, CEO da Techcet, uma consultora de materiais para chips.

Uma casa modelo em Kumamoto, a cidade grande mais próxima Foto: Noriko Hayashi/NYT
Membros da Junior Chamber International Kumamoto deram as boas-vindas aos convidados taiwaneses em uma recepção em um restaurante de Kumamoto Foto: Noriko Hayashi/NYT

Independentemente do resultado dos empreendimentos estrangeiros da TSMC, a empresa manterá sua produção mais avançada no país, disse Liu em uma entrevista no ano passado.

Garantir um canal de trabalhadores qualificados também é uma preocupação para a TSMC no Japão. Para colocar a fábrica em funcionamento, alguns engenheiros japoneses da Sony foram temporariamente transferidos para a TSMC e enviados a Taiwan para treinamento. A faculdade técnica local em Kumamoto intensificou os cursos de engenharia elétrica, e a TSMC contratou 17 de seus formandos.

Em uma noite recente, em um salão de banquetes com painéis de tatami em Kumamoto, a cidade a 16 km da nova fábrica da TSMC, investidores visitantes de Taiwan trocaram presentes com seus anfitriões, uma câmara de comércio local. Garrafas de cerveja Kirin, pequenos copos de saquê, camisetas e chaveiros foram distribuídos e pratos de sushi foram colocados na frente de cada pessoa. “A todo o dinheiro que vamos ganhar”, foi o brinde final.

Todos os gastos deram início a um boom imobiliário. Os preços já estão subindo, causando ansiedade entre alguns moradores locais. Os investidores concordaram em gastar centenas de milhares de dólares em lotes de terras agrícolas por meio de chamadas de vídeo.

Publicidade

“Não há nenhum outro lugar no Japão que esteja crescendo assim”, disse Shogo Okuda, um agente da incorporadora Shichiro Kensetsu, que cresceu na área.

Os trabalhadores da TSMC chegam a Kikuyo vindos de cidades próximas aos principais centros de produção da empresa em Taiwan, como Hsinchu e Tainan, que têm alguns dos valores imobiliários mais altos de Taiwan.

Muitos recém-chegados ligaram para Cake Liao, um agente imobiliário taiwanês, procurando uma casa pronta para morar e mobiliada, o que é típico na área urbana de Taiwan, mas não na área rural do Japão.

“Eles dizem: ‘Vá até a área de Kumamoto e encontre algo para mim’”, disse Liao à mesa da sala de jantar em uma casa modelo. “Esta é a nova Hsinchu.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.